Principal » Artigos de Milton Corrêa da Costa
Milton Corrêa da Costa

Sono e distrações ao volante podem ser fatais

O carro continua sendo, pois, uma perigosa e permanente arma mortífera. Dirija (sempre) com atenção e os cuidados indispensáveis à segurança de trânsito. Preserve a vida. Se beber não dirija. Use o cinto de segurança. Quando estiver dirigindo não faça uso do celular ou tablet. Além do sono, outros comportamentos ao volante provocam distração e desatenção e colocam motoristas em situação de risco, sendo causas de graves acidentes no trânsito. Aí estão as dicas para a máxima atenção ao volante:
Milton Corrêa da Costa

O grito da sociedade contra a violência

A violência no Brasil é hoje a principal preocupação da população brasileira. Está estampada a todo instante nos meios de comunicação de massa e nas redes sociais. É assunto permanentemente em discussão. A ameaça à vida é fato real. A verdade também é que nenhum cidadão, vítima em potencial da violência endêmica, diferentemente de juristas, governantes e militantes de direitos humanos, está preocupado com a superlotação carcerária e a falência do sistema penitenciário. Para o cidadão de bem, quanto mais bandido e bandido-mirim preso menos possibilidade real de ser vítima, na primeira esquina, de uma facada ou de um tiro de fuzil na cabeça.
Milton Corrêa da Costa

As facadas e o medo latente

O Estatuto da Criança e do Adolescente também permite que menores, em nome da (falsa) proteção e o do direito do ir, vir e estar, permaneçam em vias públicas ou em morros e favelas, mesmo que em situação de pré-delinquência, armados de facas ou fuzis. O critério da idade biológica está ultrapassado. O bom senso determina a adoção do critério psicossocial. Basta de tolerância com delinquentes-mirins, perfeitamente capazes de entender a ilicitude de bárbaros crimes cometidos. Com a palavra o Congresso Nacional.
Milton Corrêa da Costa

Morte do alpinista, o nosso estado islâmico!

Um alpinista, de 36 anos, ao retornar de uma festa na noite de sábado, 09/05, em companhia da mulher e de amigos, foi morto por traficantes em Duque de Caxias/ RJ, na Favela do Sapê, ao errar o caminho de volta para sua residência em Petrópolis. Contra o veículo que conduzia foram disparados- não se espantem- segundo relato de sua esposa, mais de vinte tiros de fuzil. Um deles atingiu a cabeça da vítima fatal, que muito embora tenha superado inúmeros obstáculos em razão da prática do alpinismo não superou a covardia, a frieza e a brutalidade de narcoterroristas, cujo grau de letalidade e afronta à ordem pública impressionam. Registre-se que numa invasão de traficantes a uma favela do Complexo de São Carlos, no centro do Rio, no mesmo final de semana, oito pessoas já foram mortas até agora na suja guerra do tráfico.
Milton Corrêa da Costa

A insatisfação dos brasileiros

A recente pesquisa de opinião, divulgada pelo Instituto Datafolha, indica que 62% dos entrevistados consideram, hoje, a gestão do governo Dilma Rousseff, ruim ou péssima. Segundo a pesquisa, a popularidade da presidente caiu em todas os segmentos sociais e em todas regiões do país. Conclusão; as manifestações populares do histórico 15 de março de 2015 não eram golpismo. Era o brado dos que não aceitam mais os erros e as falcatruas tipo petrolão. Gostaria de saber qual seria agora a interpretação do senhor Secretário-Chefe da Presidência da República, Miguel Rossetto, que na entrevista, pós-manifestação, disse que aquele protesto era dos que não votaram na presidente.
Milton Corrêa da Costa

Os 450 anos de uma cidade nem tão maravilhosa

O Rio completa 450 anos e hoje é também uma das mais violentas cidades do mundo -não que não haja violência em Paris, Londres ou Moscou-, onde cidadãos e policiais podem ser as próximas vítimas das balas perdidas e certeiras, em qualquer hora, em qualquer lugar. O que comemorar numa cidade em que crianças são vítimas de balas perdidas, onde bandidos atacam policiais com fuzis de guerra, circulando em morros e favelas, onde os tiroteios são diários e onde um turista alemão, ao lado da esposa, é vítima de um latrocínio, à luz do dia, morto à facadas, em pleno centro da cidade, numa terça-feira de carnaval, gerando péssima repercussão em mídias sociais de todo mundo.
Milton Corrêa da Costa

O ataque terrorista covarde e suas reflexões

O bárbaro atentado terrorista, desferido contra a sede da revista 'Charlie Hebdo', culminando com a morte de 10 jornalistas e dois policiais, mancha de sangue os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade, princípios basilares e norteadores da Revolução Francesa, de 1789. O radicalismo insano, a cada dia mais, dá provas cabais de que ameaça o mundo e a paz social. O terrorismo e o extremismo radical puseram de luto, na manhã de 07 de janeiro de 2015, em Paris, a arte, a democracia e a liberdade de expressão.
Milton Corrêa da Costa

Lei dura para crimes hediondos, já!

O Congresso Nacional não pode, portanto, permanecer em estado letárgico enquanto preciosas vidas vem sendo ceifadas por frios e covardes assassinos, a qualquer momento, em qualquer lugar. Resistir na entrega de um aparelho celular, durante um assalto, pode ser a decretação da pena de morte, preferencialmente com tiro na cabeça. É o horror e a banalização da vida humana. É o direito penal mínimo favorecendo criminosos e contribuindo para enlutar inúmeras famílias. A sociedade está desprotegida pela doutrina da criminologia da compaixão. Vidas perdidas não ressuscitam. O clamor público implora por leis penais mais rígidas. Com a palavra o Congresso Nacional.
Milton Corrêa da Costa

Dosagem alcoólica 25 vezes maior que a tolerável

O contexto de permanente violência no trânsito brasileiro, sem aparente solução a curto e médio prazos - a questão é sobretudo cultural - a cada dia nos comprova que a insensatez e a irresponsabilidade de motoristas estão presentes nos acidentes de trânsito. O cantor sertanejo Renner, que envolveu-se num acidente gerando danos materiais, na Zona Sul de São Paulo, na manhã de sexta-feira, 26/12, e autuado por crime de embriaguez ao volante, foi flagrado, na medição do teste do bafômetro, com a dosagem de 1 mg/L de álcool por litro de ar expelido dos pulmões, ou seja, uma dosagem alcoólica 25 vezes maior que o limite tolerável
Milton Corrêa da Costa

Operação Lei Seca, de dia, é necessária!

Boa parte dos motoristas brasileiros tem compulsividade para descumprir normas de trânsito. Um problema cultural no contexto do horror do e da barbárie do trânsito. Em razão da real constatação e do cenário de guerra de rodovias e vias urbanas, acaba de ser noticiado que, durante o Verão a Operação Lei Seca, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, será também empreendida durante o período diurno. Quem vai à praia e toma aquela cervejinha e depois assume o volante de um carro portanto que se cuide.
Milton Corrêa da Costa

Trânsito brasileiro mata mais que guerra na Síria!

Num período de quase quatro anos os conflitos na Síria resultaram, até aqui, na morte de 202.354 pessoas. A epidemia permanente, na barbárie do trânsito brasileiro, pela imprudência em rodovias e vias urbanas, produziu, nos últimos cinco anos, uma média de 45 mil vítimas fatais/ ano. Ou seja: mais óbitos do que na guerra da Síria. Segundo a ABRAMET, no ano de 2012, a violência no trânsito ceifou a vida de 44 mil pessoas no Brasil, o que representa, em média, 122 óbitos/dia. O Denatran, por sua vez, revela que chegou a 46 mil o número total de óbitos naquele mesmo ano.
Milton Corrêa da Costa

O novo enquadramento da recusa ao bafômetro

Agentes de trânsito, em todo o território nacional, terão, a partir de 06 de dezembro, que enquadrar motoristas que recusam ao teste do bafômetro ou a outros procedimentos legais num código de infração específico, criado em Portaria conjunta (número 217 de 04/11/14) do Ministério das Cidades e do DENATRAN. Com isso fica ainda mais fortalecida, em território nacional, a tese de que, perante a lei de trânsito, o princípio de que ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo, fica em segundo plano. Em primeiro lugar, portanto, prevalecem a proteção à vida e a segurança de trânsito, finalidades precípuas do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no relevante interesse da coletividade.
Milton Corrêa da Costa

Um covarde assassinato e a pena de prisão perpétua

Vi pela televisão esta triste e chocante matéria, retratada abaixo, flagrando o covarde assassinato de uma mãe, que tentava defender os filhos durante um assalto. Foi fuzilada à queima roupa na frente dos dois filhos adolescentes, acabando com a felicidade de uma família. Não, isso não pode continuar. Como cidadãos de bem temos que nos indignar. Nenhum de nós está livre desta tragédia. A sociedade precisa de um mecanismo legal de defesa contra frios assassinos.
Milton Corrêa da Costa

A morte crescente sobre duas rodas

Na guerra do trânsito brasileiro, onde em 2012 os dados oficiais mostram que morreram cerca de 46 mil pessoas, em rodovias e vias urbanas, sem falar nas que resultaram gravemente feridas, as motocicletas, numa frota de cerca de 20 milhões de unidades, representam, segundo o seguro obrigatório DPVAT, 75% das indenizações do trânsito brasileiro em consequência dos acidentes. Cerca de 40 motociclistas morrem por dia no país. Na cidade do Rio de Janeiro ocorrem em média 11 acidentes envolvendo motocicletas diariamente.
Milton Corrêa da Costa

Dez motivos para não legalizar a maconha

Apesar da permanente estratégia da chamada corrente progressista que insiste na descriminalização e legalização de drogas, cuja "Comissão Global de Política sobre Drogas", encabeçada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, acaba de lançar um curta-metragem (com três minutos de duração), sob o título "Guerra ao Drugo", onde a metáfora pretende desconstruir a ideia da repressão e da criminalização das drogas, salientando a violência resultante da ação contra o dragão que simboliza as drogas, penso que não se pode se render totalmente ao dragão. Metáfora é uma coisa, realidade é outra totalmente distinta.
Milton Corrêa da Costa

Alcoolizados ao volante

Milhares de motoristas estão na iminência de serem obrigados a entregar a carteira de habilitação por terem os recursos indeferidos e transitados em julgado no Detran/RJ, em razão da Lei Seca, com penalidade de suspensão do direito de dirigir pelo prazo de um ano. O número de motoristas infracionados no Artigo 165, do Código de Trânsito Brasileiro, por recusa ao bafômetro ou pelos sinais da ingestão alcoólica ou por atingir valor superior à tolerância de 0,04 mg/L preocupa e mostra a compulsividade natural do motorista brasileiro em transgredir a norma de trânsito
Milton Corrêa da Costa

Ativistas da desordem e do desrespeito

A ousada agressão a profissionais da imprensa, na porta do presídio de Gericinó, dias atrás no Rio, merece séria reflexão. Estamos diante de um grave crime contra a incolumidade de cidadãos pacíficos e contra à ordem social. Crime praticado por ativistas da desordem e do desrespeito, com o intuito de agredir quem lhes faça oposição e também a jornalistas, numa atitude anti-democrática impedindo o trabalho da livre imprensa. Esta é a Frente Popular da Desordem. São anarquistas radicais que insistem em se insurgir contra as forças policiais, a ordem pública e o patrimônio publico e privado.
Milton Corrêa da Costa

Seleção é vulnerável ao contra-ataque

Felipão andou dando bronca, nos jogadores do time titular do Brasil, durante um treinamento coletivo na Granja Comary, onde os reservas acabaram saindo vitoriosos de campo. O motivo é simples: a vulnerabilidade do time na falta da rápida reposição da marcação, no momento em que se perde a posse de bola após um ataque. Detalhe: a seleção brasileira joga apenas com um autêntico volante de contenção à frente da zaga: Luis Gustavo. Paulinho, como é de sua característica, é segundo volante que chega à frente para finalizar. Por mais fôlego que tenha há determinados instantes da partida que não suportará o vai e vem constante. Raríssimos jogadores conseguem tal proeza.
Milton Corrêa da Costa

Turistas em alerta na Copa

Não é demais lembrar também que, assim como Bagdá é a capital mundial do terrorismo, o Rio é a capital mundial da violência do narcotráfico, onde os tiroteios diários, em morros e favelas, entre policiais e bandidos ou entre facções criminosas, com utilização de possantes armas de guerra, fazem parte de uma preocupante e infindável rotina. O Rio vive sob a rotina permanente de uma das mais violentas guerras urbanas que já se teve notícia na história policial do mundo. Isso é fato real que não se pode esconder, nem colocar debaixo do tapete. Portanto é muito compreensível que consulados, agências de viagem e a direção da rede hoteleira elaborem pacotes informativos sobre o necessário cuidado e atenção dos turistas em seus deslocamentos em vias públicas, para que não se tornem alvos fáceis da criminalidade violenta, onde a Copa do Mundo, com toda certeza, despertará o interesse e o oportunismo do banditismo na busca do lucro através do delito contra turistas.
Milton Corrêa da Costa

Ataque e destruição à UPA é ato de bestas humanas

Inadmissível, injustificável, absurdo e sobretudo bestial e anti-civilizado o ataque de bandidos (vândalos), verdadeiras bestas humanas, às dependências de uma Unidade de Pronto-Atendimento UPA), na noite de ontem, 28/04, na Estrada do Itararé, nas cercanias do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. Como se não bastassem os ataques a algumas UPPs e a incontrolável e incômoda rotina de queima e destruição de ônibus e veículos particulares, durante protestos motivados pela morte de moradores de comunidades, a polícia é sempre a primeira culpada mesmo antes das provas concretas da autoria, desordeiros insanos, sob a orquestração de lideranças do tráfico, voltam-se também agora, num ousado ato de terror e de resistência ao projeto da Unidades de Polícia Pacificadora,
Milton Corrêa da Costa

As dicas para uma viagem segura no feriadão

Um feriadão, o mais longo do ano, que emendará a Semana Santa, o Dia de Tiradentes e o feriado de São Jorge, neste último caso no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, levará milhões de motoristas para as não muito seguras estradas brasileiras. Ao final do longo feriado as estatísticas sobre acidentes mostrarão, infelizmente, que algumas preciosas vidas serão ceifadas e outros resultarão vítimas de graves acidentes. Uma tragédia pré-anunciada. Portanto, para chegar aos seus diferentes destinos, com a devida segurança e ao regressarem, os motoristas precisarão estar alerta para algumas importantes dicas, evitando deste modo transtornos e surpresas desagradáveis.
Milton Corrêa da Costa

O trabalho da polícia e o direito de imprensa

Mais um lamentável incidente se deu entre a polícia e a imprensa, durante a cobertura de um conflito envolvendo uma ordem judicial de reintegração de posse de, na sexta-feira 11/04, na Zona Norte do Rio, fato que nos obriga a uma necessária reflexão. Mais um desentendimento, desnecessário, entre um policial e um repórter, ambos cumprindo suas imprescindíveis e relevante missões constitucionais sob a égide de um regime democrático. Devemos lembrar que estamos sob a égide de um estado democrático de direito, onde o trabalho dos órgãos de imprensa, no direito sagrado de informar, não pode ser cerceado e limitado.
Milton Corrêa da Costa

Maré: o fim de uma zona de anomia

O Complexo da Maré foi ocupado no último domingo, 30 de março, pelas forças de segurança estaduais e federais. As autoridades decidiram, estrategicamente, que as Forças Armadas vão ocupar tal comunidade, por algum período, num primeiro momento, antes da implantação de UPP, em todo o Complexo da Maré. Louvável decisão, onde a coragem e o determinismo do governador Sérgio Cabral, em sua política de segurança de combater o narcoterrorismo no Rio, foram decisivos. Após o histórico 28 de novembro de 2010, com a invasão e ocupação das forças de segurança no Complexo da Penha e da implantação da UPP na Rocinha, áreas até então consideradas estratégicas e inexpugnáveis à ação policial e até hoje de difícil processo de pacificação, a tomada do Complexo da Maré é sem dúvida o terceiro golpe mais duro desferido pelo poder legal para o enfraquecimento e desestruturação do narcotráfico no Rio. O 'dono da Mare' agora é o poder público.
Milton Corrêa da Costa

Sociedade refém dos protestos e da baderna

Virou moda a realização, a qualquer instante, mormente em dias úteis, de protestos em vias trânsito, alguns são atos de baderna como nesta quarta-feira, 26/03, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio, trazendo como consequência danosa à população gigantescos e estressantes congestionamentos de trânsito, muitas vezes em dias de alta temperatura em ambiente sob sol causticante, onde o direito de ir e vir da maioria é acintosamente aviltado e a ordem pública relegada a segundo plano. Tais manifestações de desordem, que redundam em inúmeros transtornos aos cidadãos ordeiros, precisam, pois, ter um limite. E o limite é a ordem pública e o direito da maioria.
Milton Corrêa da Costa

A violência no Brasil é crônica, estrutural e midiática

Detalhe: a violência é tão enraizada ao cotidiano do brasileiro que há horários específicos de televisão, diariamente, para vermos violência ao vivo e a cores. Há dois canais de televisão, em programas vespertinos, que disputam picos de audiência. Ou seja, a violência, como efeito colateral, fez crescer, também, nos últimos 20 anos, as editorias de jornais e televisão. A violência gera empregos e faz com que cidadãos se programem para assistir na TV, nas redes sociais ou ler nos jornais impressos, qual o crime mais violento. Há violência nas ruas, nas estradas, no trânsito, no lar, em família, em morros e favelas. Armas de guerra viraram rotina em assaltos e na disputa entre facções criminosas ligadas ao tráfico de drogas.
Milton Corrêa da Costa

Black Bloc é organização criminosa

O lamentável incidente que resultou na morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, causado por rojão (explosivo pirotécnico) lançado por um manifestante, na tarde de 06/02, na Central do Brasil, no Rio, durante protesto violento, em razão de ações de vandalismo, comandadas pelo grupo radical Black Bloc, não mais nos deixa dúvida que estamos diante de uma organização criminosa, com ideais duvidosos, que se utiliza do anonimato dos rostos cobertos para destruir o patrimônio público e privado, impedir o direito de ir e vir da maioria, colocar sob risco a incolumidade de pessoas inocentes, agredir policiais e membros da imprensa, afrontar gravemente o estado democrático de direito. As forças de segurança precisam pois, cada vez mais, num ano de Copa do Mundo e de eleições, estar preparadas para enfrentar o radicalismo destruidor e agressivo de tais vândalos arruaceiros.
Milton Corrêa da Costa

Só resta rezar a Deus…

As explicações técnicas dos geólogos, sobre a fragilidade das medidas contra a intensidade atual dos temporais -ventos devastadores à parte- que dão ensejo à cenas de cidades submersas, estão publicadas na mídia pra quem quiser ler. Eis a explicação: moradias são construídas nas encostas de morros ou muito próximas das calhas dos rios em desrespeito à legislação federal, que prevê distância mínima de 30 metros; durante o período de "cheia", o rio volta a ocupar essas margens, causando alagamentos e o acúmulo de lama, esgoto e lixo doméstico (Será que sofá velho é lixo doméstico?) no leito dos rios causa o assoreamento da calha, elevando ainda mais o nível da água. Por fim, a impermeabilização do solo (quintais de concreto, por exemplo) acaba dificultando a absorção da água da chuva. Alguns especialistas lembram ainda que as fendas na formação rochosa facilitam ainda mais a infiltração de água em encostas de morros.
Milton Corrêa da Costa

A morte em alta velocidade e a permissividade até 180 km/h

Quanto a só punir com rigor quem dirige em velocidade superior a 180 km/h, onde o máximo permitido em algumas rodovias em território nacional é 110 km/h, parece-me permissividade e incentivo a tornar as pistas de rolamento em pistas de autódromo e em cenários de tragédias. Aguarda-se que a comissão do Senado Federal reveja tal ponto do projeto. As vítimas em potencial dos ases do volante agradecem. A lamentar a morte do ator Paul Walker, de 'Velozes e Furiosos', em um trágico acidente de carro, no sábado 30/11, onde o veículo, em que era passageiro, bateu violentamente num poste e pegou fogo. O acidente ocorreu no sul da Califórnia (EUA). "A velocidade foi um fator do acidente", informou o gabinete do xerife do condado de Los Angeles. Como no presente caso, muitas vezes a vida imita a própria arte.
Milton Corrêa da Costa

Videoconferência e direitos humanos

Bandidos reclusos, da mais alta periculosidade, transitam diariamente, sob escolta, em território nacional, não bastassem os que circulam portando armas de guerra em permanente afronta à ordem, em situação (evitável) de grave risco para a segurança pública, para que sejam levados em presença da autoridade judiciária, com a finalidade de cumprimento de ritos processuais. Uma lei de janeiro de 2009 (Lei 11.900/09), que alterou dispositivo do Código de Processo Penal (vejam abaixo), prevendo a possibilidade de realização de interrogatório e outros atos processuais por sistema de videoconferência ou outro recurso tecnológico, é contestada por alguns advogados e autoridades sob o argumento de que tal dispositivo - há quase cinco anos em vigor - viola direitos e garantias individuais da ampla defesa do acusado. Afirmam até mesmo que é a lei é inconstitucional.
Milton Corrêa da Costa

Falta uma manifestação contra as manifestações

O estado democrático de direito exige, também, o cumprimento de uma regra para que ocorram manifestações pacíficas em vias públicas: aviso prévio, comunicado às autoridades de ordem pública e a de engenharia de trânsito competentes. No caso, o comandante do Batalhão da PM da área e o órgão municipal de trânsito. Caso não tenha ocorrido o aviso prévio a manifestação contraria dispositivo da Constituição Federal, pois impede o direito de ir e vir e o relevante interesse social da maioria em seu deslocamento na via pública, sem que um planejamento contingencial de circulação viária tenha sido previsto para aquela hora e local, quanto mais em horário de pico. Basta apenas observar o dispositivo estabelecido na Constituição Federal.
Milton Corrêa da Costa

A redação do ENEM e os efeitos da Lei Seca

O tema da redação do exame do ENEM, que aconteceu neste último final de semana em todo território nacional, não poderia ser mais importante para fazer jovens refletir sobre o real perigo da desastrosa combinação entre álcool e direção, que continua causando tragédias perfeitamente evitáveis. Numa infeliz coincidência, uma jovem, de 20 anos, morreu quando o carro em que se encontrava capotou na madrugada deste domingo 27/10, na Linha Vermelha, no Rio. A vítima, no auge de sua juventude, se encontrava no banco de trás do veículo e segundo as primeiras notícias provavelmente não fazia uso do cinto de segurança. Policiais militares encontraram uma garrafa de vodca e três latas de energético no interior do veículo, Um casal ficou em estado grave.
Milton Corrêa da Costa

Vândalos: virou moda também destruir carros da imprensa

Além de destruir e incendiar ônibus e carros da polícia, e veículos particulares, sem falar na depredação e destruição de tudo que encontram pela frente, começa a virar moda, durante a preocupante onda de protestos em vias públicas, também virar e incendiar veículos de imprensa, além da agressão a jornalistas. Nos violentos protestos contra o leilão do pré-sal, do campo de Libra, vândalos, na manhã desta segunda-feira, viraram e incendiaram, na Zona Oeste do Rio, um carro de reportagem de televisão com covarde agressão, com um soco nas costas, a uma repórter.
Milton Corrêa da Costa

Rio: o golpe certeiro da polícia nos terroristas urbanos

Quem faz uso de material incendiário atacando tropas policiais, de instrumentos perfuro-cortantes e perfuro-contundentes, pedras, martelos, serrotes, galões com substâncias inflamáveis, estilingue, paus com pregos, coquetéis molotov, soco-inglês, máscaras, rostos encobertos, símbolos de anarquismo, tinta para efetuar pichações, depreda e incendeia veículos, inclusive viaturas policiais, grita palavras incentivando a desordem, utiliza-se de barricadas, algumas incendiárias, para confrontar com a polícia, provoca agentes da autoridade, cospe e atira dejetos contra agentes da lei, afronta o poder constituído, depreda e destrói o patrimônio público e privado, saqueia lojas,tenta subverter a ordem, incita a violência, utiliza-se de redes sociais para difundir táticas e técnicas de guerrilha urbana (Grupo Anonymous),
Milton Corrêa da Costa

Apoio de professores do Rio aos Black Blocs é ameaça ao estado de direito

O anunciado apoio de professores, em greve no Rio de Janeiro, através do sindicato próprio, às ações do grupo Black Bloc, uma organização criminosa de vândalos arruaceiros, como claro instrumento de pressão ao governo, é falta de bom senso, afronta gravemente a ordem pública e constitui tentativa de intimidação ao poder constituído. Um perigoso incentivo à desordem, ao vandalismo, à depredação do patrimônio público e privado, ao enfrentamento à polícia e de ameaça à incolumidade de cidadãos ordeiros. Uma decisão de total radicalismo, inconsequente e contrária às regras do estado democrático, onde ao que parece os fins passaram a justificar quaisquer meios. Absurdo com todas as letras. Uma lição de deseducação.
Milton Corrêa da Costa

O efeito nocivo e incontrolável das ações dos Black Blocs

A reboque da atual e duradoura greve de professores, no Município do Rio de Janeiro, surgem novamente em cena, com a prática de atos de vandalismo e desordem, os Black Blocs. Nesses cerca de três meses de atuação, as nefastas ações praticadas pelos mascarados de tal grupo radical (dois deles tinham ordem de prisão por assalto e foram detidos recentemente), que tiveram início com as manifestações pacíficas contra o aumento de 20 centavos nas passagens de ônibus, culminaram com as lamentáveis cenas de violência no feriado de sete de setembro -inclusive em diversas localidades do país- onde podemos enumerar as consequências danosas trazidas para a ordem pública e para a população carioca ou para os que transitam pela cidade do Rio de Janeiro, além das consequências futuras para os próximos grandes eventos programados para o Rio, em especial a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos.
Milton Corrêa da Costa

Rachas continuam provocando tragédias

Impressiona a forma como virou banalidade transformar o carro numa perigosa arma com motoristas que continuam disputando, em vias públicas, corridas por espírito de emulação e ameaçando a incolumidade de vítimas inocentes. Outras, nem tão inocentes, fazem parte de plateias, com data, hora e local marcados para incentivar os ditos 'ases do volante'. Até quando o carro continuará sendo uma perigosa arma mortífera nas mãos de motoristas imprudentes?
Milton Corrêa da Costa

Um assassino beneficiado com a semiliberdade

O jornalista Pimenta Neves matou de forma fria e covarde, a ex-namorada, Sandra Gomide. O fato se deu no ano de 2000. Somente em 2011, após condenado a quinze anos de reclusão, foi preso. Este é o país cuja lei protege assassinos em detrimento dos direitos humanos de suas vítimas e de seus familiares enlutados. Aqui a vida humana pouco vale. Basta matar e ter bom comportamento no cárcere que a progressão do regime carcerário e a liberdade plena serão breves Ao que tudo indica o crime compensa.
Milton Corrêa da Costa

Sete de setembro: as forças de segurança em alerta máximo

Por mais que se tente imaginar qualquer premonição com relação ao próximo sete de setembro, data em que se comemora o Dia da Independência, nenhum futurólogo, nem cientista social ou político, ou mesmo 'policiólogo', saberá dizer o que de fato ocorrerá nas manifestações do próximo sábado, arquitetadas por diferentes grupos, de diferentes matizes, na mobilização através das redes sociais. Representantes de partidos políticos de extrema esquerda, sindicalistas, categorias de profissionais, estudantes, grupos radicais de direita e grupos radicais anárquicos (nestes é que mora o perigo) se preparam para empanar o tradicional desfile cívico-militar do sete de setembro. Disso não há dúvida. Resta saber em que grau.
Milton Corrêa da Costa

Comissão da verdade para sabermos quem votou pró Donadon

A recente e mal cheirosa absolvição política do deputado-recluso Natan Donadon, onde a decisão condenatória e legal do Poder Judiciário, sobre os crimes de formação de quadrilha e peculato praticados pelo parlamentar em questão, foi desprezada, é o golpe de misericórdia desferido frontalmente na boca do estômago do povo brasileiro. Um golpe baixo, sujo, secreto, imoral, anti-ético, corporativista e conivente com o crime. O povo deveria, inclusive, sair às ruas, não como os vândalos arruaceiros, mas pacificamente para exigir a constituição de uma Comissão da Verdade para investigar e divulgar, publicamente, a lista (podre) dos deputados que, em mais um balcão de negócios, votaram pela manutenção do cargo de Donadon. Se é que de fato queremos mudar alguma coisa no país, este deveria ser o ponto de partida da mudança. O direito de cada cidadão saber quem faz parte da lista de que votou pela falta de ética e a favor da imoralidade.
Milton Corrêa da Costa

Semana de trânsito e números da barbárie

Numa recente pesquisa, empreendida pelo Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas de São Paulo, num universo de mais de 300 acidentes observados, detectou-se que uma em cada cinco vítimas de acidente de moto na cidade de São Paulo havia consumido álcool ou algum outro tipo de droga antes do acidente: 07,1% tinham consumido álcool e 14,2% droga ilícita, em maior número maconha e cocaína. Já o seguro obrigatório DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres) aponta para um total de 60.752 mortos em acidentes de trânsito no Brasil em 2012, 4% a mais que em 2011, e um total de 352 000 casos de invalidez permanente. Ou seja, a cada cinco dias morre, na barbárie do trânsito brasileiro, o mesmo número de vítimas fatais do recente e mais sangrento confronto da guerra civil do Egito, onde sucumbiram mais de 800 pessoas.
Milton Corrêa da Costa

Ataque de mascarados à Editora Abril é ameaça à imprensa livre

O radicalismo e o vandalismo das ações do grupo Black Bloc, que vem empreendendo, em território nacional, lamentáveis cenas de vandalismo e destruição do patrimônio público e privado, com grave afronta à ordem pública, agora se volta também contra os órgãos de imprensa, numa perigosíssima ameaça ao estado democrático de direito. Inadmissível, com todas as letras, a manifestação agressiva do citado grupo de baderneiros, na última sexta-feira (23/08), contida em parte pela polícia, onde os vândalos mascarados atiraram pedras garrafas de plástico e outros objetos contra o prédio da Editora Abril, na Zona Oeste de São Paulo,
Milton Corrêa da Costa

Aos inimigos da democracia, o rigor da lei!

Diante do ímpeto agressivo de vândalos arruaceiros, que mais uma vez, novamente na Zona Sul do Rio, nas proximidades do Palácio Guanabara, no Rio, depredaram agências bancárias e uma lanchonete, destruíram sinalização de trânsito, arremessaram bombas incendiárias e atacaram policiais com pedras, fica a preocupação do que poderá vir, principalmente no próximo sete de setembro, feriado da Independência. Há notícias sobre grupos de anarquistas, terroristas mascarados, que prometem aterrorizar cidades brasileiras nessa data. Até onde vai isso? Como contê-los? As manifestações agressivas que se alastram preocupantemente pelo país demonstram claramente que há algo muito estranho por trás dos rostos encobertos dos Black Bloc (há suspeita de que alguns agem por dinheiro).
Milton Corrêa da Costa

Vândalos: a denúncia da guerrilha e a grave ameaça à paz social

As manifestações que se alastram preocupantemente pelo país, onde em São Paulo, nesta terça-feira, 30/07, agências bancárias e uma concessionária de veículos foram depredadas, além de pichações em muros, resultando na prisão de arruaceiros (houve também tumulto em Goiânia) demonstram claramente que há algo muito estranho por trás dos rostos encobertos, extremamente grave, com ameaça à ordem pública, à ordem institucional e mais do que isso, à própria segurança nacional, fatos que corroboram o impressionante teor de matéria publicada (página 37) na última edição da revista Época, (29/07), mostrando que por trás da simples revolta dos vândalos anarquistas há algo de muito mais sério e estarrecedor.
Milton Corrêa da Costa

A palavra sensata do Papa contra o tráfico e a liberação de drogas

O Papa Francisco, ao posicionar-se claramente contra a liberação de drogas, citando inclusive a violência gerada pelo narcotráfico, durante seu discurso nesta quarta-feira, na inauguração, no Rio, de uma ala no centro de tratamento de dependentes químicos, do Hospital da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência, afirmando que a solução contra o mal do século não é a sua liberação, mostrou, sem dúvida, o caminho do bom senso e da esperança na luta contra as drogas. A chamada 'corrente progressista', que insiste, de forma insensata, na legalização de drogas, com sérios riscos para os mais jovens, de aumento do consumo e do número de dependentes, sofre, pois um duro revés com o pronunciamento do líder da Igreja Católica, caracterizado pela fé e esperança na recuperação humana, não na permissividade.
Milton Corrêa da Costa

Custos do plebiscito poderiam ser gastos em áreas prioritárias!

Num país onde são constantes os escândalos com desvios de dinheiro público, o Mensalão foi o mais sofisticado deles, a exemplo da quadrilha que a Polícia Federal prendeu nesta terça-feira (02/07), num esquema de compra de precatórios judiciais por prefeituras, envolvendo políticos e empresários, em Minas Gerais e no Espírito Santo, e onde se observam inúmeras e constantes carências de prestação de serviços públicos, os 500 milhões de reais previstos como gastos para a realização do plebiscito para a reforma política (boa parte da população desconhece o tema) poderiam ser destinados, em caráter de urgência urgentíssima, atendendo ao grito das ruas, à construção de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), em diferentes localidades com ausência de assistência médico-hospitalar e também na pavimentação e sinalização de rodovias, muitas em péssimo estado de conservação, uma das principais causas de desgaste de veículos e de graves acidentes.
Milton Corrêa da Costa

A pauta das mudanças urgentes

Ainda que o governo federal tenha focado o recente grito das ruas dando prioridade máxima à tão decantada reforma política, que muito embora seja importante para adequação e fiscalização de um sistema político mais justo e coerente num regime democrático, há necessidades mais prementes que emergem das manifestações em vias públicas e precisam ser colocadas prioritariamente em pauta. Num país com gravíssimos problemas de corrupção, com desvios vultosos de dinheiro público e com imensas carências estruturais nas áreas de saúde, educação, transporte, estradas, saneamento, justiça, segurança e onde crimes bárbaros contra a vida humana não recebem penas à altura da banalidade e monstruosidade com que são cometidos, a exemplo da recente morte de um menino (boliviano) de 5 anos, assassinado friamente nos braços da mãe, com tiro na cabeça, durante um assalto em sua residência, em São Paulo
Milton Corrêa da Costa

