Principal » Artigos de Adílio Jorge Marques
Adílio Jorge Marques

Temas do celto-druidismo moderno

A doutrina druídica é muito antiga e anterior a época cristã. A ordem seqüencial na qual as Tríadas surgiram foi por vezes modificada e contestada, e atualmente se aceita uma classificação sistemática de 9 grupos com 9 Tríadas (perfazendo um total de 81), alterações estas feitas na França por Philéas Lebesgue e Paul Bouchet. A divisão segue, portanto, uma metrologia dita druídica (3x3 = 9; 9x9 = 81) e trata da evolução do espírito do homem no Cosmos por meio da matéria, este, meio que serve de veículo, ou de meio de expressão, da Criação.
Adílio Jorge Marques

São Jorge, origens e sincretismos

São Jorge sempre despertou nos mais variados povos da antiguidade (e ainda hoje) o fascínio de uma divindade que mesclava a força, a energia criativa, e a proteção do guerreiro, aquele que traz consigo o poder da terra e dos veios ferrosos. O ferro, enquanto matéria prima imprescindível para a confecção das armas que manteriam determinada sociedade em condições de lutar pela sua sobrevivência, associou-se a vários outros símbolos que culminaram por forjar o famoso “Santo Guerreiro”.
Adílio Jorge Marques

A Inconfidência da Guanabara

A “Conjuração Carioca”, “Inconfidência do Rio de Janeiro”, ou ainda “Inconfidência da Guanabara”, foi o nome pelo qual ficou conhecida a repressão a uma associação de intelectuais que se reuniam na cidade do Rio de Janeiro em 1794. Era uma Sociedade para a divulgação das idéias de liberdade, igualdade, fraternidade e republicanismo, ideais que já assolavam as mentes dos ilustrados que nela se reuniam. A Conjuração Carioca teve características parecidas como o movimento sufocado em Minas Gerais cinco anos antes, e conhecido por “Inconfidência Mineira”.
Adílio Jorge Marques

Devemos mesmo escolher ciências exatas ou ciências humanas?

Movimento ou permanência? Questão de escolha ou de convivência filosófica? O filósofo alemão Max Scheler (1874-1928), conhecido também por seu trabalho sobre fenomenologia, ética e antropologia filosófica, é parte da alma daqueles que, mesmo jovens, são tocados pela eterna discussão filosófica entre Parmênides (530 a.C.-46- a.C.) e Heráclito (535 a.C-475 a.C.). Estes pensadores pré-socráticos nos legaram duas formas diferentes de compreender e resolver “o problema da posição do homem no cosmos”. Heráclito propôs para a eternidade do mundo conhecido que não entramos no mesmo rio duas vezes. Tudo muda e se transforma. Parmênides, ao contrário, diz que “o ser é unidade e imobilidade”, e que a mutação não passa de aparência, propondo a permanência do ser na criação.
Adílio Jorge Marques

“Aspas”

A visão do que deveria ser um bom governante centra-se nestes casos em um personagem de pulso forte, pois, como era comum ocorrer antes da Revolução Francesa, parece que se mantém a ideia de um líder ativo no posto máximo e o povo como um mero espectador dos assuntos políticos. “Príncipe” e “súditos” são vistos como um corpo complementar, em que é necessário ser um para se conhecer o outro. O pieguismo, ou o populismo, entre outros ismos, surgem neste momento com toda a força, cheios de moral e propostas sempre “novas”, como descrevi acima.
Adílio Jorge Marques

Vivemos de verdade?

Conheço muitas pessoas que abrem mão de suas características internas de “bem viver” e acabam por optar pela mais pura neutralidade nas relações com o mundo. Eis algo que chama constantemente a minha atenção. Sempre achei que racionalidade era, ainda, característica que precisava estar presente no comando das nossas vidas, independentemente da ação tomada. Claro, desde que fossem mantidos os objetivos, tais como o de atender aos interesses da vida que cada um leva. Mas foi aí que comecei a me perguntar: afinal, qual é o sentido desta nossa vida? Apenas o de pagar as contas e as muitas dívidas que nos são impostas? Seria sustentar um Estado corrupto, assistir realitys, estar sempre conectados nas redes de relacionamento?
Adílio Jorge Marques

Secularização e individualismo: o mal-estar de nossos dias?

