Início » Políbio Braga » Lula recorre para livrar os nove milhões de reais confiscados por Moro

Lula recorre para livrar os nove milhões de reais confiscados por Moro

Lula recorre ao TRF4, Porto Alegre, para livrar os R$ 9 milhões confiscados por Moro

Os advogados de Lula já protocolaram mandado de segurança no TRF4, Porto Alegre, para que seja revogado o confisco de R$ 9 milhões de Lula, R$ 6 milhões dos quais estavam em nome da Lils, a empresa de palestras de Lula.

Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins pediram medida liminar para suspender de imediato a decisão do juiz Sergio Moro, e o reconhecimento da ilegalidade da decisão do magistrado.

Lula fez um aporte de nove milhões de reais na Brasilprev em 6 de junho de 2014, no comecinho da Lava Jato.

Naquele ano, o departamento de propinas da Odebrecht repassou quatro milhões de reais, de acordo com a planilha Amigo.

O dinheiro irá todo de volta para a Petrobrás, mas uma picape igual a esta foi desprezada.

O juiz federal Sergio Moro confiscou um Omega e uma Ford Ranger de Lula, mas desprezou uma picape Ford F1000, de 1984. O magistrado alegou “antiguidade do veículo, sem valor representativo”.

Lula poderá usar o carro livremente.

Moro ordenou o bloqueio de R$ 10 milhões do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, porém encontrou menos do que isto em bens e dinheiro.

Lula teve R$ 606,7 mil bloqueados pelo Banco Central nesta terça-feira, por ordem de Moro.

Além do dinheiro, Moro confiscou de Lula três apartamentos, inclusive onde mora o líder do PT, e um terreno, tudo em São Bernardo do Campo (SP), além de dois veículos — um GM Omega CD, ano 2010, e uma Ford Ranger LTD, ano 2012/2013.

*Políbio Braga é um jornalista e escritor brasileiro. Nascido em Santa Catarina, foi para o Rio Grande do Sul aos vinte anos. Foi presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas entre 1962 e 1963. Foi secretário da Indústria e Comércio e da Fazenda de Porto Alegre, além de secretário de Relações Internacionais e chefe da Casa Civil do governo do estado do Rio Grande do Sul. Foi preso duas vezes durante o regime militar brasileiro, em 1962 e 1972. Publicou um livro sobre esta experiência, chamado Ahú, diário de uma prisão política. Trabalhou nos jornais Diário Catarinense, Correio da Manhã, Última Hora, Gazeta Mercantil, Zero Hora, Correio do Povo e Jornal do Comércio, e nas revistas nas Veja e Exame. Também apresentou e participou de programas de televisão na RBS, Band, TV Pampa e TV Guaíba além de programas de rádio. Blog do Políbio Braga

Comentários

comentários

Comentários

  1. João Guilherme disse:

    Mais uma vez ele foi desmascarado uma semana depois dele falar nas redes sociais que era pobre, em companha para sua eleição em 2018, o que é proibido pela lei eleitoral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*