Início » Textos de Marluce de Oliveira
Marluce de Oliveira
Marluce de Oliveira

Ensinando a viver

Emocionante: O grande tema do filme é da descoberta, cujo processo leva a outras temáticas, como o da necessidade da imaginação no processo da existência, a convivência com a diversidade e a aceitação das pessoas como elas as são. Sobra, ainda, um pensar sobre o enigma da vida
Marluce de Oliveira

Falando de Lúcifer & cia

Se Lúcifer significa também inteligência, razão, porta-luz, luz que nos ilumina, o maior Lúcifer é mesmo Jesus Cristo! Para muitos teólogos Lúcifer (nosso ego ou o joio) é o oposto de Logos (Cristo ou o trigo que está em nós), e o ego é necessário para dar mais valor à vitória do nosso Cristo interno contra o nosso ego luciférico.
Marluce de Oliveira

O abuso infantil que a sociedade impõe e aceitamos sem perceber

Elas precisam aprender a se proteger de todo tipo de abuso, e mais do que gastarmos palavras vazias explicando para crianças pequenas sobre o mundo terrível em que vivemos atualmente, devemos apenas deixar que o instinto natural que elas possuem as proteja. Devemos explicar conforme a idade, conforme a necessidade, e em uma linguagem adequada como as crianças podem se proteger
Marluce de Oliveira

Por que o álcool é considerado uma droga?

Beber atrai gente bonita e feliz. Esse é um conceito muito vendido pelas marcas de bebidas alcoólicas. O que nenhuma delas fala é que o álcool também é uma droga. Aliás, por ser socialmente aceita e até incentivada, muitas pessoas desconhecem ou mesmo ignoram este fato
Marluce de Oliveira

Srinivasa Ramanujan: O homem que viu o infinito

Srinivasa Ramanujan foi um matemático indiano. Realizou contribuições importantes nas áreas da análise matemática, teoria dos números, séries infinitas, frações continuadas, entre outras. Ramanujan dedicava-se às séries hiper geométricas e às relações entre integrais e séries
Marluce de Oliveira

Amor ou apego? Você já sofreu por amor?

A maioria das pessoas sofrem por amor simplesmente porque não amam… Como distinguir entre o amor verdadeiro e o apego possessivo? O amor altruísta pode ser comparado ao som puro que vem de um copo de cristal, e o apego ao dedo que, ao tocar a beira do copo, abafa esse som. Reconhecemos desde o princípio que a ideia de uma mor desprovido de apego é relativamente estranha à sensibilidade ocidental