Início » Helder Caldeira » Sem qualquer vestígio de vergonha

Sem qualquer vestígio de vergonha

Em entrevista à revista Veja e sem qualquer vestígio de vergonha, Raul Jungmann (PPS/Pernambuco), titular do Ministério da Defesa do (des)governo Michel Temer, propôs o aumento de impostos como solução para as mazelas do sistema prisional do Brasil.

Na semana marcada pela chacina de noventa e três presidiários no Amazonas e em Roraima, ao ser questionado pelo jornalista Thiago Bronzatto sobre qual seria a solução para a situação caótica das penitenciárias do país e acabar de vez com a crise na segurança pública, Jungmann não titubeou ao apontar as armas e a fatura para o povo brasileiro:

“Você topa pagar mais impostos para financiar essa parte da conta? Hoje eu não dou conta das prioridades que tenho. Basta olhar o teto de gastos. Então, é uma questão de colocar para a sociedade. Se de fato se quer que o Poder Executivo entre nisso, a sociedade tem que meditar e refletir se ela aceita ultrapassar o dogma dos impostos”, disse o ministro da Defesa.

Como é que é, excelência?! Quer dizer que o Poder Executivo do Brasil está isento de responsabilidade e não sabe se ainda vai “entrar nisso”? Quer dizer que Imposto no Brasil é “dogma”? #Canalha!

Com sinceridade, essa gente de colarinho-branco e gravata de seda está testando a paciência dos cidadãos e subestimando a capacidade de insurreição do povo brasileiro. A paciência, devo dizer, já acabou…

*Helder Caldeira é escritor, jornalista político, palestrante e conferencista, diretor de jornalismo da TV Mutum SBT e editor-chefe da revista Capa. Autor dos livros ‘ÁGUAS TURVAS’ e ‘A 1ª PRESIDENTA’.

www.heldercaldeira.com.br – helder@heldercaldeira.com.br

Comentários

  1. Teresinha Winter disse:

    É muita cara de pau!!! Estão seguros nos seus cargos, sim. Esse governo vai conseguir tudo que quer. A FIESP está bancando tudo. Despeja baldes e mais baldes de dinheiro no Congresso. Os deputados e senadores estão se batendo pra ver quem puxa mais o saco, pra ver se ganha um pouquinho mais do que o outro. A coisa tá tão vergonhosa, que até o poder judiciário e o STF entraram na dança. Basta ver as “interpretações” das leis. Não sei como o juiz Moro consegue fazer o seu trabalho, com essas leis e essa gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*