A oposição entre a razão científica e religiosidade, para muitos, é o fator maior que leva à separação entre Estado e Igreja. O expoente desse processo acaba por ser a secularização, ou laicização do Estado, e a defesa estatal da liberdade religiosa. Conquistas que propiciaram a efetivação de grandes mudanças no campo religioso contemporâneo. A separação entre Estado e religião desmantela o monopólio religioso, erodindo, senão totalmente, ao menos parcialmente, as prerrogativas que a religião oficial usufruía de sua aliança política com o Estado. Temos daí um resultado: a garantia legal da liberdade e da defesa da tolerância religiosa, levando ao pluralismo religioso e sua proteção.
Adílio Jorge Marques

Alguns aspectos sobre o ensino da Física e o meio ambiente

O cotidiano escolar permite uma interação constante entre áreas. A troca de experiências com colegas das áreas de Física e de Biologia, tanto da rede particular quanto pública de ensino, trouxeram algumas dúvidas comuns relativas a aspectos físicos relacionados ao meio ambiente. Uma das abordagens baseia-se no conceito e diferença entre gás e vapor de uma substância, principalmente em relação à água, visto que esta é a única que se apresenta nos estados sólido, líquido e de vapor (e não gasoso) sob as condições normais de temperatura e pressão (CNTP) na natureza. Contudo, boa parte da literatura disponível aos alunos e professores não faz distinção entre ambas. Propomos discutir o que caracteriza um processo reversível e irreversível.
Adílio Jorge Marques

Educação: o ponto de mudança da sociedade

Educar para aprender uma técnica é tão importante quanto educar para o convívio respeitoso. Quando alcançarmos tal patamar, mesmo que mínimo, todas as relações terão atingido níveis nunca antes vistos no Brasil. Seja entre os homens e nas suas relações sócio-econômicas e políticas, quanto na relação com o meio natural que nos cerca. Teremos, aí, um novo ponto de inflexão na história do Brasil. Educação e autoritarismo não são sinônimos, antes que alguém mencione que apenas por uma regulação total dos cidadãos as sociedades seriam mais justas. Primeiro, que desvios individuais sempre existirão em grandes multidões. Contudo, não há a necessidade de um centralismo quando a educação fez o seu papel e deu a cada um a consciência do uso da sua própria liberdade. Uma perspectiva de liberdade negativa, ou seja, quando não há a coerção por parte de terceiros. Oposto do que transmite com a perspectiva positiva: esta uma primazia exagerada do racionalismo justificando a coerção aos indivíduos em nome de um objetivo qualquer.
Adílio Jorge Marques

Michel Serres, unindo ciências humanas e exatas

Michel Serres é um filósofo universitário francês do pós-guerra nascido em 1930 na França. Iniciou sua formação superior na Escola Naval em 1947. Abandonou-a em 1949 após a leitura de “A gravidade e a graça” de Simone Weil. Ingressou posteriormente na Escola Normal Superior de Paris, licenciando-se em 1952 em Matemática, Letras Clássicas e Filosofia. A relação pessoal entre as ciências exatas e as humanidades teve influência decisiva na formação da sua trajetória intelectual, em um mundo “conturbado e dos extremos”, como nos legou E. Hobsbawn sobre o século XX. Como ele mesmo se define, pertence a uma geração que se forma em um ambiente atroz. Com isso, se mantém afastado de toda política. Todo esse ambiente contribuiu para que Serres tomasse como principal problema para desenvolver o essencial do seu trabalho filosófico a questão da violência, que segundo ele, manifesta-se através dos mais diversos meios e ações.
Adílio Jorge Marques