O “Dia Mundial de Combate às Drogas” e o alerta aos pais

Comemora-se no dia 26 de junho, o “Dia Mundial de Combate às Drogas”. Uma importante data para reflexão. Tem sido observado que cresce assustadoramente no Brasil o consumo da chamada 'droga da morte", o crack, um derivado da pasta de coca, em forma de pedra. O Plano Nacional de Enfrentamento ao Crack não tem sido capaz de frear o crescimento assustador das 'cracolândias' e de usuários. Há uma epidemia de consumo, onde 95% dos municípios brasileiros estão envolvidos com a problemática, inclusive na lavoura e no garimpo. É preciso, pois, que pais e jovens tenham ciência e consciência da gravíssima questão, antes que a internação compulsória seja a última medida a ser tomada para o dependente em risco de morte.
Milton Corrêa da Costa

Drogas ao volante exige urgente fiscalização

A notícia, tempos atrás, de que São Paulo deu início à fiscalização para detectar, através do teste da saliva, o uso da maconha e de outras drogas por motoristas, mostra que não só o álcool, mas também o uso de entorpecentes ao volante constitui causa de grandes tragédias no trânsito brasileiro. No ano de 2011, um laudo do Instituto Médico Legal de São Paulo, mostrou que o motorista de um caminhão que atropelou e matou cinco trabalhadores na rodovia Anhanguera havia usado cocaína. O exame de urina comprovou que o caminhoneiro usou a substância tóxica. Em depoimento, confessou também que havia ingerido oito comprimidos de “rebite” (comprimidos à base de anfetamina para minimizar o sono), além de ter tomado cachaça. Não dormia há 20 horas. O caminhoneiro afirmou aos policiais que o veículo havia perdido o freio e por isto ocorreu o acidente, mas o laudo da perícia mostrou que não houve falha mecânica. O motorista também apresentava sinais de entorpecimento e fala confusa. Caso seja condenado por homicídio doloso, poderá pegar até 30 anos de prisão, tendo direito porém a todas as benesses, recursos e brechas próprias da misericordiosa lei penal brasileira.
Milton Corrêa da Costa

Morte brutal de dentista impõe lei penal mais dura!

No exato instante em que se estudam no país, pela pressão de alguns criminólogos, ditos progressistas e defensores da tese do Direito Penal Mínimo, mecanismos que possibilitem retirar mais criminosos da cadeia, o bárbaro assassinato da odontóloga Cinthia Moutinho (foto), ocorrido no interior de seu consultório, na última quinta-feira, 25/04, em São Bernardo do Campo, observada as brechas da benevolente lei penal brasileira, que parece não intimidar frios, cruéis e covardes assassinos, precisa servir de reflexão para estudiosos do Direito.
Milton Corrêa da Costa

Mãos ao alto, posso matar! Sou “dimenor”!

Um jovem estudante, de 19 anos, foi morto, na noite da terça-feira, 09/04, na capital de São Paulo, por um menor de 17 anos com tiros na cabeça, durante um assalto. O assassino que completou 18 anos, nesta sexta-feira, 12/04, sendo, portanto, inimputável, por ser menor de idade na data do crime, já detido e identificado, cumprirá, no máximo, pelo covarde delito, três anos de internamento como medida sócio-educativa conforme prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente. Ou seja, está legalmente protegido pelo anacronismo de uma norma que beneficia bandidos-mirins.
Milton Corrêa da Costa

Estresse do trânsito gera deseducados e hiperagressivos

O estresse, cada vez maior, nos grandes centros urbanos, causado pelo excesso de veículos, com a consequente saturação dos espaços viários, redução da velocidade de deslocamento, ruas alagadas em dias de temporais e o caos dos constantes congestionamentos, vêm criando uma legião de motoristas e passageiros estressados, deseducados, intolerantes e hiperagressivos. Estamos diante de cidadãos, sem histórico de mau comportamento social, mas que, em função do elevado grau de estresse, causado pelo trânsito e pela agitação da vida moderna, independente do grau cultural, podem se transformar em assassinos em potencial a qualquer instante, bastando que um motorista de ônibus não pare no ponto ou arranque bruscamente causando lesão ao passageiro ou mesmo uma pequena fechada no trânsito. Basta ver a tragédia da terça-feira, 02/04, com a queda de um ônibus, do viaduto de acesso à Ilha do Governador, na Avenida Brasil, no Rio, que culminou com a morte de sete passageiros, além de onze feridos. O acidente teria tido como causa, segundo o relato de algumas testemunhas, uma discussão entre o motorista do ônibus e um passageiro, um jovem universitário, de 25 anos, que teria agredido o condutor do coletivo.
Milton Corrêa da Costa

Disque-Denúncia: importante ferramenta para a consolidação das UPPs!

O preço da paz social inclui o elo da permanente vigilância e a participação comunitária. Sem tal participação o processo de consolidação das UPPs será mais duradouro. Participe, portanto, denunciando as práticas criminosas, tudo em prol da paz social e de melhores dias no futuro. O Disque- Denúncia está a sua disposição. Utilize-o. Ao cidadão ordeiro fica o lembrete de que nos novos tempos, de parceria polícia/comunidade, há uma importante e eficaz ferramenta na defesa social: o Disque-Denúncia (2253-1177). Sua inestimável importância contra o crime, desde sua implantação em 1995, onde o anonimato do denunciante é garantido totalmente, está comprovada pelos resultados alcançados pelo aparelho policial na utilização constante de tal serviço.
Milton Corrêa da Costa

A representação da cultura racista até na cor da fumaça

Desde os primórdios da humanidade o preto parece sinônimo de algo não muito bom. Os representantes da raça negra, oriundos do continente africano, tratados (até hoje) como seres humanos de segunda categoria, que o digam. Até a fumaça preliminar, que representou a falta de consenso entre os cardeais que elegeram o novo Sumo Pontífice, nas tradições seculares da Igreja Católica Apostólica Romana, também continua sendo negra, na saída da chaminé da Capela Sistina, no Vaticano. Desde criança ouvimos dizer "a coisa tá preta", como sinônimo de que a coisa tá feia ou de que algo não vai bem. Na década de 50, no século passado, nos meus tempos de infância num subúrbio do Rio, era comum alguém dizer, de forma discriminatória: "branco correndo é atleta, preto é ladrão". Paulinho Crioulo e Chico Preto eram dois negros assim conhecidos na localidade. Ou seja, a identificação e o estereótipo definidos pela cor da pele. No século XIX, no centro do Rio antigo, negros já com a carta de alforria na mão, eram tratados como vadios e quadrilheiros. Muito mais tarde, na história policial do Rio de Janeiro, um marginal da lei, sequestrador, paradoxalmente, foi conhecido como Maurinho Branco, na referência da cor de sua pele. Fato muito raro para um bandido de cor branca.
Milton Corrêa da Costa

