Principal » Tag "América Latina"
Rolando Lazarte

Escrever

Quando começo a juntar os textos em direção a um novo livro, vou experimentando muitas sensações, que gosto de partilhar com quem possa estar lendo isto. Uma delas, muito forte, é difícil de expressar, mas tem a ver com reunião, com recuperação de identidade, unidade. São pedaços de mim que foram sendo escritos em diferentes momentos. Esses pedaços contém vivências, experiências. Foram passeios, conversas. Contém esperanças, dores, frustrações, tristezas, sonhos, tudo que é o viver humano. É um reviver, um viver a vida em dobro, como disse Anaîs Nin em seu livro Em busca de um homem sensível. Esse livro teve um papel fundamental na minha decisão de escrever, de me trazer para o papel.
Bruno Peron Loureiro

Trabalho escravo e religiosidade

A América Latina coleciona casos de precarização, exploração e escravização do trabalho. Números vultosos de pessoas, outrossim, não se importam de laborar em condições degradantes em troca de um salário que lhes permita pagar o mínimo de contas porque é a única opção que resta ou porque têm que sustentar uma família. Mal passa pela cabeça destes trabalhadores o significado de produtos supérfluos, tão caros na propaganda dos meios de comunicação. Tampouco lhes preocupa aos trabalhadores infantis, imigrantes ilegais e indigentes que os patrões se enriqueçam às custas do suor de sua fronte.
Ricardo Cabral

Como uma ideologia foi absolvida de seus crimes

O ex-ditador e torturador argentino Rafael Videla foi condenado ontém (22/12), aos 85 anos, à prisão perpétua pela execução de 31 presos políticos, em 1976, na cidade de Córdoba. É importante, claro, comemorar – como fazem, neste momento, milhares de argentinos. Sobretudo, porém, é preciso fazer uma ressalva e atentar para o fato de que não se deve esquecer – como a história oficial esqueceu – de que é impossível dissociar os crimes das ditaduras da América Latina de uma estratégia ideológica de implementação de políticas econômicas neoliberais.
Mário Maestri

A Revolução de Maio de 1810

As relações de subordinação com o capital mercantil e comercial europeu, primeiro espanhol e a seguir inglês, determinaram fortemente a história e a conformação das nações independentes que surgiram na bacia do rio da Prata. O próprio vice-reinado do rio da Prata fora fundado, em 1776, para facilitar a administração e sobretudo a percepção das rendas e dos impostos devidos à metrópole ibérica, nos imensos territórios das atuais Argentina, Uruguai, Paraguai e Bolívia.
Alessandro Lyra Braga

Os caminhos para a ascensão do Fascismo e do Nazismo

Foi uma grande surpresa para o mundo ocidental, vindo do século XIX, quando o Liberalismo triunfou, a queda desse mesmo Liberalismo logo no início do século XX, principalmente após a Primeira Guerra Mundial. Logo nos primeiros anos do século XX os valores e instituições que norteavam a civilização liberal entraram em colapso. Entendia-se pelo Liberalismo que países e governos deveriam seguir constituições e possuírem parlamento, sendo o autoritarismo e a ditadura vistos com desconfiança face à mentalidade da época. A democracia era vista como o caminho ideal dentro da ótica liberal. Com exceção da Rússia, todos os regimes que emergiram da Primeira Guerra Mundial, novos ou velhos, eram basicamente regimes parlamentares representativos eleitos. Poucos foram os Estados que não tiveram eleições no período compreendido entre 1919 e 1947
Bruno Peron Loureiro

Voragem dos privilegiados

Entre 1962 e 71, EUA contaminou os solos de Vietnã com o lançamento de um herbicida chamado Agente Laranja, que arrasou bosques, colheitas e tem provocado, até hoje, nascimentos com deformações. A única ameaça foi o tal do antraz naquele país, que ninguém encontrou. (...) É tão impostora a política exterior EUA na que eles condenam e temem tudo o que já impuseram a outras nações, como ditaduras, armas químicas e programas nucleares. Aconteça qualquer tragédia no mundo todo desde que não se ultrapassem as fronteiras daquele país decrépito!
Julio Severo

Vasta maioria dos latino-americanos apoia penas criminais para o aborto

A vasta maioria dos latino-americanos é a favor da manutenção de penas criminais para o aborto, de acordo com um novo estudo. O estudo, que sondou residentes de vários países latino-americanos, indica que 60,4 por cento dos mexicanos favorecem penas criminais para os abortos ilegais. No México, as mulheres têm probabilidade muito maior de apoiar a criminalização do que os homens. Dos que apoiam penas criminais para o assassinato de bebês em gestação, 32 por cento são mulheres e 28,4 são homens, de acordo com o estudo.
Celso Lungaretti

Paraguai em transe

A direita latinoamericana está saudosa dos Pinochet e Stroessner. Autorizado pelo Congresso paraguaio, o presidente Fernando Lugo declarou estado de exceção, durante 30 dias, em cinco dos 17 Departamentos do país: Concepción (na fronteira com o Brasil), San Pedro, Amambay, Presidente Hayes e Alto Paraguai. Com isto, o Exército poderá abrir sua caixa de ferramentas, recorrendo às práticas invariavelmente adotadas no combate aos guerrilheiros da América Latina.
Bruno Peron Loureiro

As Malvinas e a intromissão descarada

É legítima a defesa dos recursos naturais na área marítima por parte da Argentina, ao mesmo tempo em que surgem boatos inoportunos de que a presidente Cristina Fernández tentou desviar a atenção de problemas internos, como o aumento da inflação e o uso das reservas do Banco Central. A estratégia do governo argentino tem sido a de dificultar a ação das empresas inglesas, que se aproximam em consequência da alta do preço de petróleo. A presidente argentina Cristina Fernández passou a exigir autorização oficial de todas as embarcações estrangeiras para que naveguem em águas do país sul-americano.