Principal » Artigos de Laerte Braga
Laerte Braga

Sem as ruas os cartéis continuam

Bancos, grandes empresas (formadoras de cartéis em setores essenciais da economia) e latifundiários (devastadores do Pantanal e da Amazônia) têm o controle do país, submetem o governo a constrangimentos vergonhosos, somam-se à bancada evangélica, uma das grandes ameaças à democracia, num jogo proposital de mais de 40 partidos (a maior parte sem representação que não busca de cargos) e um Judiciário preocupado com Miami e outras coisas mais, onde as vozes sérias são caladas por ministros do Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, figuras suspeitas em qualquer crime que se cometa no Brasil.
Laerte Braga

“Eu não. Eu sou Deus”

Quando o ex-presidente Fernando Henrique diz que “o PSDB não é farinha do mesmo saco”, não estava querendo defender o partido. Isso é o que pode parece à primeira vista. Estava defendendo a si, largando os “amigos” (não tem, tem cúmplices) na chuva e cuidando de sua própria pele. No caso específico de FHC, um safardana de grande porte, amoral, logo destituído de qualquer principio e que em sua versão fumante de charuto cubano acredita que tudo é obra dele. E que numa frase, como a que disse, falou para fora uma coisa, falou para dentro outra coisa, até porque se chegarem a ele respingos desse processo do metrô,
Laerte Braga

Os deuses do futebol

O futebol é mágico, tem deuses próprios. Mortais, morreu, por exemplo, Djalma Santos, o maior lateral direito da história de nosso futebol e um dos maiores da história do futebol e o Atlético Mineiro conquistou a Taça Libertadores da América nas mãos do técnico Cuca. É preciso chamar Celso Barros, o homem da UNIMED no Fluminense e apresentá-lo a realidade, maior que a pretensão. Dispensou Cuca que havia salvo o clube do rebaixamento e chamou outro pretencioso, Muricy, para conquistar a Libertadores Muricy saiu falando de ratos no vestiário do tricolor.
Laerte Braga

Jango: o golpe começou na Itália

O golpe militar de 1964 começou nos campos de batalha da 2ª Grande Guerra. As forças brasileiras faziam parte do contingente norte-americano e Vernon Walthers, mais tarde general e diretor da CIA (Agência Central de Inteligência) era o oficial de ligação. O brasileiro era Castello Branco, primeiro presidente do golpe. À época, 1964, Walthers era Adido Militar da embaixada dos EUA no Brasil. Foi o comandante operacional dos golpes. Em 1964 não deram chance de reação aos militares legalistas e nem de protestos populares. Tudo foi tramado na embaixada dos EUA com Lincoln Gordon e o comando entregue a Vernon Walthers para evitar trapalhadas. E por pouco Mourão Filho, que era juscelinista, não põe tudo a perder (Mourão nasceu em Diamantina e foi feito general por JK, traz consigo também o Plano Cohen, a farsa montado para o Estado Novo em 1937)
Laerte Braga

O encanto das estrelas e o Capitalismo

A extinção das estrelas como astros capazes de gerir, influenciar, ou despertar o amor, a solidariedade, a beleza da Criação, está determinada. O jornalista Natan de Guarulhos divulgou a descoberta de uma nuvem de petróleo no interior da nebulosa de Orion, com 200 vezes a quantidade de água existente nos oceanos da Terra. Tudo bem que a distância de 1 400 anos luz de nosso planeta dificulta a exploração desse petróleo por empresas do setor, mas, certamente, a partir de agora, o perfil da corrida espacial tem um ingrediente dominante. O petróleo. É o capitalismo se expandindo para além das galáxias, ameaçando o Universo com sua sanha destruidora.
Laerte Braga

Vinte reais: o preço de uma índia virgem!

Uma jovem índia de 12 anos de idade vale 20 reais para um latifundiário, um vereador, um comerciante e dois militares do Exército no município de São Gabriel da Cachoeira, Amazonas. E dependendo das circunstâncias os 20 reais podem se transformar num celular, ou numa caixa de bombons. A negativa a uma oferta dessas pode implicar em morte. A denúncia também. A Polícia do estado investiga o caso faz tempo, não chega a conclusão alguma, lógico, o que valeu agora a entrada da Polícia Federal na história.
Laerte Braga

A Cúpula dos Povos: Capitalismo não é daltonismo, é cinismo e barbárie

Quem sabe sustentabilidade serão os cem bilhões de euros para salvar bancos espanhóis enquanto o rei caça elefantes na África, ou búfalos em campos privados na Suíça a cinco mil dólares por cabeça? Um quarto da população adulta da Espanha desempregada e mais da metade dos jovens que chegam ao chamado “mercado de trabalho” sem qualquer perspectiva? Os gregos lutam nas ruas para preservar seu país. Os egípcios assistem seus militares curvarem-se e lustrarem as botas do sionismo num golpe de estado que mantém o regime de Mubarak sem Mubarak. Tal e qual os golpistas de 64 por aqui lustraram as botas de Lincoln Gordon e Vernon Walthers, pelo “direito” de encher as prisões, torturar, assassinar e depois transformar documentos confidenciais em secretos para escapar da vergonha das práticas criminosas, tudo recheado de patriotismo. “O último refúgio dos canalhas” na frase sempre necessária de Samuel Johnson.