O braço do ciclista, a insensatez de um piloto e o álcool

Dois graves acidentes, que envolvem o uso de bebida alcoólica ao volante, ocorreram no domingo 10 de março, um no Rio de Janeiro e outro em São Paulo. Na cidade do Rio de Janeiro, um empresário paulista, de 55 anos, disse ter ingerido o conteúdo de cinco latas de cerveja antes de pilotar a Ferrari modelo 458 e atropelar três pessoas durante um evento promocional no Aterro do Flamengo. A informação consta do laudo do Instituto Médico Legal (IML), realizado quase três depois de o motorista ter se envolvido no acidente. Apesar de ter admitido o consumo de bebida alcoólica, o piloto recusou-se a fornecer material biológico (urina) para pesquisa de dosagem de álcool. A autoridade policial, que apura o fato, pedirá a suspensão do direito de dirigir do piloto imprudente.
Milton Corrêa da Costa

‘Brasil Faroeste': a banalização da morte

No "Brasil Faroeste", da lei penal benevolente, onde há cerca de 16 milhões de armas em circulação, com apenas 50% delas sob controle, mata-se muito mais que nos mais violentos conflitos armados no mundo, aí incluídas as ações de terrorismo. Os estudiosos da violência chegaram à conclusão que no Brasil, a "nacionalização da morte à bala" é uma epidemia permanente, onde o tráfico de drogas, nos grandes centros urbanos, e a cultura da resolução de conflitos à bala no coronelismo dos sertões, são fatos reais e de difícil solução. Ou seja, por enquanto o faroeste é aqui.
Milton Corrêa da Costa

Trânsito de cavalo em área de lazer terá que ser regulamentado

No domingo, dia 24/02, um empresário de Xerém, Distrito de Duque de Caxias, levou seu cavalo para um passeio na área de lazer da orla da Zona Sul, no Rio de Janeiro. Um fato novo que requer reflexão e bom senso. O artigo 24, inciso II, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabelece que é competência do município planejar e regulamentar o trânsito de animais em vias públicas. A interdição ao trânsito de veículos em finais de semana, na orla do Rio, destina-se, entre outras finalidades principais, ao trânsito e lazer de pessoas, ciclistas, skatistas, praticantes de patinação e para circulação de animais de pequeno porte, que não coloquem, em risco direto e iminente a integridade física de pessoas, diferentemente de um cavalo, em local inclusive com grande presença de crianças e idosos.
Milton Corrêa da Costa

Libertadores da América: a tragédia evitável!

Mais uma tragédia na história da violência e dos atos imprudentes e irresponsáveis no mundo do futebol. Alguns torcedores do Corinthians estão detidos agora na Bolívia sob acusação de que um deles "mirou errado" um sinalizador e acabou matando um adolescente (foto) de 14 anos da torcida adversária, na noite desta quarta-feira, pela Taça Libertadores da América, na partida entre a equipe brasileira e o time boliviano do San José. Se foi "fatalidade" ou ato criminoso não importa. Melhor teria sido que artefatos fossem proibidos em estádios de futebol por medida de bom senso. Não, lá na Bolívia se permite a entrada de torcedores em estádios de posse de tais objetos que ameaçam a vida de seres humanos.
Milton Corrêa da Costa

Carnaval: a viagem segura e a tolerância zero

O carnaval aí está e muitos foliões preparam suas fantasias para se divertir a valer na maior festa popular do mundo. Muitos também se preparam para viajar. São dias de alegria, irreverência e muita descontração, afinal de contas ninguém é de ferro. No entanto, é bom lembrar, que neste carnaval já estará em vigor uma nova resolução do Contran, 432/13, que estabeleceu nível mínimo de tolerância, de ingestão de álcool, para o teste do bafômetro, para quem dirige. O limite agora, para a medição do sopro do bafômetro, é de 0,05 miligramas de álcool por litro de ar expelido dos pulmões. Ou seja, apenas o erro máximo admissível no aparelho, que é de 0,04 mg/L. Para o exame de sangue o nível de tolerância é zero.
Milton Corrêa da Costa

A nova Lei Seca e os limites de tolerância

O cerco está apertando para os que insistem em beber e dirigir. É bom lembrar que a perigosa mistura álcool e direção tem sido causa de inúmeras tragédias no trânsito brasileiro. Quando for beber, deixe o carro na garagem. Se for enquadrado na Lei Seca, a multa é de R$ 1.915,40 tendo ainda o motorista o direito de dirigir suspenso por um ano, sem falar na possibilidade de responder também a processo criminal, com pena de detenção que varia de seis meses a três anos, conforme o estabelecido no Artigo 306 do CTB. Preserve a sua vida e a dos demais usuários da via pública. No trânsito, quanto mais se aprende, mais se vive.
Milton Corrêa da Costa

No Senado, foram 56 votos (secretos) contra a ética na política!

A eleição do senhor Renan Calheiros para a presidência do Senado Federal é um duro golpe contra a ética e a transparência na política, princípios basilares para o exercício do mandato parlamentar conferido pelo voto popular. Uma afronta ao estado democrático brasileiro. Enquanto as graves denúncias que pesam contra o referido parlamentar, por crimes de peculato, falsidade ideológica e uso de documentos falsos, não fossem devidamente esclarecidas e, enquanto se aguarda a decisão do STF sobre o acatamento ou não da denúncia do Procurador Geral da Republica, jamais Renan Calheiros poderia, em respeito à ética na política, ter sido eleito presidente do Senado Federal. O mais alto cargo do parlamento brasileiro.