Globalização e mensalão na perspectiva de Maquiavel

“O Príncipe” de Nicolau Maquiavel (1469-1527) é uma obra clássica que mostra ao mundo a importância da política, do equilíbrio nos conflitos, e um outro homem: o da macropolítica. O autor se insere nas mudanças culturais, políticas e sociais de sua época. É personagem próprio de seu tempo, sendo a obra escrita demarcadora da transição ao Renascimento. Momento no qual os feudos se desfazem com o fortalecimento do comércio e a centralização das monarquias. Chamemos de “modernidade renascentista”. A centralização das leis, da segurança e dos exércitos também ocorria naquele momento, como os Estados atuais fazem ainda hoje. Isto nos remete a fatídica questão: será que vivemos tempos parecidos? Maquiavel pode estar sempre atual?
Adílio Jorge Marques

A paleontologia portuguesa e o naturalista Alexandre António Vandelli

Alexandre António Vandelli nasceu em Coimbra em 27 de Junho de 1784 quando seu pai lá trabalhava como professor da Universidade. Casou-se em 18 de fevereiro de 1819 com Carlota Emília de Andrada, filha de José Bonifácio, com quem a família Vandelli tinha laços antigos. Ambos, Alexandre e Bonifácio, trabalharam juntos e moraram na mesma Rua de São Bento, em Lisboa, após as famílias se mudarem para a capital. Naturalista luso-brasileiro pouco estudado até hoje, Alexandre Vandelli procurou seguir o caminho da Filosofia Natural no seu sentido mais técnico, visando sempre uma forma de desenvolver e divulgar o conhecimento científico em sua época. Ele denota, em suas múltiplas atuações, que a razão ilustrada deveria perpassar por todos os ramos do viver e do saber. Havia em sua época grande fé no aperfeiçoamento constante dos homens,
Adílio Jorge Marques

A busca pela geometrização da matéria

Os gregos antigos, em contraposição a outras culturas, fizeram uma notável descoberta: a natureza obedece a leis universais e eternas, que podem ser investigadas pelos homens. Assim, uma pedra cai não porque uma divindade o ordena ou deseja, mas sim porque existe uma lei natural da qual depende o comportamento da pedra, e à qual os próprios deuses estão sujeitos. Esta descoberta foi uma ruptura notável com os padrões de pensamento vigentes nas outras civilizações da antiguidade, e introduziu uma nova forma de pensar o mundo.
Adílio Jorge Marques

O que é etnocentrismo?

Assim, etnocentrismo seria a tendência do pensamento, especialmente ocidental, de considerar as categorias, normas e valores da nossa própria sociedade, ou cultura, como parâmetro passível de ser aplicado a todas as demais. Atitude que, hoje reconhecemos, atribui juízo de valor meramente pessoal, ou mesmo de determinadas “autoridades”, atrelando uma “metodologia sociológica” para a diferença entre as culturas. Será que alguém já fez isso algum dia na vida?
Adílio Jorge Marques

“Os raios invisíveis” de Papus e a ciência oitocentista

Investigador do humano e do oculto, Papus lutou toda a sua vida, assim como outros ocultistas, contemporâneos ou não, para trazer à tona algumas das grandes verdades da Criação sob a ótica da Tradição, mesmo sob o prisma da ciência profana. Esta mesma Tradição, imbuída de todo o saber e do Verdadeiro Conhecimento da história da humanidade, traz consigo a experiência de milênios de vivências, de experimentações e da própria energia pessoal de todos aqueles que a ela se ligaram de alguma maneira, enriquecendo-a e legando ao mundo um maior conhecimento e mais luz às nossas consciências. A verdade pertence aqueles que a buscam.
Adílio Jorge Marques

“Ficha limpa”: um projeto necessário e urgente para o futebol brasileiro!

O futebol para o povo brasileiro tornou-se, assim como muitas de nossas festas folclóricas, um dos pilares da manifestação popular. Faz parte da cultura da segunda-feira, ao menos em sua grande maioria, ouvir, ler, discutir o futebol do final de semana. Existem as “mesas redondas” oficiais da TV, mas também aquelas dos bares, das salas ou de qualquer “cantinho” aonde nos reunimos com os amigos e familiares para falar do “último clássico” que mexeu com os brios de todos nós.
Adílio Jorge Marques

Irena Sendler e a injustiça do esquecimento!

Também conhecida como "o anjo do Gueto de Varsóvia," foi uma ativista dos direitos humanos durante a Segunda Guerra Mundial, além de enfermeira e assistente social. Em 1965 a organização Yad Vashem de Jerusalém outorgou-lhe o título de Justa entre as Nações e nomeou-a cidadã honorária de Israel, apesar de na Polônia ter sido pouco reconhecida.
Adílio Jorge Marques

A arte de aprender observando

Aprendemos, com o tempo, a respeitar o direito das pessoas que já atingiram certa sintonia em relação às suas posições e visões da vida. São aqueles que se tornaram conscientes das obrigações nos projetos ecológicos e naturalistas, assim como dos processos espirituais da humanidade como um todo. Tais pessoas, aquelas que vemos ou tomamos como exemplos de vida, mostram-nos também a arte de aprender a observar. Desenvolvemos, desta forma, uma consciência sobre a nossa responsabilidade neste mundo, sem impor nossos dilemas aos que nos cercam. Tais dilemas e dúvidas surgem constantemente nos dias atuais como consequência do impacto que sentimos quanto à rapidez do mundo que nos cerca, um mundo pós-moderno que tornou tudo relativizado e descartável.
Adílio Jorge Marques

Pitágoras e os “Versos de Ouro”

Sempre é importante, em nosso mundo chamado de pós-moderno, um mundo tão conturbado e com tanta “relatividade ética e moral”, lembrarmos daqueles antigos princípios que antigos pensadores nos legaram. Pitágoras é um daqueles personagens da história que ficaram para a posteridade, e que deve sempre ser lembrado não apenas pelas suas obras e influências, mas também pelos conceitos éticos que deveriam permear a qualquer sociedade. Os “Versos de Ouro” aqui listados são eternas palavras de sabedoria que poucos conhecem, e muito menos praticam.
Adílio Jorge Marques

Evolução histórica das idéias sobre a criação do Universo

De Aristóteles, passando por Johannes Kepler e Isaac Newton, até hoje, questões concernentes ao começo do Universo têm atraído a atenção de cientistas, principalmente astrônomos. (...) Atualmente, a Teoria do Big Bang, explicativa para a origem do Universo conhecido pelo homem, é o modelo cosmológico mais aceito. Esta teoria nos diz que o Universo teria começado com a explosão de um ponto, ou singularidade, de matéria extremamente condensada, passando por um período de crescimento acelerado (Teoria Inflacionária) e continuando sua expansão até os dias de hoje.
Adílio Jorge Marques

Educação científica consciente sobre o meio ambiente

A compreensão da importância do meio ambiente para o homem é fundamental desde a mais tenra idade. Nossa missão é preservar nosso planeta da mesma maneira que se preserva da forma mais íntegra possível o nosso ser físico e espiritual. O estudo do meio ambiente abrange não somente as Ciências Biológicas, mas é importante a relação com a Física através da Hidrostática e do entendimento dos fenômenos térmicos, como os aqui descritos.
Adílio Jorge Marques, André Vinícius Dias Senra

Considerações sobre a Filosofia Primeira de Aristóteles.

A proposta de abordagem da temática ‘científica’ em Aristóteles tem a ver com o fato de que foi este pensador quem originou um vasto campo de investigações racionais, a tal ponto de a maioria das ciências modernas disporem, como pressupostos, das referências dos trabalhos de Aristóteles. E isto se verifica, inclusive, no modo como Aristóteles utiliza a linguagem de modo, digamos, “objetificante”, e que termina por influenciar o tipo de escrita denominada científica.
Adílio Jorge Marques

O labirinto e a busca interior

Um dos conhecimentos da Tradição mais importantes e que foram incorporados por nossa cultura abrange o estudo do simbolismo dos Labirintos e sua utilização na vida psicológica e mística. O Labirinto e sua função psicológica são de conhecimento não só dos Iniciados de todas as épocas quanto do povo, em especial na Europa, que respeitava e conhecia algumas das finalidades daquelas construções e representações simbólicas até o advento do cristianismo.
Adílio Jorge Marques, Claudio Elias da Silva

Utilização da Olimpíada Brasileira de Física como introdução à Física Moderna no Ensino Médio

É possível utilizar um projeto ou atividade extracurricular como a Olimpíada Brasileira de Astronomia & Astronáutica, conhecida por OBA, para introduzir a Física Moderna no Ensino Médio? Esta é a proposta deste trabalho a partir da experiência em um grande Colégio do Rio de Janeiro, capital, ocorrida desde o primeiro semestre de 2004. A OBA atinge desde o Ensino Fundamental até alunos do 3° ano do Ensino Médio. Com tal faixa de atuação, durante os meses de março e abril até a prova da Olimpíada, em maio, foram realizadas aulas expositivas aos participantes sobre aspectos da astronomia.
Adílio Jorge Marques

O Natal e sua importância na historicidade humana.

Foi no século IV, durante o Concílio de Nicéia, que se determinou a festa do Natal próxima ao solstício de inverno (no norte), mais precisamente à meia-noite. Tal festividade substituía as tradições pagãs que na noite especial de 21 de dezembro celebravam a renovação do sol. A partir do dia do solstício de inverno no hemisfério norte (solstício de verão em nosso hemisfério sul) o sol começa a subir na esfera celeste, e os Romanos festejavam o evento nos templos consagrados como o "sol invicto", exatamente na colina onde hoje está a cidade do Vaticano.
Adílio Jorge Marques, André Vinícius Dias Senra

O universal aristotélico e o Iluminismo nas ciências naturais.

Seria possível que o universal aristotélico tenha então influenciado o Iluminismo, principalmente até Kant? Tal relação pode ser estabelecida a partir de alguns pontos do texto “Ideia de uma História Universal com um propósito Cosmopolita”, de 1784, no qual Immanuel Kant (1724-1804) discorre brevemente sobre o papel da História e da racionalidade humana, pontos importantes para o entendimento das obras do pensador.(1) Através de nove proposições o filósofo de Königsberg tratou, também brevemente, do mecanismo subjacente ao devir da humanidade no seu todo: a physis.(2) Abriu-se, assim, o caminho para uma interpretação racional e científica do mundo.
Adílio Jorge Marques, Claudio Elias da Silva

“O Sr. Pitágoras e as bolas de gude”: Teorema de Pitágoras no ensino de Física!

O título sugere um conto de Monteiro Lobato. Assim, este artigo visa demonstrar experimentalmente o famoso teorema de Pitágoras, tão “badalado” nas escolas, mostrando-o de forma bastante sugestiva a professores que lidam com a interdisciplinaridade entre a Física e a Matemática, em especial a Geometria. É um aplicação especialmente para as Ciências e suas habilidades.
Adílio Jorge Marques

Teologia Fontal: o que é?

Quando buscamos falar de Teologia podemos remeter-nos a várias referências que algumas das vezes proporcionam definições bem determinadas, e em outros casos, especificações bem vagas. É possível dizer que Teologia é composta de duas palavras gregas: Theos e Logos, remetendo etimologicamente a “um tratado sobre Deus”. Assim, antes de ter sido usada pelos autores cristãos, tal palavra foi também usada pelos antigos gregos, segundo Frosini.
Adílio Jorge Marques

Alexandre Antonio Vandelli: cientista de dois continentes.

Alexandre Antonio Vandelli nasceu em Coimbra (e não em Lisboa, como normalmente observado) em 27 de junho de 1784 quando seu pai, Domingos Vandelli, trabalhava para o governo português e realizava importantes experiências com o vôo de pequenos balões na Universidade daquela cidade. Sua mãe chamava-se Feliciana Isabella Bon. Infelizmente, não há qualquer registro iconográfico de Alexandre Antonio Vandelli e de seus familiares.
Adílio Jorge Marques

Aulas regulares de Física com temas transversais.

Seria possível trazer para a sala de aula uma visão menos teórica e “mecanizada” da disciplina de Física? Aprender sobre novas descobertas, contextualizando os pontos que estão sendo administrados em sala, sempre foi um desafio aos Professores. A proposta aqui apresentada vai de encontro à pressão dos vestibulares e demais concursos que hodiernamente permeiam o ensino secundário, mas que procurou abrir uma nova perspectiva da Física aos alunos.
Adílio Jorge Marques

Tua imensa torcida é bem feliz!

Final de jogo. Exatamente 11 meses depois, poderia ter sido apenas mais uma vitória do Vasco sobre um time mediano, o Juventude do RS. Hoje, porém, dia 07 de novembro de 2009, marcará para sempre a redenção de uma história, da memória de um gigante que faz parte da vida de milhões de torcedores. O Vasco da Gama enfim retornou ao seu merecido lugar no esporto nacional.
Adílio Jorge Marques

A Física e o modelo padrão de partículas

O modelo padrão, como é conhecido o modelo vigente de partículas, é chamado por muitos Físicos de “a nova tabela periódica”, pois mostra o arranjo dos constituintes últimos da matéria de maneira simples à primeira vista. Sua importância em descrever a maioria dos fenômenos da escala microscópica atinge praticamente todas as principais áreas da Física, onde através do estudo das partículas elementares os cientistas buscam explicar desde o mais ínfimo da matéria até o macrocosmo com os elementos que o compõe
Adílio Jorge Marques

O Druidismo

Os Druidas eram Filósofos, Astrônomos, Educadores, Iniciadores, Legisladores, Terapeutas, Cientistas, Matemáticos, Sábios, Juízes, Pastores Espirituais do povo das Gálias. Compreendiam três ordens: os Druidas, os Bardos e os Ovates. Os Druidas praticavam, segundo alguns historiadores, a lei de um Deus Único, Incognoscível, logo, não representável.
Adílio Jorge Marques

Física moderna no ensino médio através de projetos.

É possível trabalhar temas de Física Moderna e Contemporânea na escola de Ensino Médio? A proposta deste texto talvez indique que sim. A experiência aqui descrita é um projeto paralelo que se denominou originalmente de “Monitoria de Pesquisa”, porém, seguindo os mesmos moldes da Iniciação Científica empreendida no Ensino Superior (com dois tempos de 50 minutos por semana). Atualmente é conhecida na escola apenas por “Iniciação Científica para o Ensino Médio”.
Adílio Jorge Marques

A proporção áurea

A letra Phi (φ) possui este nome em homenagem ao arquiteto grego Phídias, construtor do Parthenon e que utilizou o número de ouro em muitas de suas obras. Tal número sempre foi motivo de estudos, pois leva à compreensão do Livro da Physis ou Natureza. E por que esse número é tão apreciado por artistas, arquitetos, projetistas e músicos? Porque está presente na natureza, no corpo humano e no universo.
Adílio Jorge Marques

Aspectos do amor platônico na obra “O Banquete”.

“O Banquete” (em grego antigo Συμπόσιον, Sympósion) é um diálogo platônico escrito por volta de 380 A.E.C.. Constitui-se basicamente de uma série de discursos sobre a natureza e as qualidades do amor (eros). Este texto é, juntamente com “Fedro”, um dos dois diálogos de Platão em que o tema principal é o amor. Em um trecho do Sympósion entre conhecidos surge Erixímaco com uma crítica a Heráclito. N’O Banquete, o discurso de Erixímaco explicita os contrários na existência humana, dizendo: “Ora, é grande absurdo dizer que uma harmonia está discordando ou resulta do que ainda está discordando”.
Adílio Jorge Marques

Martinismo, uma via cardíaca.

Provavelmente muitos já ouviram falar de várias linhagens Iniciáticas com tal propósito, sendo o Martinismo é uma dessas Tradições. As obras Martinistas não somente explicam a natureza do e para “o homem”, mas associam todos os conhecimentos disponíveis até aquele século ao princípio de que o espírito humano pode se tornar o centro da busca sem dogmas ou magias estapafúrdias.
Adílio Jorge Marques

A Poesia e a Física na sala de aula.

Será possível ensinar Física brincando? Ou através da arte poética? A proposta deste texto foi aplicada em turmas do Ensino Médio de um colégio da rede particular de ensino do Rio de Janeiro/RJ por dois anos, abrangendo centenas de alunos. A idéia era propor uma atividade onde não houvesse apenas a preocupação com o acúmulo de conhecimentos teóricos da Física, mas também a formação interior e moral dos alunos, com uma política pedagógica para a formação de um ser integral capaz de aplicar aquilo que aprende. Era a oportunidade de escrever poesias envolvendo o tema da Física, com pontos já estudados ou não em sala de aula.
Adílio Jorge Marques

Hegel e a historiografia oitocentista

A memória perfeita é superior à faculdade de rememorar. A recordação implica em um esquecimento que se manifestou no ser e tal perda, para alguns povos antigos, equivale a uma forma de escravidão, à ignorância e mesmo à morte. Pode-se dizer que os historiadores, ao longo da trajetória humana, buscaram a “memória perfeita” através de suas obras, cada um ao seu modo, tentando repassar à sociedade fatos cronológicos através de determinada visão de mundo.
Adílio Jorge Marques

Dante Alighieri e os Templários

Dante escreveu também a “Vita Nova”, uma história dos seus amores com uma Beatriz divinizada, texto que inspira os Templários de todos os tempos, já que o amor espiritual de Dante por uma Dama era um pretexto ou exemplo do amor cavaleiresco por Nossa Senhora.
Adílio Jorge Marques

Tradição Templária: a Cabala e a Criação do mundo

Seguindo a descrição bíblica, Deus criou depois o firmamento com a separação das “águas” primordiais - o céu - e este foi o segundo dia. A seguir fez a “terra” e o “mar” (aspas estas existentes na própria Bíblia), além da vegetação; este foi o terceiro dia. No quarto dia criou as estrelas, o Sol e a Lua. No quinto dia criou os seres vivos das águas e dos ares. No sexto dia, os animais terrestres e o homem à sua imagem e semelhança, como ser vivo reinante sobre os outros. O sétimo dia foi abençoado e santificado por Deus que assim “descansou” de sua obra.
Adílio Jorge Marques

Os Templários e o simbolismo da pedra

A imagem de uma pedra, principalmente quando de grandes dimensões, sempre provocou admiração no ser humano, como podemos verificar pelas muitas construções megalíticas dos antigos povos. Existem vários exemplos, como as construções célticas e Druídicas da França e Grã Bretanha: dólmens, menires, e o mais importante calendário de pedra do mundo – Stonehenge. As pirâmides do Egito e dos povos das Américas não podem ser esquecidas, assim como todas as maravilhas do mundo antigo que até hoje nos espantam por sua beleza e estabilidade.
Adílio Jorge Marques

O que representa Nossa Senhora para os Cavaleiros Templários?

Foi para homenagear Nossa Senhora que a Idade Média construiu muitas das Catedrais. É a Ela que o Cavaleiro pede proteção antes de ir ao combate, dedicando a sua vida, o seu coração e o seu corpo. Para os aspirantes a Cavaleiros, é Ela que mostra a Via Sagrada, sendo a "Porta do Céu" e a Iniciadora. Também é a "Fonte de Vida e de Luz". É a "Pedra Negra" de nossa transformação alquímica. Maria recebeu a Sophia, a Grande Mãe, e tornou-se Serva direta da Divindade na qualidade de Imaculada Conceição, o "Vas Spirituale", a Matéria encarnando o Espírito resultando na Matéria Vivente.
Adílio Jorge Marques
Adílio Jorge Marques, Claudio Elias da Silva
Adílio Jorge Marques, André Vinícius Dias Senra

Ciência em Platão

Os sólidos platônicos podem ser associados a outras questões científicas, tais como uma cristalografia e seus conceitos de simetria, uma cosmologia, eo estudo e entendimento das partículas fundamentais da natureza.
Adílio Jorge Marques

As ciências nacionais e José Bonifácio de Andrada e Silva

A história das ciências no Brasil se insere no contexto do desenvolvimento da ciência em Portugal e na participação de personagens da nossa história que muitas vezes sequer desconfiamos ter envolvimento em outros assuntos que não a política colonial e em especial a nossa Independência em 1822.
Adílio Jorge Marques

A Reencarnação

Podemos citar algumas das Tradições que mostram a evolução da alma humana de corpo em corpo. Algumas Tradições nos ensinam os ciclos de 144 anos em média que separariam duas encarnações sucessivas. Os egípcios em 3.000 A .C.. já diziam que "antes de nascer, a criança viveu, e a morte nada termina".
Adílio Jorge Marques