Início » Renato Gameiro Alvares » Nossa ópera buffa

Nossa ópera buffa

Não creio que haja, qualquer resquício de dúvida, que o Partido dos Trabalhadores, falhou em sua missão principal, que era, até que provou ao contrário, melhorar o nível de vida daquele que trabalha. Por isto até usou como nome de sua agremiação, trabalhadores. E na verdade, por aquelas incongruências da vida, aquele que sempre foi a sua ponta de lança, o senhor Luis Inácio Lula da Silva, é o que menos trabalha. Fala muito, mas sempre trabalhou pouco. E quando se cansou, perder parte de um dedo, no final não acabou sendo mau negócio…

Nossa situação política, a partir de 2003, quando o PT tomou as rédeas de uma nação que tinha um plano econômico, finalmente estabilizado pela gestão anterior, sempre foi uma cortina de fumaça consubstanciada em esperança, mas que na verdade quando se dissipou, com o passar dos anos, o que se viu foi a eterna realidade de sempre: a de se assumir o poder, tentar eternizar-se ao custo que for necessário e trazer para si e para os seus, vantagem em tudo. Lei do Gerson.

Não há dúvidas que hoje somos um país com um pouco mais de sanidade financeira. O que era de se esperar, afinal os alicerces duramente plantados pela gestão anterior, precisavam apenas ser mantidos e que uma casa sobre os mesmos, fosse erigida. Não sei se foi ideia do senhor Lula, ou quem sabe imposição daqueles que lhe garantiram o poder, mas embora ele negue, a política financeira foi mantida. Nenhum milagre econômico ele pariu. Apenas deitou-se nos louros alheios e saiu por ai, a basofiar. Nunca na história deste pais… E aí está o segredo de seu único sucesso. Não mudar o que estava dando certo, como no final deu.

Como na fanfarra, imediatamente esquece-se o pai que gerou e apresenta-se apenas, o filho bonito e inteligente. E nunca esquecer de, em toda retórica, a iniciar com um emblemático: “nunca na história deste pai…” Cômico para não se dizer trágico.

Desculpem a minha opinião, mas para mim melhorar a vida do trabalhador é lhe proporcionar e dar acesso a um mínimo de segurança, educação e sanidade. Olhando para o atual quadro da segurança, vendo o estado em que se encontram as nossas escolas e tendo a coragem de encarar todo e qualquer hospital público, descobre-se, que todo trabalhador tem hoje um geladeira e uma televisão, evidentemente que pagando um preço vil, mas sua saúde em nada melhorou, como também a educação de seus filhos e a segurança para toda a sua família. Nas favelas “pacificadas” ainda morrem inocentes, vitimas de balas perdidas.

Vivemos, sem sombras de dúvidas, uma ópera buffa. Que na verdade é uma pequena ópera cômica, que quer parecer uma ópera normal, mas infelizmente não foi escrita por Verdi, Puccini ou Donizetti. Tem sua graça, mas com o passar dos dias, não fica na mente daqueles que a assistiram. Infelizmente a similar montada pelo PT, está simplesmente acabando com as mentes e deixará um grande estrago, quando a conta vier a ser mandada.

Seu Dirceu e companhia montaram um sistema de corrupção, que denominaram de coligação de partidos de sustentação de uma base política. Como as armas de alta destruição, que só o senhor Bush acreditou existirem no Iraque, uma pantomina foi erguida, por intermédio de valeriodutos e mensalões. Dissipada a fumaça e vista a realidade como ela o é, pasmem, apenas nosso presidente em exercício, quer nos fazer crer, que não teve absoluto conhecimento do fato. Talvez porque viajasse muito. Talvez por ser uma alma pura. Quem sabe até por um pouco de desatenção…

Deus nos dá um dom. Cabe a nós o descobrir e trabalhar com obstinação para que este dom possa o ajudar a exercer aquilo que representa, seja no plano dos esportes, como também no trabalho, na arte, no social ou na política. José Bonifácio tinha um dom. O de saber fazer as coisas acontecerem por baixo das demais vistas humanas. Era um estrategista, José Dirceu também. Ambos alcoolizavam aqueles que os cercam, com suas ideias e formas distintas de ver como uma nação deve agir. A diferença está que Bonifácio, seria uma espécie de whisky escocês, e o Dirceu uma cachaça da braba. Ambos o deixam fora de si, mas apenas um faz mal a sua saúde.

E somos nós, que temos que dormir com um barulho deste, rezando antes de fechar os olhos, para que não sejamos assaltados no dia seguinte, que nosso filho possa estudar em condições decentes, que nunca tenhamos que depender de um hospital público e quem sabe um dia a corrupção seja punida na República do PT. Mas, em compensação, o financiamento daquele carro de seus sonhos é possível. Impossível será você pagá-lo.

Publicado no planetachamadoterra.blogspot.com

Comentários

comentários

Comentários

  1. mas veja a grana que ele e a familia tem, podes trabalhar o quanto quiseres que nunca fará uma fortuna dessas, nem ganhando na loto 1000 vezes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*