Principal » Artigos de Adérito Mazive
Adérito Mazive

Sem Cura

Creio que o que matou Brenda não foi a doença, foi a precariedade do hospital. Seis meses depois de internada, ainda não se acostumara com o cheiro do hospital, continuava a pensar que só a ela davam aquela porcaria de comida, e ninguém lhe tirava da cabeça que os lençóis que a tapavam eram encardidos porque eram mal lavados, e não porque simplesmente não podiam ser de outra maneira. Fartei-me de pedir encarecidamente para que a transferissem para uma das enfermarias especiais. O director do hospital recusou-se sempre, inclusive na semana em que alguns doentes acordavam com a impressão de que umas mãos pequenas, mas fortes, lhes terem tentado asfixiar enquanto dormiam.
Adérito Mazive

Fim da jornada

A reunião terminou três horas depois do previsto, à meia noite. Corri imediatamente para a paragem de autocarros. Conforme esperava, estava apinhada de gente, barulhenta... A confusão chegava ao auge sempre que um autocarro parasse. Tentavam todos entrar ao mesmo tempo, impedindo por vezes que os que ali desciam pudessem fazê-lo. Determinado a não bater a porta dalgum conhecido ou a esperar o amanhecer fazendo dívidas nalgum bar, resolvi entrar na luta. Tive sorte. Apesar da minha baixa estatura, consegui entrar na primeira tentativa.
Adérito Mazive

A praga

Chamaram de pacifismo o que os proibia de chegar às vias de facto. Eu chamei-lhe de cobardia. E porque eles não desperdiçariam o primeiro instante de coragem que o acaso lhes proporcionasse, resolvi ceder aos apelos do meu frágil corpo e limitar o meu dia-a-dia ao meu quintal. Posição cómoda, comformista, dirão. Mas nada mais podia fazer sendo eu quem era: uma mulher quase octogenária, há muito viúva, sem nenhum dos filhos vivos. Era a mulheres como eu que podiam acusar de prover aquela estranha praga de formigas que, numa clara usurpação das habituais tarefas dos mosquitos,
Adérito Mazive

Um aspirante à escritor

Eu gostava do meu trabalho, a literatura é que me queria só para si. Indiferente aos elogios ou broncas do meu chefe, passava quase todo dia na net, lendo contos de todos os géneros. Findo o expediente, voava para casa, sentava-me à mesa, e, ávido, começava a escrever. A inspiração sempre me disiludia. Ao cabo de seis horas procurando palavras, eu nunca tinha mais do que duas páginas. Depois punha-me a ler o que acabara de escrever, uma, duas, três, e tantas vezes, procurando descobrir-lhe genialidade.
Adérito Mazive

Dia de azar

Quando, depois de desgastantes dias de julgamento, estava certo que eu seria condenado, apareceu a pessoa para quem eu acidentalmente ligara naquela madrugada de sábado. Tratava-se de um homem muito alto e muito gordo, mas que denotava uma grande fragilidade interior, a julgar pelo indisfarsável medo que o dominava quando foi arrastado para a sala de audiências. Saiu mais perturbado ainda, talvez por ter estado perto do mais famoso assassino e traficante de órgãos humanos
Adérito Mazive

A Cativa

Há muito que não vejo entusiasmo nos olhos do doutor. Em breve o pobre tomará coragem e finalmente me dirá que a minha doença não tem cura. Mas não é esta a doença que mais me dilacera. Fustiga-me mais a possiblidade de morrer sem provar a minha sanidade mental. Não culpo a ninguem. Os homens e mulheres desta cidadezinha me teriam tratado melhor se eu não tivesse aparecido para eles pela primeira vez completamente nua, em pleno meio dia, em plena rua Principal, em plena quarta-feira, o dia em que a via perdia as suas funções originais e se tranformava num gigantesco mercado informal.
Adérito Mazive

Expulso da pensão, nada me restou senão me mudar finalmente para o subúrbio. Uma velha senhora me cedeu o cubículo do fundo do seu quintal em troca de uma quantia altíssima. Mas, tirando as baratas e mosquitos que resistiam à qualquer insectisida, devo dizer que vivia razoavelmente bem. Estranhamente, o crime era uma raridade por aqueles lados. É verdade que fui assaltado mais de uma vez, mas o objectivo dos meliantes nunca era me tirar o que quer que fosse, pois qualquer um que me pusesse os olhos em cima via que a minha situação financeira era alarmante.