Por que ensinar mentiras?

Por em 22/09/2012

Tamanho da fonte: Aumentar o tamanho da letraDiminuir o tamanho da letra
Compartilhar

Não seria sem tempo que se iniciasse um movimento em nossas universidades públicas e particulares, que abrangesse os corpos docente e discente, tendo em vista a libertação do ensino de história de todo poder ideológico, seja de que tendência for.

A ideologia é a maior inimiga da história, do conhecimento e, portanto, da própria humanidade. É capaz de tudo para se afirmar. Para ela, tudo mais é resto e vem depois da satisfação das suas caprichosas vontades. Todos os princípios que o sofrimento e a inteligência humana consagraram, na prática, são e serão pisados sem a menor cerimônia pelo ardor ideológico.

É bom que se destaque que não se trataria de um movimento “contra”, mas a favor de um conhecimento sem retoques da realidade humana no correr do tempo. Porque a boa intenção expressa em papel e pela eloquencia dos discursos ideológicos nunca encontra lugar na vida real. Ninguém melhor do que a história livre para demonstrar e iluminar o percurso dessas ameças, evitando que continuem a iludir e a ceifar inúmeras vidas com perversidade e a troco de nada.

Há muito reclamo a elucidação da origem histórica do cristianismo, cuja versão falsa relatada no Novo Testamento, serviu de base histórica também para o marxismo. Essa mentira continua sendo ensinada desavergonhadamente em nossas escolas e universidades com o apoio nada ingênuo do meio acadêmico. É um péssimo exemplo que está na base da nossa cultura ocidental. Então, como exigir melhores resultados das nossas sociedades quando o mau exemplo vem de cima, do alto de uma crença que não concilia a verdade mundana com a suposta verdade divina? Ora, todas as nossas leis e costumes estão baseados nela.

Esse descompasso jogou a ideia de fé na lama, e obrigou a todos que viviam sob o seu domínio a chafurdarem também. Em meio a tanta complicação, fica o mais simples: de certo modo, o que vale para as crianças, vale para as massas. As crianças se orientam pelos exemplos, e não pelos sermões dos pais. Para exemplos imaginários, resultados imaginários. Para a realidade ficam as reclamações, os sofrimentos e as desilusões.

Ter que esconder que o Novo Testamento é um romance religioso, que os “fatos” que narra e seus personagens nunca existiram, não haveria de ser uma tarefa eternamente bem sucedida. Há muito se sabe que o apelido “cristão” não surgiu em Antióquia, como consta no romance: “e tendo-o achado, o levou para Antioquia. E durante um ano inteiro reuniram-se naquela igreja e instruíram muita gente; e em Antioquia os discípulos pela primeira vez foram chamados cristãos.” (Atos 11. 26).

Um trecho de uma carta do imperador Adriano (117-138) contesta essa versão para a origem do nome “cristão”.

“Queridíssimo Serviano, o Egito que tanto elogiavas parece-me ser leviano, vacilante e borboleteador entre os rumores de cada momento. Os que adoram a Serápis são cristãos. E os que dão o título de bispos de Cristo são devotos de Serápis. Não há chefe da sinagoga dos judeus, nem samaritano, nem presbítero cristão, que não seja também numerólogo, adivinho e saltimbanco. São gente altamente sediciosa, vã e injuriosa, e sua cidade é rica, opulenta, fecunda. Nela ninguém está ocioso. Uns sopram vidro, e outro fabricam papel, e todos parecem ser tecedores de linho ou têm algum ofício. Têm trabalho os reumáticos, os mutilados, os cegos e até os inválidos. O único deus de todos eles é o dinheiro, a quem adoram os cristãos, os judeus e toda classe de pessoas” (GONZALEZ, 2003, p.117).

O cristão do NT só passa existir depois do século II e.c., portanto, tais referências utilizadas como prova da existência deste cristianismo no século I não são autênticas. Como consta na carta de Adriano, existiu um cristão mais antigo, que vinha do século III a.e.c., e nada tinha a ver com Jesus algum.

Serápis foi um deus criado por encomenda de Ptolomeu I Soter (Salvador), para unir gregos e egípcios. Do lado grego, reunia atributos de Zeus, Helio, Dionísio, Hades e Asclepio. Aproximava-se de Dionísio e das religiões de mistérios, sincretismo evidente no cristianismo do NT, muito comentado na metade do século XX por estudioso e teólogos liberais. Do lado egípcio, identificava-se com as divindades Osíris, associada à vegetação e a vida no além, e Ápis, antiga divindade agrária representada por um touro negro.

O título “Cristo” era a forma grega para a palavra egípcia “karast” que significa ungir o defunto com óleo perfumado, em preparação para o funeral. Essa unção era utilizada no culto de Osíris, que visava manter o corpo conservado para a vida no além. Os gregos incorporaram essa prática ao culto sincrético de Serápis.

