O ídolo não perde. Quando muito deixa de ganhar!

Por em 01/08/2012

Tamanho da fonte: Aumentar o tamanho da letraDiminuir o tamanho da letra
Compartilhar

É impressionante a força de vontade das equipes norte-americanas nos esportes que estão predestinados a lutar por uma medalha de ouro. Nós, brasileiros, extravasamos nossos sentimentos. Na verdade, os temos a flor da pele. Os norte-americanos parecem que não. Agem como máquinas e acabam levando a melhor, ou perdendo por pouco. Isto se chama foco. E exige uma coisa chamada compromisso. Coisa esta que só se consegue com muita determinação.

Até entendo que no afã de se torcer por um atleta de seu país, se queira desmerecer a qualidade de outro. Compreendo que Phelps não nadou bem os 400, sua primeira prova e chegou na quarta colocação atrás de seu maior rival e colega de time e de um brasileiro. Ai vem gente que nunca disputou esporte algum – nem purrinha – para vibrar mais com o fato do brasileiro ter chegado à frente do maior nadador de todos os tempos, do que propriamente dele, que com toda justiça, fez jus a sua prata.

Eu fui atleta, e sei quão difícil é se realizar que você chegou ao seu limite. Talvez por isto, eu tenha uma tremenda admiração por aqueles que nunca conseguem achar seus limites e a cada competição nos surpreendem. Não há como se explicar. Phelps, é igual a qualquer um de nós. Dorme, acorda, toma café da manhã e vai trabalhar. Apenas que seu trabalho é em uma piscina. O nosso é em qualquer outro lugar. Se priva de muitas coisas que nós não precisamos nos privar e tenta controlar sua ansiedade e nervos, contra os melhores trabalhadores de seu oficio, à frente de bilhões de telespectadores. Imaginem o que ele deve ter sentido ao chegar na quarta colocação.

Eu diria que 99,9% dos habitantes da Terra gostariam de chegar em quarto lugar em uma Olimpíada. Mas para Phelps deve ter sido uma decepção. Ele sentiu que não é mais o mesmo e que teve uma queda produtiva. Sentimentos e sensações inevitáveis com o passar dos anos. Mas no dia seguinte deixou de disputar uma prova em 200 metros onde era favorito, para melhor defender seu país em seu relay. E foi o melhor dos quatro. Mas para tal teve que fazer um sacríficio pessoal. Deixou de lado a chance de mais uma medalha individual, para tentar uma coletiva. Aquele que o bateu, acabou entregando o ouro para os franceses. Logo, penso, que cair da forma como Phelps caiu e assim mesmo saber que é o quarto do universo nos 400, é coisa demais para qualquer ser humano. É cair de pé.

Phelps estava, desde o início destes jogos, à procura de sua décima oitava medalha olímpica. Acho que isto responde a qualquer dúvida e principalmente a qualquer inveja de gente que prefere levantar copinhos, e fazer lipos, do que treinar de forma árdua. E ele o faz, com chuva ou sol, todos os dias, e isto no melhor período de sua vida. Aquele que poderia estar na praia azarando os brotinhos.

Aprendamos, com os franceses, que perderam o mais importante relay nas olimpíadas passadas por batida de mão. Ontem ganharam por um pouquinho mais. Sua imprensa não perdeu tempo em falar que haviam derrotado Phelps e companhia. Simplesmente enalteceram seus heróis, dois dos quais, que nadaram mais do que pela medalha de ouro. E sim para ajustar as contas pendentes desde Beijing. E foram quatro anos de espera.

Mas, como disse anteriormente, existe uma coisa chamada determinação. E neste pormenor, nós brasileiros, ainda não conseguimos estabilizar uma base. Lembram-se da última Copa de Futebol, como os holandeses viraram o jogo, com gols de cabeça em nossa pequena área. E o que fizemos, ao estarmos em desvantagem? Passamos a apelar para pontapés. Em relação a determinação, em nosso caso, esta ainda é suplantada pela ansiedade.

Mas nada que um dia depois do outro. Os que torciam contra Phelps tiveram que engolir mais duas medalhas e serem protagonistas de um dia histórico. Aprenderam definitivamente, que é muito difícil se ganhar uma medalha olímpica. Uma de ouro, então, nem se fala. Que ganhar 19 é ainda mais complicado. E quase que impossível é fazer história e foi o que este rapaz o fez hoje, dia 31 de julho de 2012. E o mais impressionante, dentro e fora d’água.

Publicado no planetachamadoterra.blogspot.com

Tags: , ,






Por Renato Gameiro Alvares, em 01/08/2012.

Comente!

Busca

Colunistas


stivali ugg outlet italia online canada goose jacka dam billigt ralph lauren pas cher ugg pas cher bottes uggs pas cher hollister online shop Hollister Outlet Online Shop Deutschland Hollister Outlet Online Shop Deutschland Hollister Online Shop Deutschland Sale Hollister Sale Online Shopping Canada Goose Schweiz doudoune parajumpers pas cher Ropa Hollister Espa?a Online hogan 2014 hollister france moncler outlet hollister outlet piumini moncler parajumpers italia woolrich france moncler danmark moncler jakker moncler outlet hollister outlet deutschland moncler jacke detuschland ugg deutschland canada goose deutschland woolrich nederland moncler jassen moncler jacken moncler deutschland ugg outlet ugg deutschland the north face jacken the north face outlet the north face deutschland hollister deutschland hollister outlet abercrombie