Cintia Barreto

A educação brasileira x tecnicismo: o eterno retorno

Por em 01/09/2013
A educação brasileira x tecnicismo: o eterno retorno

Voltamos ao tecnicismo, da década de 70, que, quem diria, encontra-se forte com sua crença de que a escola precisa fornecer indivíduos competentes para o mercado de trabalho. Vale lembrar que a Educação Tecnicista prima pelo controle e pela padronização, desconsiderando as habilidades individuais. Desprestigiando a criatividade humana, desvalorizando o que não gera lucro.... »

Entre o lacre e o lucro

Por em 23/04/2013
Entre o lacre e o lucro

A escravidão gerou uma dívida social que estamos pagando até hoje. O processo de colonização no Brasil conduziu-nos a uma personalidade servil e acrítica. Não sabemos quem somos e nem aonde queremos chegar. A alegria é nossa marca de resistência. Sobrevivemos apesar de e vamos construindo um país em que a globalização gera ainda... »

“Dois rios” em um mar

Por em 13/03/2013
“Dois rios” em um mar

“Dois rios” (2011) é o segundo romance de Tatiana Salem Levy que estreou na literatura com “A chave de casa” (2008), ganhador do Prêmio São Paulo de Literatura e finalista dos prêmios Jabuti e Zaffari & Bourbon de Literatura. Este foi traduzido para diversos países como Itália, França, Portugal, Espanha e Turquia, além disso,... »

E agora, José?

Por em 19/03/2011
E agora, José?

Na Modernidade, o homem aprendeu a dominar a natureza, e não a integrá-la como na Antiguidade. Esse processo de dominação, aliado às questões políticas e econômicas, levou o homem à busca da produtividade e da quantidade em lugar da qualidade. Levou-o à ganância da aquisição de bens materiais, de tecnologias de ponta e retirou-o... »

O que não mata engorda!

Por em 14/06/2010
O que não mata engorda!

Já repararam como a sociedade não perdoa as pessoas que estão “acima do peso”? Não importa o grau de intimidade entre as partes, certos indivíduos sentem-se à vontade para palpitar na forma física alheia. São tantas as investidas em denunciar a todos ao redor quem está fora de forma, que, aquele que está distante... »

A língua é minha pátria

Por em 18/05/2010
A língua é minha pátria

Quando Caetano Veloso compôs esta canção, em 1984, vivia-se o agonizar da ditadura. Não é difícil supor que a noção de pátria, daquela época, fosse bem diferente da que podemos dispor hoje. Mais do que ser o país em que uma pessoa nasce, a pátria é o espaço de interações de dimensões afetivas, sociais,... »

Busca

Colunistas