Após sua morte, Serápis tornou-se o ungido ou Karast, deus dos mortos e do submundo. Por isso, os devotos desse deus eram chamados de cristãos. O cristianismo do NT, inexistente no século I, viria a ser a forma derradeira desse cristianismo greco-egípcio mais antigo e de origem pagã. Nada a ver com o judaísmo e a invenção de Jesus de Nazaré, o Cristo do NT.

O cristianismo mais antigo está na história antes e durante o século I. O mais novo, nem durante. No século I, este cristianismo palestino só existiu mesmo no papel e na afirmação nada científica dos historiadores cristãos. É o próprio cristianismo quem narra a própria versão ante o pano de fundo do referido século. Como é possível que nehum contemporâneo tenha se referido a essa versão durante cem anos, e ele não tenha deixado qualquer vestígio pelos muitos lugares por onde passou?

Segundo, o capítulo 46,1, da sua I Apologia, Justino menciona que uma das objeções contra a doutrina cristã era a de “dizermos que Cristo nasceu somente há cento e cinquenta anos sob Quirino e ensinou sua doutrina mais tarde, no tempo de Pôncio Pilatos”. Na época de Justino, como ele próprio atesta ainda não se acreditava na historicidade da versão com Jesus Cristo, que se tornaria vitoriosa. Nem poderia, pois a crença estava sendo implantada e Justino era um dos seus propagandistas ou divulgadores.

Os sincretismos sucessivos ajudaram muito na propagação do cristianismo do NT, surgido em Alexandria, e não na Palestina. Foi devorando cultos e crenças, como os deuses egípcios faziam aos outros deuses, que esse cristianismo foi se afirmando nas cidades do Mediterrâneo, nas quais, tais crenças e cultos haviam se fixado há muito tempo. Portanto, este cristianismo repaginado para ultrapassar o judaísmo não lhes parecia nada estranho; acostumadas que também estavam com as crenças judias àquelas cidades.

Depois que o templo de Serápis e sua biblioteca foram incendiados a mando do bispo Teófilo, em 391, sob Teodósio I, somente o cristianismo predador do século II sobreviveu com as suas invenções e à custa de uma brutal imposição apoiada pelo governo imperial. Templos pagãos ainda frequentados foram incendiados com seus devotos no interior. Foi assim que a religião que prega o “amor ao próximo”, que ama seus adversários, se iniciou nos grandes centros urbanos.

O problema é que a história não favorece em nada a imagem cristã de amor e mansidão popularmente aceita e enaltecida. Estudar essa cultura religiosa pelo veio contundente da história, e não pelo romance do Novo Testamento, como é aconselhado, é algo que recebe uma poderosa censura ideológica. Acontece que o que existe de positivo no cristianismo do NT é muito anterior a ele, e nada tem a ver com essa mentirada toda. Não precisa dela para coisa alguma, pelo contrário, a mentira o compromete aos olhos menos ilustrados.

Para defender a falsidade que sustenta um sistema podre, que se serve da ira dos inocentes, acusam de ódio indiscriminado e de inimigos do amor e da paz, aqueles que aspiram pelo esclarecimento histórico. O crente acredita nisso, porque aprendeu que quem não é cristão como ele, não é bom. Eis o péssimo exemplo que vem de cima, das chamadas lideranças espirituais acostumadas aos benefícios que lhes são propiciados pelas mentiras oficialmente ensinadas e sustentadas. Ainda querem convencer que errados estão aqueles que buscam a verdade, pois, por vivermos em sociedade, deveriam ajudá-los a enganar o todo.

*Ivani de Araújo Medina é carioca, nascido na Ilha do Governador em 1947. Formado em Artes Plásticas pela antiga Escola Nacional de Belas Artes na década de 1960, e autodidata e pesquisador em História do Cristianismo.






Por Ivani de Araújo Medina, em 22/09/2012.

Comente!

Busca

Colunistas


stivali ugg outlet italia online canada goose jacka dam billigt ralph lauren pas cher ugg pas cher bottes uggs pas cher hollister online shop Hollister Outlet Online Shop Deutschland Hollister Outlet Online Shop Deutschland Hollister Online Shop Deutschland Sale Hollister Sale Online Shopping Canada Goose Schweiz doudoune parajumpers pas cher Ropa Hollister Espa?a Online hogan 2014 hollister france moncler outlet hollister outlet piumini moncler parajumpers italia woolrich france moncler danmark moncler jakker moncler outlet hollister outlet deutschland moncler jacke detuschland ugg deutschland canada goose deutschland woolrich nederland moncler jassen moncler jacken moncler deutschland ugg outlet ugg deutschland the north face jacken the north face outlet the north face deutschland hollister deutschland hollister outlet abercrombie