グッチ アウトレット グッチ バッグ グッチ 財布 グッチ 長財布 グッチ 激安 gucci 財布 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ メンズ グッチ 財布 203550 グッチ 長財布 本物 グッチ 激安 バッグ gucci 財布 アウトレット グッチ アウトレット グッチ バッグ 新作 グッチ 財布 新作 グッチ 長財布 メンズ グッチ 激安 通販 gucci 財布 2015 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ 人気 グッチ 財布 アウトレット グッチ 長財布 激安 本物 グッチ 激安 本物 gucci 財布 レディース グッチ アウトレット グッチ バッグ 通販 グッチ 財布 2015 グッチ 長財布 レディース グッチ バッグ 激安 gucci 財布 通販 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ ピンク グッチ 財布 レディース グッチ 長財布 人気 グッチ 財布 激安 gucci 財布 激安 グッチ アウトレット グッチ バッグ 本物 グッチ 財布 通販 グッチ 長財布 アウトレット グッチ 激安 財布 gucci 財布 人気 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ メンズ
Ironicamente, o Incra é o maior desmatador da Amazônia | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

Ironicamente, o Incra é o maior desmatador da Amazônia

Por em 15/07/2012

Tamanho da fonte: Aumentar o tamanho da letraDiminuir o tamanho da letra

O Ministério Público Federal (MPF) iniciou na semana passada uma nova etapa da atuação contra o desmatamento ilegal na Amazônia, na qual aponta o Incra como o maior desmatador da floresta. Neste sentido, foram ajuizadas ações em seis Estados: Pará, Amazonas, Rondônia, Roraima, Acre e Mato Grosso.

Segundo o Ministério Público Federal, essas ações reúnem dados inéditos sobre o desmatamento em assentamentos de reforma agrária que mostram que cerca de um terço das derrubadas ilegais vêm ocorrendo nessas áreas. “Os procedimentos irregulares adotados pelo Incra na criação e instalação dos assentamentos vêm promovendo a destruição da fauna, flora, recursos hídricos e patrimônio genético, provocando danos irreversíveis ao bioma da Amazônia”.

A participação do Incra no volume total de desmatamento da região também vêm crescendo por conta da regularização ambiental da atividade pecuária, afirma o MPF. “Historicamente, a criação de gado em áreas particulares era o principal vetor do desmatamento, mas dois anos depois dos acordos da carne legal, iniciados no Pará, as derrubadas em assentamentos estão ficando mais preocupantes. Elas representavam 18% do desmatamento em 2004, mas em 2010 atingiram o pico: 31,1% de todo o desmatamento anual na Amazônia”.

Esses processos do MPF requerem à Justiça “a interrupção imediata do desmatamento em áreas de reforma agrária, proibição de criação de novos assentamentos sem licenciamento ambiental e um plano para licenciar os assentamentos existentes, bem como para averbação de reserva legal e recuperação de áreas degradadas, com prazos que vão de 90 dias a um ano”.

DANOS DE R$ 38,5 BILHÕES

De acordo com a investigação, “até 2010 o Incra foi responsável por 133.644 km² de desmatamento dentro dos mais de dois mil projetos de assentamento na região amazônica. Para se ter uma ideia do prejuízo, a área desmatada é cerca de 100 vezes o tamanho da cidade de São Paulo. Entre 2000 e 2010, foram mais de 60 milhões de campos de futebol em florestas que vieram ao chão”.

Conforme cálculo feito pelo MPF, com base no valor comercial dos produtos madeireiros, chegou-se a um valor total de R$ 38,5 bilhões em danos ambientais causados pelo Incra em toda a Amazônia.

O Instituto do Homem Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) informa que, “os assentamentos mais desmatados estão no Pará, Maranhão e Mato Grosso. Nesses locais, segundo a entidade, entre 75% e 100% da cobertura vegetal foi derrubada ilegalmente. Na Amazônia, o Código Florestal prevê reserva legal de 80% da cobertura vegetal, em propriedades privadas, bem como nas áreas de reforma agrária”.

O MPF afirma que as principais causas que colocam o Incra como protagonista do desmatamento na Amazônia são negligência com a infraestrutura dos assentamentos e descontrole sobre a venda de lotes. A auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que, “até 2003 tinham sido criados mais de 4 mil assentamentos sem licença ambiental no país. O modo de criação, gestão e implantação de assentamentos em desrespeito à legislação ambiental deve-se à falta de ação do Incra, que sequer chega a protocolar os pedidos de licenciamento”.

Artigo publicado no site Tribuna da Internet






Por Paulo Peres, em 15/07/2012.

Comente!

Busca

Colunistas