Levante a cabeça!

Há pessoas que vivem desanimadas com os problemas que enfrentam; outras, com dificuldades ainda maiores, esbanjam otimismo com certo grau de felicidade; e também há aquelas que julgam não ter grandes problemas na vida porque não se comovem com o sofrimento do próximo. Através da minha modesta opinião, vou comentar cada situação.

Bem, àquele que só vive reclamando e perdeu as esperanças de encontrar a paz, eu diria que precisa procurar ajuda espiritual e, às vezes, material ou psicológica também. Sei que cada caso é um caso e existem problemas dificílimos de solucionar, porém, com oração e dignidade cristã, Deus providencia dias melhores.

Quem já reza, participa de alguma Pastoral na Igreja e, mesmo assim, ainda sofre provações, pode testemunhar que a esperança nunca morre – a misericórdia Divina vem na hora certa e afaga cada coração. Isso aconteceu comigo por diversas vezes e, com certeza, com todas as pessoas que trabalham nas comunidades que ajudo. É por isso que sempre alertamos: ‘Quem não se aproxima do Pai por amor, acaba procurando-O na dor – o que é bem pior!’.

E o caso mais triste é daquele que só se preocupa consigo e não ajuda ninguém. Infelizmente, é o personagem que existe em maior número na face da Terra: está acima do bem e do mal, pensa que é feliz e despreza qualquer tipo de ajuda espiritual. Como sempre rezamos pela conversão dos mais pecadores, acredito que muitos ainda abrirão a mente e o coração para as graças que caem abundantemente sobre nós; caso contrário, verão a justiça severa do Altíssimo no dia da morte!

Há uma história interessante de um sábio que contava a todos o seguinte:

“Tenho duas caixas que Deus me deu para guardar. Ele disse: ‘Coloque as suas tristezas na preta e as alegrias na dourada’. Eu atendi e, embora a dourada ficasse cada dia mais pesada, a preta continuava tão leve quanto antes.

Curioso, abri a preta e vi na base da caixa um buraco pelo qual minhas tristezas saiam. Mostrei-a a Deus e disse-lhe: ‘Gostaria de saber onde minhas tristezas podem estar!’. Ele gentilmente falou: ‘Meu filho, elas estão aqui comigo’. Perguntei novamente: ‘Senhor, por que me deu a dourada inteira e a preta com buraco?’. Ele explicou: ‘A dourada é para você contar suas bênçãos e a preta é para você deixar vir a mim suas tristezas!’. Então, entendi que, se confiar Nele, não preciso me preocupar com a minha salvação.”

E para aumentar a nossa confiança em Deus, há uma oração maravilhosa, assim:

“Senhor Jesus, coloco-me diante de Ti tal como sou. Sinto grande desgosto pelos meus pecados e, por favor, perdoa-me. No Teu Nome eu também perdoo a todos por aquilo que fizeram contra mim. Renuncio a Satanás, aos espíritos malignos e a todas as suas obras. Dou-me inteiramente a Ti, Jesus.

Convido-te para minha vida, Senhor, e aceito-te como meu único Salvador. Cura-me, transforma-me, fortaleça meu corpo, minha alma e meu espírito. Venha, Senhor Jesus, cubra-me com Teu precioso Sangue e encha-me do Teu Espírito Santo. Amo-te, Jesus, louvo-te agora e sempre. Seguir-te-ei em todos os dias da minha vida.

Maria, minha Mãe, Rainha da Paz, São Miguel Arcanjo e toda milícia celeste, intercedam por mim e pela minha família. Amém!”

E como ‘receita de vida’, faço minhas estas palavras da Fundadora das Irmãs Missionárias da Caridade, Madre Teresa de Calcutá:

“O melhor meio de manifestar a nossa gratidão a Deus, assim como aos outros, é aceitar tudo com alegria. Um coração alegre concilia-se naturalmente com um coração abrasado pelo amor. Os pobres sentiam-se atraídos para Jesus porque Ele era possuído por alguma coisa maior do que Ele. Irradiava essa força nos Seus olhos, nas Suas mãos e em todo o Seu corpo.

Que nada possa inquietar-nos, até ao ponto de nos encher de tristeza e desencorajamento, arrebatando-nos a alegria da Ressurreição. A alegria não é uma simples questão de temperamento quando se trata de servir a Deus e as almas; ela está sempre a receber e essa é uma razão forte para nos esforçarmos por adquiri-la e fazê-la crescer em nossos corações. Mesmo que tenhamos pouco para dar, não obstante ficará a alegria que brota dum coração enamorado de Deus.

Por todo o mundo há pessoas famintas e sedentas do amor de Deus. Nós respondemos a essa carência quando semeamos a alegria. Ela é também uma das melhores defesas contra a tentação. Jesus não pode tomar plena posse duma alma senão quando ela se abandona alegremente a Ele.”

Pois é, onde muitos veem a morte, alguns aproveitam a oportunidade para recomeçar melhor do que antes. E se você disser: ‘Perdi a esperança’; Deus dirá: ‘Perdi um filho’. Portanto, levante a cabeça e faça-se feliz em 2017 e em todos os dias de sua vida.

Fonte: “PAZ”</strong>

*Paulo Roberto Labegalini é escritor católico, professor doutor da Universidade Federal de Itajubá-MG. Pró-reitor de Cultura e Extensão Universitária da UNIFEI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *