Principal » Artigos de Ricardo Ernesto Rose
Ricardo Ernesto Rose

Eric Hoffer, “filósofo-estivador”

Hoffer passou longos anos entre a carreira acadêmica, como pesquisador tratando de temas políticos e sociais da sociedade americana, e como estivador. Hoffer efetivamente passava certos dias da semana na Universidade da Califórnia e outros trabalhando nos escritórios das docas do porto de São Francisco.
Ricardo Ernesto Rose

Banheiro público, para quê?

Já notaram que as estradas brasileiras não possuem banheiros públicos? Em quase todos os países, principalmente os que procuram se colocar naquela categoria que se convencionou chamar de "civilizado", as auto-estradas possuem banheiros públicos.
Ricardo Ernesto Rose

Os raios e o meio ambiente

O aumento médio da temperatura da Terra nos últimos anos está trazendo verões mais quentes, com trovoadas mais fortes e maior número de relâmpagos. Segundo o Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), morrem no Brasil cerca de cento e vinte pessoas anualmente devido às descargas de raios.
Ricardo Ernesto Rose

Sobre a informação

Se é possível calcular o número de átomos existentes no universo, então também é possível calcular o número de interações entre eles? Qual seria o limite de texto, imagem, ideia, som, etc., inteligível, para que uma coisa faça sentido, seja apreendida, seja logicamente compreensível?
Ricardo Ernesto Rose

A Filosofia no ensino médio

A reintrodução do ensino da filosofia, obrigatório a partir de 2008, também ficou comprometida com o baixo índice de qualidade do sistema educacional. Não é possível que com um ensino fundamental incipiente, no qual o aluno muitas vezes não chega a aprender a ler ou escrever corretamente, seja construída a base para o ensino da filosofia no ensino médio
Ricardo Ernesto Rose

Menos poluição com veículo elétrico

Qual será o futuro do automóvel? Esta é a pergunta que montadoras, indústrias de autopeças, empresas de consultoria, governos e consumidores vêm se fazendo há pelo menos vinte anos. O ideal seria, no entanto, generalizar o uso do transporte coletivo, reduzindo ao máximo o uso do transporte individual.
Ricardo Ernesto Rose

Mente e percepção

As sensações, as impressões, as emoções e as idéias; tudo é uma complexa reação químico-biológica que ocorre na mente. Em última instância é uma ilusão (no sentido de ser uma percepção individual), já que não tem uma realidade objetiva. Assim como o filme não tem uma realidade objetiva.
Ricardo Ernesto Rose

Construção sustentável no Brasil

No Brasil, mais de 50% das construções de residências são realizadas pelos proprietários, sem acompanhamento técnico de especialistas. A fiscalização das obras, na maioria das prefeituras, ocorre de maneira incipiente e superficial. Além do aspecto da segurança das estruturas das construções, existe a perda de material, como restos de areia, cimento, cal, tijolos, etc.; materiais que muitas vezes se transformam em entulho descarregado em áreas públicas ou terrenos baldios.
Ricardo Ernesto Rose

O clima é o grande tema

A Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas – COP 22, realizada em novembro de 2016 na cidade marroquina de Marrakesh, ocorreu sob clima de expectativa. Apesar do acordo mundial de redução de emissões, assinado em Paris em 2015, ter entrado em vigor em 4/11/2016, os acontecimentos no mundo da política, economia e, principalmente, na natureza, parecem indicar que ações de prevenção precisam ocorrer mais rápido.
Ricardo Ernesto Rose

Volta a crescer o desmatamento na Amazônia

Subiu em 24% o corte raso da floresta tropical na região amazônica, durante o período que vai de agosto de 2015 a julho de 2016. Foram derrubados 6.207 km² contra 5.012 no período anterior, pegando de surpresa o governo e as ONGs que atuam na região e voltando a acender o sinal de alerta. Esta é a maior taxa de derrubada nos últimos quatro anos. O desflorestamento vinha caindo há mais de dez anos, depois de atingir o pico de 27.772 km² de mata cortada em 2004.
Ricardo Ernesto Rose

A eleição de Trump e o meio ambiente

Se o governo americano reduzir internamente o controle ambiental, desenvolver ações que beneficiem o uso de combustíveis fósseis e internacionalmente se colocar em uma posição contrária à redução global das emissões, isso certamente terá uma influência sobre os outros países, a começar pela China.
Ricardo Ernesto Rose

Superestrutura cultural

Todos os povos, todas as civilizações, todas as culturas, todos os líderes, artistas, cientistas, pensadores, em suma, toda e qualquer pessoa contribui, mesmo que minimamente, para a formação desta “nuvem de cultura”.
Ricardo Ernesto Rose

O mundo humano como epifenômeno do mundo material

A versão humana do mundo e do universo sendo apenas uma das visões possíveis da realidade, condicionada por fatores evolutivos. A “visão humana” como apenas uma forma, e nunca a única, de enxergar o universo.
Ricardo Ernesto Rose

Mudanças climáticas é tema de documentário de Leonardo DiCaprio

O ator Leonardo DiCaprio acaba de lançar o filme “Before the Flood” (Antes da enchente). O documentário, que está disponível na internet, trata do fenômeno do aquecimento global e traz entrevistados de peso, como o papa Francisco e o presidente Barak Obama.
Ricardo Ernesto Rose

Comentário sobre o filme “Quem somos nós?”

As teorias apresentadas no filme não representam o que existe de mais moderno no campo da física de sub-partículas, e no da neurologia, que aliás foi abordada muito superficialmente. O conceito de “ego”, da personalidade por trás dos atos, não foi discutido em detalhes, merecendo uma curta menção apenas. O filme, no entanto, levanta muitas questões, despertando o interesse para um aprofundamento do que é discutido.
Ricardo Ernesto Rose

Duas boas notícias para o clima da Terra

Duas boas notícias sobre o meio ambiente, especificamente sobre as mudanças climáticas, foram recentemente publicadas na imprensa. São parte de uma tendência que aos poucos parece se impor em todo o mundo, à medida que se torna mais conhecido o fenômeno das mudanças climáticas e suas consequências em médio e longo prazo sobre nossa civilização.
Ricardo Ernesto Rose

A ameaça da degradação dos solos

Nem todos os solos são naturalmente propícios à agricultura, há que corrigi-los. Da mesma forma, solos originalmente indicados para o plantio são desequilibrados por uma prática incorreta. Esta é a razão pela qual a atividade humana aumentou em dez a quarenta vezes a velocidade de ocorrência da erosão, em comparação às condições naturais.
Ricardo Ernesto Rose

Gestão urbana e meio ambiente

Todo verão voltam as enchentes, que afetam a vida de centenas de milhares de cidadãos. Não se trata, evidentemente, de um fenômeno que só ocorre nas cidades brasileiras. No Brasil o problema sempre foi empurrado com a barriga, tratado como fato inevitável, "acidente da natureza"
Ricardo Ernesto Rose

Morte da fauna silvestre nas estradas

As auto-estradas brasileiras são responsáveis por um número considerável de mortes de animais silvestres. Segundo cálculos do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estadas (CBEE), da universidade de Lavras, cerca de 475 milhões de animais silvestres são mortos por atropelamento no país por ano.
Ricardo Ernesto Rose

Má qualidade do ar mata cada vez mais

A poluição do ar nas cidades é provocada por atividades industriais e, principalmente, por emissões veiculares. Para controlar e reduzir gradualmente a poluição do ar é necessário que governos estaduais e municipais instituam ou ampliem sistemas de medição e monitoramento, tanto para as indústrias e principalmente para os veículos. Não é mais aceitável que veículos poluidores continuem rodando por nossas cidades, indiretamente ceifando vidas humanas.
Ricardo Ernesto Rose

Reciclagem na indústria automotiva

A indústria automobilística é um dos mais importantes segmentos do setor industrial em todo o planeta. No Brasil, o setor automobilístico emprega cerca 140 mil pessoas e gera em torno de um milhão de postos de trabalho indiretos, em diversas áreas da economia. Apesar disso, o automóvel é um dos produtos industriais que mais gera impacto ambiental; desde sua fabricação, passando por seu uso, até sua destinação final.
Ricardo Ernesto Rose

Perguntando é que se aprende…

Mas, admitamos que ocorresse um milagre e que em nome do bem estar do povo e do futuro do Brasil, fossem convocadas eleições gerais para presidente, governadores e Legislativo (alguns pretendem incluir prefeitos e vereadores). Dada esta situação, pergunta-se
Ricardo Ernesto Rose

De costas para o interior

Afirmam alguns autores que o Brasil vive de costas para o seu interior. Por um lado esta afirmação começa a ficar ultrapassada, com o rápido avanço para o Oeste nos últimos 50 anos. Permanece, no entanto, o fato de que a maior parte da população brasileira ainda se concentra numa faixa de terra, que não dista mais de 200 quilômetros do mar.
Ricardo Ernesto Rose

Diminui o buraco da camada de ozônio

Um fato recente bastante importante, passou quase despercebido do grande público e só foi superficialmente noticiado na mídia. Trata-se da redução do buraco na camada de ozônio da atmosfera da Terra. A notícia é bastante auspiciosa e tem um grande significado para todos aqueles preocupados com o impacto das atividades econômicas sobre a natureza.
Ricardo Ernesto Rose

As Olimpíadas e o meio ambiente

Apesar do grande volume de obras realizadas, inclusive de saneamento, a poluição das águas é, sem dúvida, o maior problema desta Olimpíada. Constantemente, a imprensa local e internacional tem publicado informações sobre as duvidosas condições de limpeza das águas onde serão realizados esportes aquáticos como remo (Lagoa Rodrigo de Freitas) e vela (área da Baía de Guanabara).
Ricardo Ernesto Rose

Energia eólica avança

Apesar da crise econômica, que afeta diversos segmentos da economia brasileira, o setor da energia eólica deverá crescer cerca de 40% em 2016, segundo Associação Brasileira da Energia Eólica (Abeeólica). E para o futuro as perspectivas são melhores ainda.
Ricardo Ernesto Rose

Carro a diesel, quem ganha com isso?

Tramita na Câmara projeto que autoriza a fabricação e a venda de carros leves a diesel no Brasil. A liberação dos motores a diesel para veículos de passeio aumentaria consideravelmente as emissões de gases no país, além de piorar os microclimas e a poluição das nossas grandes cidades. No balanço geral o projeto trará muitas desvantagens e algumas poucas vantagens. Estas últimas principalmente para o setor automotivo.
Ricardo Ernesto Rose

Combustíveis e emissões de gases

A qualidade da gasolina brasileira, no que se refere à emissão de poluentes especialmente enxofre, era bastante baixa. A partir de janeiro de 2014, com nova formulação, a presença do enxofre na gasolina foi bastante reduzida, caindo de 800 ppm (partes por milhão) para 50 ppm.
Ricardo Ernesto Rose

Aves urbanas

O Brasil abriga 1.833 espécies de aves, cerca de 20% do total mundial. Este número, no entanto, continua crescendo, já que são constantes as descobertas novas espécies nas diversas regiões do país, até nos arredores de grandes cidades como São Paulo e Curitiba.
Ricardo Ernesto Rose

Prazos para o lixo

Projetos de reciclagem em andamento ainda são poucos. Cerca de mil cidades brasileiras têm implantados projetos de tamanhos variados, mas o volume total do material reciclado não passa dos 8% do total dos resíduos urbanos.
Ricardo Ernesto Rose

O novo relatório do clima

O Programa nas Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) publicou seu mais recente relatório "Global Environmental Outlook (GEO-6)", sobre a situação mundial do meio ambiente. O relatório também faz observações com relação a problemas ambientais específicos às diversas regiões do globo. Na América Latina, fato importante é o aumento da emissão de gases de efeito estufa, causa principal do aquecimento da atmosfera e das mudanças climáticas.
Ricardo Ernesto Rose

Catástrofes e a sobrevivência humana

Os mitos sobre o surgimento de catástrofes, destruindo cidades, impérios e multidões de vidas, são bastante antigos. Os relatos sobre grandes cataclismos, afetando e dizimando parte ou a totalidade da humanidade, não deixaram de existir. A diferença é que atualmente o relato mitológico e religioso foi substituído pelo científico.
Ricardo Ernesto Rose

Gestão hídrica é tema global

A água e sua gestão é tema cada vez mais presente na mídia. E não apenas naquela que trata de temas ambientais, mas também na mídia voltada para temas de ciência e de economia. Estadistas, cientistas e empresários, percebem cada vez com maior clareza, que a preservação dos recursos hídricos é essencial para que a humanidade possa continuar vivendo decentemente sobre o planeta.
Ricardo Ernesto Rose

Áreas contaminadas

A ocorrência de contaminações do solo por atividades econômicas são cada vez mais frequentes em todo o mundo, inclusive no Brasil. Este tipo de poluição ambiental ocorre quando líquidos ou sólidos de alguma toxicidade, penetram ou permanecem em contato com o solo. Depois de certo tempo, geralmente pela ação da chuva, estes resíduos acabam atingindo camadas mais profundas do subsolo, contaminando o lençol freático.
Ricardo Ernesto Rose

Dialética do materialismo: Marx entre Hegel e Feuerbach

A crítica de Marx à filosofia de Hegel foi feita tomando por base a filosofia de Feuerbach, fazendo uso do novo conceito de alienação de Feuerbach. Refutando as teses de Hegel, Marx afirma que o Estado preconizado por este é apenas uma idéia abstrata, ilusoriamente cultuado como se fosse um sujeito concreto, devendo ser combatido.
Ricardo Ernesto Rose

As mudanças climáticas e a agricultura

A cultura do café deverá ser afetada pelas mudanças climáticas. Estudo publicado em 2004 pela EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) previa uma redução considerável na área plantada de café nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Paraná, ao longo deste século, ocasionada pelo aumento da temperatura média durante o ano.
Ricardo Ernesto Rose

Consumo de madeira da Amazônia

Apesar das campanhas de ONGs locais e internacionais e das ações do governo federal, continua o desmatamento da floresta amazônica. Segundo dados monitorados e divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), nos últimos sete anos foram derrubados cerca de 41 mil km² de floresta; uma área equivalente ao território da Suíça.
Ricardo Ernesto Rose

Existe o tipo brasileiro?

É possível apresentar um brasileiro típico, dado a complexidade de grupos e subculturas que compõem o caldo cultural do país? A resposta é que a tipificação de uma cultura, de um povo ou país depende sempre do grau de profundidade com que realizamos a análise.
Ricardo Ernesto Rose

A ordem do discurso, de Foucault

Para Foucault a sociedade exerce certo tipo de controle sobre o discurso e afirma que há alguns temas que são tabus, como a sexualidade e a política. Comenta que o discurso não simplesmente expressa o desejo; que também há o desejo em se poder ter o discurso.
Ricardo Ernesto Rose

O crescimento urbano brasileiro

As regiões metropolitanas atraem um imenso fluxo de materiais e produtos, destinados ao consumo e à produção. Imensos volumes de água e eletricidade, além de combustíveis, são diariamente utilizados para manter este complexo sistema de organização econômica e social em funcionamento
Ricardo Ernesto Rose

Eficiência energética significa modernização

O suprimento de energia é um tema de preocupação constante no Brasil. Toda vez que o crescimento da economia coincide com um período em que os reservatórios das hidrelétricas estão com seus níveis baixos, fala-se do perigo de um apagão de energia. O uso eficiente de energia passa necessariamente pela questão econômica. Quando o menor consumo de energia (em muitos casos menor emissão de gases) se transformar em efetiva vantagem, seja para o consumidor ou produtor, o país passará a encarar a eficiência energética de outra forma.
Ricardo Ernesto Rose

Aspectos do saneamento no Brasil

A prática do tratamento e coleta de esgotos não faz parte da história do Brasil. É fato que a política e a condução da administração pública no Brasil sempre tiveram objetivos imediatistas, nem sempre eram do interesse dos eleitores. Ficou famoso o bordão de gerações de políticos brasileiros: "Obra enterrada não traz votos!"
Ricardo Ernesto Rose

Desastre de Mariana desperta nova mentalidade ambiental

É de se esperar que o "caso Mariana" forme uma nova mentalidade ambiental no Brasil. O controle das atividades econômicas e de seus impactos deve aumentar ao longo dos próximos anos. Emissões de gases, destruição de ecossistemas, preservação de vegetação original e de espécies marinhas, são temas que cada vez mais tomarão importância.
Ricardo Ernesto Rose

Faltam locais de lazer nas cidades

Apesar de continuarmos sendo uma das dez maiores economias do mundo, nossas grandes cidades em pouco melhoraram sua infraestrutura de lazer nos últimos 50 anos. Existem poucas opções, principalmente para as pessoas de menor poder aquisitivo e os moradores das periferias. É só olhar para os rios e lagos localizados no ambiente urbano, para ver o descaso com estão sendo tratados pelo poder público.
Ricardo Ernesto Rose

Cerrado é esquecido nos acordos internacionais

Em tempos de aquecimento global e Fórum Climático em Paris, fala-se apenas na eliminação do desmatamento ilegal na Amazônia. O objetivo é louvável e trará muitos benefícios para o país e o planeta. No entanto, existe um outro bioma, o Cerrado, muito mais ameaçado pela expansão do agronegócio, e que não recebe a mesma atenção.
Ricardo Ernesto Rose

Atividades econômicas e externalidades

O que alguns economistas defendem, principalmente aqueles embasados pelas questões sociais e ambientais, é que às atividades econômicas sejam incluídos os custos das externalidades de produtos e serviços.
Ricardo Ernesto Rose

História da Filosofia: dos pré-socráticos aos sofistas

Os sofistas foram educadores que lecionavam diversas disciplinas, geralmente para as classes abastadas, em troca de pagamento. Todavia, nem todos cobravam por seus ensinamentos. Estes filósofos foram os primeiros que se utilizaram do seu poder de persuasão e de seu conhecimento enciclopédico (para a época) para defender diversos pontos de vista, de acordo com a situação e o cliente.
Ricardo Ernesto Rose

Depois do acordo mundial sobre emissões

Um acordo histórico sobre a limitação das emissões de gases causadores das mudanças climáticas foi assinado em 12 de dezembro de 2015. Ao todo foram 195 países, que reunidos em Paris durante o Fórum Mundial do Clima promovido pela ONU, acordaram em limitar gradualmente suas emissões. Os dois pontos mais importantes acordados durante o evento foram: estabelecer o limite de 1,5ºC para o aumento da temperatura da atmosfera até o final do século.
Ricardo Ernesto Rose

Biodiesel diminui emissão de gases

O Brasil é o segundo maior produtor mundial de biodiesel, produzindo cerca de quatro bilhões de litros anuais. O produto é produzido a partir de óleos vegetais, derivados da soja, do milho, do babaçu, do amendoim da mamona e do pinhão manso. Este último é uma planta originária na Índia, cultivada especialmente para extração de óleo vegetal combustível não comestível. Outra fonte para extração de óleos e graxas destinados à fabricação de biodiesel são as gorduras de animais de abate e as vísceras de peixes.
Ricardo Ernesto Rose

Nível do mar aumenta até 2050

Antes do tempo previsto pelos cientistas, aparecem os primeiros efeitos das mudanças climáticas; aumento da temperatura média da Terra, estações mais rigorosas, além de outros fenômenos relacionados ao clima, como chuvas e secas prolongadas. Outro aspecto que começa a preocupar as cidades litorâneas de todo o mundo é a perspectiva do aumento do nível do mar. Previsto para a final deste século, o fato deverá se tornar perceptível já a partir dos próximos 20 ou 30 anos.
Ricardo Ernesto Rose

Alimentos contaminados por agrotóxicos

Grande parte dos legumes, frutas e verduras que consumimos diariamente não tem qualquer tipo de fiscalização quanto a sua qualidade. No entanto, análises feitas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 2014, mostraram que 31% dos alimentos estavam contaminados com excesso de agrotóxicos. Dentre as substâncias encontradas nas análises, estavam algumas potencialmente cancerígenas e já banidas na União Europeia e países como a China e a Índia.
Ricardo Ernesto Rose

Extinção em massa

Nos últimos 500 milhões de anos a vida do planeta foi afetada por diversos cataclismos que causaram grande mortandade entre as espécies vivas. Estes acontecimentos, que podiam se estender por milhões de anos, foram chamados de extinções em massa - quando ecossistemas são totalmente destruídos ou afetados de tal maneira, que a vida já não é mais possível.
Ricardo Ernesto Rose

Eficiência energética no Brasil

O país também passa por uma crise de eletricidade. Não porque não tenhamos condições de gerar mais energia, ao contrário; o Brasil é um dos países com maior potencial energético. O que nos falta é uma efetiva ordenação e planejamento do setor, estabelecendo objetivos para a geração e para a economia de eletricidade. Deste modo, o atual momento de crise deveria ser aproveitado para avaliar e reestruturar o setor energético em bases mais modernas, preparando o país para as novas fases de crescimento que estão por vir.
Ricardo Ernesto Rose

Sobre a cultura popular e a cultura

A cultura popular é aquela que difere daquela praticada ou apreciada pelas classes dominantes. Tem sua origem na vida diária do povo; suas crenças e costumes, sua adaptação ao ambiente e às condições econômicas, valorizando seus aspectos históricos. O interesse pela cultura popular sempre existiu implicitamente na dita alta cultura. Muito do que foi produzido pela literatura, música e artes plásticas tem sua inspiração na prática do povo, desde a Idade Média.
Ricardo Ernesto Rose

Redução de emissões mobiliza governo e empresas

A redução das emissões não se limita à redução ou eliminação futura do desmatamento. No setor energético o Brasil também aumentou bastante suas emissões, com a utilização de usinas termelétricas movidas a óleo ou carvão. Aqui cabe explorar o imenso potencial de energias renováveis que o país possui e implantar medidas claras de eficiência energética. O lixo e outros resíduos orgânicos mal geridos também são causadores de emissões de gases, principalmente nas grandes cidades.
Ricardo Ernesto Rose

Comentários sobre a situação ambiental no Brasil

Na área ambiental as notícias são menos desalentadoras. Se a Política Nacional de Resíduos Sólidos não avança, e vai avançar cada vez menos com a falta de recursos nas prefeituras e estados, e o saneamento recebe sempre menos verbas de um PAC muito combalido, a COP 21 parece ser uma luz no fim do túnel. O encontro da ONU para discutir as mudanças do clima e a redução de emissões, a ser realizado em dezembro em Paris, está forçando os países a tomar posições, inclusive o Brasil.
Ricardo Ernesto Rose

Por que a questão ambiental avança tão lentamente?

A velocidade em que outros países industrializados implantaram mudanças estruturais na área ambiental - políticas governamentais, legislação, normas técnicas, controle das empresas públicas e privadas - foi bem mais rápida. Basta ver o progresso em toda a Europa e Estados Unidos, no que se refere à atuação ambiental de governos e empresas, ocorrido entre o final da década de 1960 e os anos 1980. Em pouco mais de uma década, houve uma verdadeira revolução no que se refere à redução dos impactos diretos ao meio ambiente - água, solo e ar -, concretizada através de grandes projetos de despoluição, modernas estruturas de gerenciamento de resíduos e melhores controles das emissões atmosféricas.
Ricardo Ernesto Rose

Durkheim e o fato social

Durkheim, define o fato social da seguinte maneira, em uma passagem de seus escritos: “Fato social é toda a maneira de fazer, fixada ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior: ou então, que é geral no âmbito de uma dada sociedade tendo, ao mesmo tempo, uma existência própria, independente das suas manifestações individuais”. Mais à frente no texto, o sociólogo escreve: “Com efeito, os fatos sociais não se realizam senão através dos homens; são resultado da atividade humana”.
Ricardo Ernesto Rose

O grande impacto ambiental gerado pela pecuária

O impacto ambiental desta atividade é muito alto, quando se considera que apenas o rebanho mundial bovino tem mais de um bilhão de cabeças, cuja maior parte vive em pastos abertos, ocupando área considerável. Com isso, a atividade agropecuária é responsável por 18% de todas as emissões de gases de efeito estufa (GEEs), ultrapassando as emissões veiculares. O metano, principal gás produzido por esta atividade é emitido pela derrubada da floresta para estabelecimento de pastagens e pela ruminação e as fezes dos animais. Além destes impactos, a atividade também é responsável globalmente por 8% do uso de água potável, já que para se produzir um quilo de carne bovina, são necessários 16 mil litros de água!
Ricardo Ernesto Rose

As cidades e as mudanças climáticas

O ano de 2014 foi considerado o mais quente da história, desde que começaram as medições das temperaturas globais, no final do século XIX. O primeiro semestre de 2015 confirma tendência de aumento, já que neste período a temperatura média do globo foi 0,85ºC maior que a normal. O processo de aquecimento da atmosfera deve continuar, já que as emissões de gases poluentes causadores do aquecimento global e, consequentemente, das mudanças do clima, voltaram a crescer em todo o mundo com a lenta recuperação das economias dos países.