Igrejas de portas estreitas

Uma família inteira se converteu em uma das “nossas” igrejas evangélicas. O pastor, um dia de domingo, após o culto, foi fazer uma visita e almoçar em casa dos novos convertidos. Foi muito bem recebido por aquela família. Logo apareceu uma criança dançando passos de frevo com uma “sombrinha” colorida. O pastor ficou indignado e disse: “Irmãos, a partir de hoje vocês são crentes e têm que deixar as coisas do mundo!”

A pequena dançarina ficou desapontada. Chegou a hora do almoço. A dona da casa, muito gentil, ofereceu ao pastor uma cerveja. Ele mais uma vez disse que a partir daquele momento a família não podia beber mais cerveja porque todos era crentes e “cerveja era uma coisa do mundo” A senhora ficou sem graça e voltou para a cozinha.

Então foi anunciado que o almoço estava pronto e todos deveriam tomar seus lugares à mesa. O pastor sentou em um lugar de destaque. O dono da casa abriu uma garrafa de vinho chileno, de ótima qualidade, e disse: “Pastor, o senhor toma um cálice de vinho?”. O pastor, cheio de santidade retrucou: “Meus irmãos, já disse que vocês agora são evangélicos e não podem praticar as coisas do mundo.”

Então o dono da casa, já irritado com a “camisa de força” na qual estava entrando olhou nos olhos do pastor e falou com firmeza: “Senhor pastor, então Deus deixou as coisas boas da vida só para os católicos? Peço-lhe desculpas, mas não quero mais ser membro da sua igreja!”

Muitas das nossas igrejas evangélicas têm as suas portas muitos mais estreitas do que as portas do céu. Esquecem que a salvação é por graça e fé.

Não estou fazendo a defesa da bebida e nem do fumo. Sei dos males que estes hábitos podem causar ao ser humano. Mas quero lembrar que Adolfo Hitler, o líder nazista que assassinou milhões de seres humanos, não bebia, não fumava e para completar sua “santidade” não comia carne. Era vegetariano convicto. Poderia até ser membro de muitas das igrejas evangélicas.

*Mozart Noronha é pernambucano de Catende, mora no Rio de Janeiro e é professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *