Início » Archive by category "Sérgio Domingues"
Sérgio Domingues

Nova crise mundial pode arrastar até a China

Os preços dos imóveis ultrapassaram o ápice de nove anos atrás, os financiamentos estudantis e a dívida com cartões de crédito aumentaram de modo preocupante e a cotação das ações atingiu novos recordes históricos
Sérgio Domingues

Quem pode desarmar a bomba-relógio do capital?

Os participantes do Fórum Econômico Mundial representam o que há de mais poderoso no planeta. Mas nem eles conseguem deter o grande mecanismo apocalíptico em que vai se transformando o sistema econômico mundial
Sérgio Domingues

Mudamos, para mudar a política!

Anda fazendo sucesso um aplicativo criado pelos advogados Márlon Reis, idealizador da Ficha Limpa, e Ronaldo Lemos, colunista da Folha. É a ferramenta digital “Mudamos”, que coleta as assinaturas necessárias à tramitação de projetos de iniciativa popular na Câmara Federal
Sérgio Domingues

Lênin e a ira de um operário simples

23 de outubro de 1917. O Comitê Central do Partido Bolchevique reuniu-se para decidir se iniciaria ou não uma insurreição para transferir o poder aos sovietes. Somente Lênin e Trótski votaram a favor. A insurreição fora rechaçada.
Sérgio Domingues

A opressão pornográfica do Capital

O prazer sexual solitário é “uma grande professora de independência e autonomia”. Daí, não ser surpresa que aqueles que queiram “controlar as pessoas” também queiram “controlar a masturbação”. Saltou dizer que a proposta do parlamentar se opõe somente à pornografia gratuita. Ou seja, muito provavelmente a iniciativa envolve interesses mercadológicos nada pudicos.
Sérgio Domingues

Revolução não é bolão

O fim do capitalismo é inevitável. Só não dá pra organizar um bolão para ver quem acerta quando acontecerá. É um preconceito marxista, ou melhor, modernista, a ideia de que o capitalismo como uma época histórica só terminará quando uma sociedade nova e melhor estiver à vista e um sujeito revolucionário pronto a implementá-la para o avanço da humanidade.
Sérgio Domingues

Uma nação que vive de suas mortes escuras

Bush considerou o furacão Katrina um castigo divino contra a população negra de Nova Orleans. Obama foi, no mínimo, omisso diante dos terríveis episódios de violência racista que marcaram seu governo. A eleição de Trump foi comemorada pela Klu-Klux-Klan.
Sérgio Domingues

Sobre uma estrela decadente…

A supernova petista surgiu em 2002, com a eleição de Lula para presidente da república. A fonte do enorme brilho parecia sair do próprio astro. Mas já era a perigosa proximidade causada por alianças com o “buraco negro” do conservadorismo nacional.
Sérgio Domingues

A retrospectiva de 2016 tem trinta anos

Ninguém pode negar que o ano de 2016 foi muito produtivo em Brasília. Não, não se trata dos meses gastos para depor Dilma com um golpe parlamentar. Nem do enorme tempo perdido para afastar da presidência da Câmara de Deputados um parlamentar coberto de acusações de corrupção. Também não caberia falar do afastamento do presidente do Senado. Afinal, este foi revertido rapidamente quando o Supremo resolveu ignorar a ficha suja do afastado.
Sérgio Domingues

O Homo Deus e sua divina encrenca

Em seu livro “Homo Deus”, Yuval Harari considera que os últimos 70 mil anos correspondem à era do Antropoceno. Neste período, diz ele, o Homo sapiens levou à extinção todas as outras espécies humanas do mundo, 90% dos grandes animais de Austrália, 75% dos grandes mamíferos da América e aproximadamente 50% dos grandes mamíferos terrestres do planeta.
Sérgio Domingues

Onde nascer negro é quase um crime

"Não haverá, nos Estados Unidos ou em qualquer lugar sujeito a sua jurisdição, nem escravidão, nem trabalhos forçados, salvo como punição de um crime pelo qual o réu tenha sido devidamente condenado." Esta é a décima-terceira Emenda à Constituição dos Estados Unidos. A regra é o fim da escravidão. Exceções, só na hipótese de crime. Para os negros americanos, a exceção virou regra.
Sérgio Domingues

Aristocracia operária e luta burocratizada

Na esteira das lutas vitoriosas, uma minoria de trabalhadores continua ativa. Muitos assumem tarefas administrativas nas organizações que surgem das lutas: sindicatos, partidos, associações... Esta parcela se afasta dos locais de trabalho e passa a viver de modo muito diferente do restante dos trabalhadores. Torna-se uma camada burocrática que só mantém suas vantagens se a dominação capitalista permanecer intacta.
Sérgio Domingues

A educação pública sob assalto de bilionários

Estão agendadas audiências públicas no Congresso Nacional sobre a Medida Provisória da “Reforma do Ensino Médio”. Apesar da enorme mobilização nacional de alunos e educadores contra a proposta, eles não serão convidados.
Sérgio Domingues

Precisamos falar da República de Weimar

Mas o maior erro das forças democráticas alemãs ficou inscrito na própria constituição que fundou a República de Weimar. Seu artigo 48 dava ao presidente poderes ditatoriais em caso de ameaças à “ordem pública”.
Sérgio Domingues

Nosso sistema judiciário e suas verdades fedidas

No sistema judiciário brasileiro, não é preciso ser criminoso para parar na cadeia. Muitas vezes, é suficiente ser pobre e preto. E sem julgamento. Por outro lado, basta que o meliante seja rico para que a prisão represente um mal menor, a ser remediado com advogados muito bem pagos e juízes pouco rigorosos.
Sérgio Domingues

O PT e a ética da criminalidade moralista

O PT gostava de se apresentar como o campeão da “ética na política”. Mas seu maior erro foi confundir moralidade com legalidade. Roubos, subornos, compra de votos, superfaturamentos são crimes, não apenas condutas vergonhosas.
Sérgio Domingues

Rumo ao volume morto nacional

O Rio de Janeiro pretende privatizar seus serviços de saneamento básico. Bahia e Espírito Santo, também. Mas parece que é só o começo. O saneamento no Brasil alcança menos da metade dos lares. Mas entregá-lo à iniciativa privada é enterrar de vez a possibilidade de sua universalização. Que capitalista vai investir em esgotos em áreas pobres? Em nenhum lugar do mundo isso funcionou.
Sérgio Domingues

Intolerância do tempo das cavernas

Mas, pensando bem, talvez haja indivíduos cujo comportamento preconceituoso realmente exija tratamento com drogas pesadas. O que não falta é gente achando que continuamos no tempo das cavernas. Principalmente, em redações de jornais, igrejas, parlamentos, governos e redes virtuais.
Sérgio Domingues

Na raiz do terrorismo, a guerra!

Reprimir, proibir ou perseguir religiões, modos de vida e convicções políticas também só desperta reações violentas na mesma proporção. É o que prova o aumento vertiginoso dos casos de ataques terroristas exatamente depois que foi iniciada a “Guerra ao Terror” pelo imperialismo ocidental.
Sérgio Domingues

A pobreza da esquerda economicista

A realidade dos mais pobres é tão tridimensional como qualquer outra. Que a direita não entenda isso, compreende-se. Que a maior parte da esquerda faça o mesmo, só mostra que chata e pobre, mesmo, é sua visão de mundo.
Sérgio Domingues

Panteras Negras: armados contra o racismo policial

O assassinato de cinco policiais durante uma manifestação contra o racismo policial, em Dallas, Texas, abalou os Estados Unidos. Lideranças do movimento negro estadunidense e no mundo todo condenam a ação. Mas não negam que era uma reação esperada diante da brutalidade racial das forças policiais estadunidenses.
Sérgio Domingues

A saída é política, não institucional

Vamos dar uma breve olhada no mundo da política oficial em várias partes do planeta. O "Brexit" jogou os dois principais partidos britânicos em uma aguda crise. Os trabalhadores franceses estão em guerra contra medidas propostas por uma ministra marroquina e integrante de um governo “socialista”.
Sérgio Domingues

Jesse Owens contra o racismo

O filme “Raça” conta a lendária participação de Jesse Owens nas Olimpíadas de Berlim. A produção não é nenhuma grande obra de arte, mas vale a pena ser assistido. Era 1936 e a Alemanha estava sob domínio de Hitler. Os Jogos seriam a oportunidade para comprovar a suposta superioridade da “raça ariana” também nos esportes.
Sérgio Domingues

As raízes capitalistas da possível crise chinesa

A economia da China está à beira de um pouso forçado. A situação, que vem sendo adiada desde a primeira década deste século graças à criação de bolhas no mercado imobiliário e financeiro, é agora inevitável devido a todos os problemas estruturais que se acumulam há uns dez anos.
Sérgio Domingues

Capitalismo: desliga que é melhor!

Ronaldo Lemos publicou artigo sobre o DAO. Trata-se de uma plataforma mundial de investimentos capaz de colocar em prática projetos empresariais. Segundo Lemos, a iniciativa já levantou US$ 160 milhões, sendo “o maior financiamento coletivo já realizado”.
Sérgio Domingues

Um governo que ninguém derruba

Os bancos não têm apenas voz. Têm um governo só deles, formado pela união entre Banco Central e Ministério da Fazenda. Eleição após eleição, seus interesses continuam religiosamente respeitados. Mas seria injusto culpar só os bancos. O pornográfico mercado brasileiro de juros beneficia o grande capital em geral. Por isso, o poder econômico faz questão de financiar as eleições.
Sérgio Domingues

Nos governos e fora deles, governa o neoliberalismo

Diante da lógica neoliberal, a escolha eleitoral entre forças de esquerda ou de direita faz pouca diferença. Em geral, mesmo sob governos supostamente socialistas, essa “racionalidade” não apenas se mantém como é reforçada. Incluindo os governos petistas, que, muito antes de passarem pela agonia atual, já reagiam às pressões dos neoliberais com promessas de mais neoliberalismo.
Sérgio Domingues

Sobre traições e perdões

Até pouco tempo, tanta boa vontade parecia ser suficiente para manter o setor financeiro silencioso em relação ao impeachment de Dilma. Recentemente, porém, Roberto Setúbal, do Itaú, declarou apoio ao afastamento da presidenta.
Sérgio Domingues

O PT e a pior das desmoralizações

Em 24/03, Malu Gaspar publicou “O que de fato divide os brasileiros (não é o impeachment)”, na revista Piauí. A matéria comenta pesquisa do Data Popular sobre as recentes manifestações contrárias e favoráveis ao governo.
Sérgio Domingues

O apocalipse digital

Em 2010, especialistas calcularam haver no mundo 1,2 zettabytes de dados armazenados em nuvens virtuais, incluindo toda a produção intelectual do planeta. Até 2020, o número pode chegar a 40 zettabytes, equivalente a 5 trilhões de arquivos de filmes em alta resolução. Enfim, tudo isso pode desaparecer na velocidade de um clique.
Sérgio Domingues

A China e os delírios que a cercam

A China só se tornou o “segundo maior parque produtivo mundial” por que o grande capital ocidental, liderado pelos Estados Unidos, foi buscar lá a força-de-trabalho abundante e barata que a ditadura do partido único colocou a sua disposição.
Sérgio Domingues

A PM que mata e a PM que morre

Em comum entre os que morrem e os que matam, salários baixos e origem pobre. A diferenciá-los o apoio que os últimos recebem da alta hierarquia, desde o governador aos coronéis. Para estes, só importa que os mortos, civis ou militares, continuem a ser os mais pobres e pretos. Como alertou o jurista Eugenio Zaffaroni, à criminalização da pobreza, corresponde sua “policização”.
Sérgio Domingues

Do carbono viemos, ao carbono voltaremos?

Quem diria que o oxigênio já foi tóxico para quase todas formas de vida? E quem imaginaria que, hoje, somos nós que intoxicamos a natureza com gases e outras substâncias venenosas. Também surpreende saber que as primeiras formas vivas em nosso planeta dependiam do enxofre para sobreviver e não do oxigênio. Este último só apareceu porque surgiram as cianobactérias ou algas azuis.
Sérgio Domingues

Deus e o diabo na terra da energia solar

Nossa espécie insiste em priorizar as fontes de energia fósseis, poluentes, destruidoras e limitadas. Por quê? Pergunte às companhias petrolíferas e seus poderosos representantes nos governos em praticamente todo o planeta. Para ficar no caso brasileiro, somos um dos poucos países no mundo que recebe mais de três mil horas de sol por ano. E na região Nordeste essa incidência é ainda maior.
Sérgio Domingues

Os Estados Unidos e seu terrorismo doméstico

Ao invés de olhar para si mesmo, o império estadunidense vigia o mundo. Considera-se a polícia do planeta. E como todo aparato repressivo, alimenta o próprio crime que diz combater.
Sérgio Domingues

As raízes classistas da crise moral do lulismo

A crise moral do PT é bem anterior à eleição de Lula. A própria chegada ao governo federal custou o abandono de uma ética que nenhuma organização conservadora seria capaz de adotar. Aquela que dizia respeito a de que lado ficar na tragédia social brasileira. Quando o PT passou a relativizar essa escolha, já havia tornado absoluta sua capitulação moral.
Sérgio Domingues

China, a fábrica do mundo não pode produzir liberdade

A China costuma ser chamada de “fábrica do mundo”. É lá que estão o maior parque industrial do planeta e a mais numerosa classe operária da história. Esta última, explorada a uma taxa que faz a alegria do capitalismo global e mantém o sistema rodando. Mas cada vez que o motor chinês diminui o ritmo, os neoliberais condenam a falta de democracia no gigante asiático. Cobram mais transparência, principalmente na divulgação de números oficiais, que é o que realmente lhes interessa.
Sérgio Domingues

A PM paulista e suas estrelas sangrentas

Inexiste liberdade de expressão e de sindicalização na corporação, contribuindo para uma cultura de submissão e acobertamento corporativo de toda sorte de irregularidades. Se o brasão da PM também contabilizasse chacinas de pobres e pretos, seria uma grande galáxia sangrenta.
Sérgio Domingues

Semelhanças entre as manifestações contra e a favor do governo

Nos atos pró-Dilma, o desacordo entre o que pensa a maioria dos manifestantes e suas lideranças também será grande. Afinal, defender serviços públicos dignos para todos não combina com o ajuste neoliberal que vem sendo implantado pelo governo a todo vapor.
Sérgio Domingues

Várias razões para defender Dilma, mas nenhuma que preste!

Com 71% de rejeição, o governo Dilma ultrapassou Collor em seus piores momentos e muita gente teme pelo futuro do governo petista. A começar pelo que se pode deduzir do editorial do jornal 'O Globo" publicado dia 07 de agosto. Em “Manipulação do Congresso ultrapassa limites”, o jornalão conservador ataca a irresponsabilidade de Eduardo Cunha, presidente da Câmara Federal. Denuncia seu oposicionismo oportunista, cujo único objetivo seria desviar a atenção das fortes evidências de corrupção que o envolvem.
Sérgio Domingues

Fragmentos de uma história militarizada

Uma característica importante do militarismo é a prontidão para atacar o inimigo. Em princípio, um inimigo externo. Em casos como o brasileiro, porém, a militarização do Estado prioriza o ataque a um inimigo interno. Mais precisamente, aos pobres. Uma das raízes deste processo foi a escravidão. Foi o medo da reação de uma grande parte da população submetida ao mais vergonhoso e cruel cativeiro. Por isso, um jornal carioca na virada do século 18 para o 19 dizia: “Precisamos de uma polícia que a nós (referindo-se aos senhores) inspire confiança e aos escravos infunda terror”.
Sérgio Domingues

Parlamentares trabalham muito, sim. Para nosso azar!

Um dos maiores favores que a grande mídia faz aos piores políticos profissionais é tratá-los como gente que não quer saber de trabalho e só cuida de seus próprios interesses. Então, da próxima vez que você ouvir alguém chamando parlamentares de vagabundos, responda assim: “Quem dera eles fossem”. Desde fevereiro, foram aprovadas mais de 60 leis, alterações na Constituição e medidas provisórias. A grande maioria delas retirando ou restringindo direitos trabalhistas e sociais. É o caso da liberação das terceirizações e do corte de direitos previdenciários.
Sérgio Domingues

Não é corrupção?

Em 2002, foram gastos nas campanhas eleitorais R$ 800 milhões. Em 2010, o valor saltou para R$ 4,9 bilhões. Na França, estes custos ficaram em R$ 90 milhões, em 2013. Detalhe: lá a doação empresarial é proibida. De volta ao caso brasileiro, a eleição de um governador custa, em média, R$ 23 milhões e um senador, R$ 4 milhões. Deputado federal? R$ 1 milhão. Observação: fora o que entra pelo caixa dois. Recente estudo do Instituto Kellogg Brasil mostra que a cada real investido na eleição de um político, a empresa obtém R$ 8,50 em contratos públicos. São contratos certamente prejudiciais ao orçamento público e distantes das prioridades sociais. Mas não, isso não é corrupção.
Sérgio Domingues

Entre a sujeira da Fifa e um juiz muito suspeito

O recente escândalo envolvendo a Fifa e Joseph Blatter tem origem na enorme mercantilização do futebol, com a inevitável corrupção de seus gestores. Mas todo este processo deve muito ao brasileiro João Havelange, presidente da Fifa por 24 anos antes de fazer Blatter seu sucessor. Em uma passagem de seu livro “Futebol ao sol e à sombra”, Eduardo Galeano cita Havelange falando a um grupo de “homens de negócios”, em 1994: “Posso afirmar que o movimento financeiro do futebol chega, anualmente, à soma de 225 bilhões de dólares”. Na ocasião, Havelange comparou a soma aos 136 bilhões lucrados pela General Motors para dizer que o “futebol é um produto comercial que se deve vender o mais sabiamente possível”.
Sérgio Domingues

Da crueldade infantil à brutalidade penal

Costuma-se dizer que ao invés de mais presídios precisamos de mais escolas. É a mais cristalina verdade. É exatamente por isso que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) procura lidar com os delitos infanto-juvenis com ênfase nas medidas educativas. O problema é que a mesma lógica que jamais permitiu ao ECA funcionar como instrumento pedagógico mantém e aprofunda o caráter punitivo e opressor da maioria das escolas. Desse modo, a redução da maioridade penal só apressaria a transferência da sala de aula para a cela prisional. Para muitos, não basta privarmos crianças, adolescentes e jovens de uma educação humana e emancipadora. Nem é suficiente que desistamos de sua dignidade. Também é preciso condená-los à brutalidade do sistema penitenciário. Destino recorrente dos mais fracos entre os fracos.
Sérgio Domingues

No auge de nossa evolução, a fofoca!

É inegável que nossa espécie atravessou centenas de séculos superando obstáculos, erguendo e destruindo monumentos, firmando-se como senhora absoluta do planeta. Aparentemente, no entanto, toda essa trajetória gloriosa vai terminando de forma patética. O auge de nossa evolução seria representado por conquistas como Facebook, Twitter, Whatsapp e reality-shows. Formas extremamente sofisticadas e ágeis de fazer mexericos e intrigas.
Sérgio Domingues

O orgulho de ser gay e anticapitalista

Há filmes que surpreendem pela capacidade de nos deixar otimistas. “Orgulho” (“Pride”), de Matthew Warchus, é um deles. A trama é relativamente simples, mas envolve situações muito complexas. Trata-se da história de um coletivo gay que decide apoiar trabalhadores em greve nos anos 1980, na Inglaterra. Mais especificamente, os mineiros que, em 1984, iniciaram uma paralisação que duraria dois anos. O problema é que o preconceito impedia as lideranças dos mineiros de aceitar a ajuda dos ativistas homossexuais. A aliança somente se consolidaria em uma pequena cidade próxima a Londres. Lá também os gays foram recebidos com hostilidade. Mas contando com a ajuda das mulheres do lugarejo, conquistaram a tão necessária unidade de classe entre explorados e oprimidos.
Sérgio Domingues

Sem perdão para os que sabem o que fazem

Recentemente, surgiram evidências de que os neandertais teriam sido quase tão inteligentes quanto nós. E de que convivemos com eles por muito tempo antes que desaparecessem, como provam os fragmentos do DNA neandertal encontrados em nosso genoma. Nos descobrir mestiços desses ancestrais que costumávamos desprezar é só mais uma decepção em meio a muitas outras. Primeiro, Copérnico mostrou que a terra não é o centro do universo. Depois, Darwin descobriu que somos apenas uma versão mais complexa do macaco. E Freud revelou que nossa toda poderosa Razão pode ser facilmente enganada pelo inconsciente.
Sérgio Domingues

A suposta austeridade da ortodoxia petista

Dilma “capitulou diante das pressões do mercado, assim como os líderes europeus e uma parte do PT”. Esta afirmação é do economista Luiz Gonzaga Belluzzo, em entrevista publicada no Valor, em 16/01. Palavras insuspeitas, pois partem de um dos mais de 1.300 economistas que assinaram um manifesto em favor da reeleição da petista. Belluzzo refere-se especificamente à nova equipe econômica do governo reeleito e aos ajustes por ela anunciados. Para ele: "Essa ideia de que vai se fazer dois anos de ajuste parece que não tem dado certo no mundo. Vamos fazer uma 'austeridadezinha', e aí a gente sai dela em dois ou três anos. Mas ninguém menciona o fato de que enquanto dura uma recessão vai se devastando a vida das pessoas."
Sérgio Domingues

Dilma morde, Lula assopra!

A crise econômica que se aproxima deve tornar o governo Dilma alvo fácil para a oposição. Por isso, ela está tentando amansar a direita montando um ministério ao gosto dos neoliberais e dos capitalistas em geral. Enquanto isso, Lula defende a formação de uma frente de esquerda para pressionar Dilma a atender as exigências dos movimentos populares. Com isso, pretende blindar o governo pela esquerda, transformando as mobilizações em moderadas queixas vindas das ruas.
Sérgio Domingues

Nós e nossas bolhas na internet

Em novembro, Juliana Carpanez escreveu um artigo chamado “A nova bolha” para o blog http://tab.uol.com.br. O título refere-se a “bolhas personalizadas de conteúdo” formadas a partir do modo como cada um usa a internet. Por exemplo, os 1,3 bilhão do Facebook podem receber 1.500 novas histórias por dia, mas o sistema filtra apenas 300 delas com base em nas escolhas feitas pelo usuário em suas pesquisas virtuais. É o isolamento dos internautas em ambientes cada vez mais restritos.
Sérgio Domingues

Estados Unidos, o berço do narcocapitalismo

Não à toa, a organização ligada ao tráfico mais violenta e poderosa do México é formada por desertores do exército daquele país, treinados por americanos, israelenses e franceses. Trata-se de “Los Zetas”, que podem estar, por exemplo, por trás do massacre de 43 estudantes mexicanos, em setembro passado. Tudo isso mostra que a repressão ao tráfico acaba sendo a maior fonte de criminalidade. A legalização das drogas diminuiria muito esse problema e seria um golpe no narcocapitalismo, que patrocina a violência contra pobres, de um lado, e vende armas aos governos que as utilizam contra esses mesmos pobres, de outro.
Sérgio Domingues

A miséria do amor dos pobres

A experiência erótica é vivida de forma semelhante por ricos, remediados e pobres ou pode variar conforme a situação de classe? Um dos capítulos do livro “A ralé brasileira”, organizado por Jessé Souza, ensaia uma resposta. Trata-se de “A miséria do amor dos pobres”, que discute a sexualidade entre as “meninas da ralé”. Essas garotas são abusadas sexualmente por pais, irmãos mais velhos, primos, colegas de escola. São deixadas à própria sorte por mães e avós acostumadas a receber o mesmo tratamento desde sua própria infância.
Sérgio Domingues

A guinada à direita de Dilma vem de longa data

Muito mais grave que nomeações ministeriais conservadoras foi o decidido e firme reforço do governo federal aos instrumentos repressivos estatais como reação às manifestações de junho de 2013. Incluindo prisões ilegais de militantes políticos e manifestantes em geral. E é este aparato que será colocado em funcionamento caso as medidas adotadas pelo governo reeleito despertem a resistência popular.
Sérgio Domingues

Gramsci e as ‘Jornadas de Junho’

Ocorre quase sempre que um movimento espontâneo das classes subalternas coincide com um movimento reacionário da direita da classe dominante, e ambos por motivos concomitantes: por exemplo, uma crise econômica determina descontentamento nas classes subalternas e movimentos espontâneos de massas, por uma parte, e, por outra, determina complôs dos grupos reacionários, que se aproveitam da debilitação objetiva do governo, para intentar golpes de estado. Entre as causas eficientes destes golpes de estado há que se incluir a renúncia dos grupos responsáveis em dar uma direção consciente aos movimentos espontâneos para convertê-los assim num fator político positivo.
Sérgio Domingues

Meritocracia? Ninguém merece!

“Meritocracia” vem do grego e define o governo pelos que merecem exercê-lo. Ou seja, devem reinar os que são nobres por suas virtudes, não pelo sangue de sua família. Um dos primeiros pensadores a defender esta ideia foi Confúcio, no século 6 Antes de Cristo. Pouco depois dele, Platão e Aristóteles. Mas a hereditariedade nos governos resistiu até o século 19, mesmo após muito sangue azul ter sido derramado por várias revoluções.
Sérgio Domingues

O novo templo e seus vendilhões

Três vezes maior que a Basílica de Aparecida do Norte, a construção simboliza todo o poderio a que chegou a organização de Edir Macedo. À inauguração compareceram a presidenta do País, o governador paulista e o prefeito paulistano. Todos de olho no voto dos quase dois milhões de fiéis da igreja. Mas não só. Adentrar o novo santuário custa 45 reais e os dízimos serão recolhidos por uma moderna esteira rolante. Tamanho potencial econômico não pode ser desprezado. Afinal, levantamento recente da Justiça Eleitoral mostrou que entre 1994 e 2010, só o custo das eleições presidenciais cresceu 85%, de R$ 190 milhões para R$ 352 milhões.
Sérgio Domingues

As últimas badaladas do relógio do Apocalipse

Em 1947, começava a Guerra Fria entre os blocos estadunidense e soviético. Surgia o chamado “Relógio do Apocalipse” por iniciativa de cientistas da Universidade de Chicago. Os ponteiros simbólicos se aproximam da meia-noite cada vez que a existência da humanidade é ameaçada por um conflito nuclear. A União Soviética já não existe. Mas a arrogância imperialista estadunidense e a existência de várias potências nucleares menores mantêm o tic-tac sinistro em andamento. Além disso, ao temor pelo desastre atômico se acrescentaram as ameaçadoras consequências do aquecimento global.
Sérgio Domingues

Saúde e educação a cargo de mafiosos

Era o que faltava. A Fifa vai deixar um “legado” para a saúde e a educação brasileiras. Trata-se do programa “11 pela saúde”, em parceria com os ministérios da Saúde, Educação e Esportes. É o que mostra a excelente reportagem “O legado da Fifa na saúde e educação”, de Cátia Guimarães, publicada na revista da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, em março passado. Os detalhes estão na matéria, mas citemos alguns deles bem assustadores. O público-alvo são alunos de 11 e 12 anos de escolas públicas. O material “pedagógico” é conhecido como “Manual do Treinador”. Como o nome diz, trata-se de adestramento e não de educação.
Sérgio Domingues

Jogando em busca do empate

O antropólogo Claude Lévi-Strauss publicou o livro “O Pensamento selvagem” em 1962. Nele o estudioso francês estudou povos não europeus, contestando o racismo e a ideia de que há povos “primitivos”. Comparando estudos realizados em várias partes do mundo, Lévi-Strauss mostrou que o mito e o rito são elementos do que ele chamou de pensamento mítico. Uma forma de apreensão da realidade que merece tanto respeito quanto a ciência entre nós, por exemplo.