Início » José Renato Nalini » Transgênico é do bem?

Transgênico é do bem?

O brasileiro tem medo de transgênico, apurou uma pesquisa do Ibope Conecta. Transgênico é um organismo que recebe um gene originalmente presente em outro, geralmente por meio de biotecnologia. Isso muita gente sabe. Argumenta-se que os transgênicos são projetados para resistirem à praga, aumentando a produtividade e reduzindo custos. No Brasil, planta-se milho, soja e algodão transgênico.

Não se sabe ainda, ao menos com certeza, se eles fazem mal à saúde. É que tudo começou muito mal. A venda de sementes transgênicas se fazia simultaneamente à de um agrotóxico. Também se divulgou – e não se desmentiu – que a semente transgênica é estéril. A indústria de sementes ficaria com o monopólio. Certo ou não, os pequenos produtores de sementes desapareceram. Assim como aquelas plantinhas nativas que os antigos conheciam tão bem e que eram “milagrosas” para tantos males. Tudo ganhou escala, ganhou proporções e a biodiversidade foi sendo sufocada.

As pessoas entrevistadas para a pesquisa não sabiam que estavam a consumir DNA. Pois a inserção de um gene de um organismo em outro nada mais é do que a inserção de uma longa molécula de DNA, geradora de uma nova característica. E 75% delas se confessaram preocupadas. A explicação de quem ganha dinheiro com transgênico é o de que não há perigo para os seres humanos. Pois a maioria dos destinatários de milho, soja e algodão transgênico está na escala animal inferior: os grãos vão alimentar porcos, galinhas e gado. Mas não existe também o perigo de consumir carne desses viventes que nos alimentam, se eles agora são alimentados artificialmente? Galinha já não cisca no terreiro, porco já não come vegetais ou milho puro e as vacas só consomem ração transgênica?

À medida que a humanidade “brinca de Deus”, ela vai descobrindo que há consequências. O “aprendiz de feiticeiro” nem sempre domina integralmente a ciência e a técnica. A busca desenfreada do lucro pode causar nefastas consequências para o equilíbrio da natureza e para a subsistência humana sobre este sofrido planeta.

Quanta coisa já não se faz, sem conhecimento dos consumidores, cobaias inertes e impotentes diante do comando indiscutível e incontornável do senhor mercado?

*José Renato Nalini é desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, secretário da Educação do Estado de São Paulo, imortal da Academia Paulista de Letras e membro da Academia Brasileira da Educação. Blog do Renato Nalini.

Comentários

  1. Doroti Aparecida Honório disse:

    A verdade é que vi na televisão muitas pessoas queimando plantações contra os alimentos transgênicos e nunca explicaram o motivo de estarem contra ou a favor.
    Nunca vi alguma explicação sobre os alimentos transgênicos, como são o que pode fazer a quem o consome.
    Se nada falam e nada esclarecem realmente existe o motivo para nada ser explicado.
    O que se pode fazer se houve sim um princípio de luta que se apagou como luzes que nos convidam a noite para fecharmos os olhos….
    Continuar nos alimentando com coisas das quais pouco ou nada sabemos é comprar remédios a preço de ouro para curar doenças que adquirimos sem ter a menor idéia do porque.

  2. Beverly Jaesche de Morais disse:

    Gostaria muito de saber se faz ou não mal à saúde da população de humanos, animais e no todo onde é consumido. Se tráz o “TEZÃO” emparedado por um triângulo em cores chamativas é porque SIM! faz mal! Mas ….. ficamos com T ou não, com cara de idiotas que acabam comprando pelo menos as rações dadas aos nossos queridos animais com esse baita T, sem que ninguém possa ser responsabilizado pelos males que podem vir a acontecer a eles.
    Afinal de contas, temos o direito de saber! Quem ou qual suigla podemos acessar para ter essa resposta?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*