Início » Textos de Alessandro Lyra Braga
Aristóteles Drummond

Um exemplo de sucesso

É digno de registro o centenário do Grupo Luiz Severiano Ribeiro. A maior empresa de cinemas do país atua em muitos estados da federação, com uma oferta de cinquênta mil assentos, que no ano passado receberam um público superior a vinte e dois milhões de espectadores
Alessandro Lyra Braga

O Brasil não é um país, é um terreno baldio!

O Brasil é uma coisa qualquer, recheada de corrupção. Não temos cúpula política, e sim cópula política. Certamente, a pior classe política do mundo está aqui. Com as notícias de ontem, quando o Ministro do STF, Edson Fachin, pediu inquéritos contra setenta e seis políticos, pode-se chegar a conclusão que somos vítimas da maior e mais absurda rede de corrupção do mundo
Alessandro Lyra Braga

Os anos setenta no Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro dos anos setenta teve em Ipanema sua concepção máxima, com Leila Diniz grávida usando biquini e mostrando sua barriga em 1970 e depois mulheres na praia fazendo topless, mostrando o que todos queriam ver, e chocando a tradicional família carioca, já em processo de encolha. O Rio de Janeiro dos anos setenta quebrou paradigmas e ousou mais do que qualquer outra cidade brasileira. E também foi no pier de Ipanema, que apesar do uso escancarado da maconha, moldou-se uma nova cara para a cultura brasileira.
Adílio Jorge Marques

A história da Ciência e Galileu Galilei

Atualmente, nas escolas, é muito comum a incompatibilidade e o desgostar das disciplinas de exatas. Destacamos aqui a Física, por exemplo, estando sempre correlacionada com a matemática, estas são tidas como grandes vilães das escolas, pois a maneia como é lecionada hoje, de forma maçante e sem uma contextualização histórica de como tais ciências foram desenvolvidas, corrobora para essa vilania adotada pelos alunos.
Alessandro Lyra Braga

Como tratar a bandidagem

Um infeliz que estupra uma criancinha ou que mata de pancada um idoso só para assaltá-lo deve ser tratado como gente? Cabe vermos neste indivíduo um ser com direitos humanos? Sempre que um bandido reage ao ser preso e a polícia precisa utilizar força para detê-lo ou sofre agressões de populares, pessoas ligadas aos Direitos Humanos aparecem para defender o desgraçado. Nunca soube ou vi alguém defender os direitos das vítimas, o que para mim soa como conivência com o crime.
Percival Puggina

Perda da noção de limite

Estou certo de que o leitor concordará com o enunciado: não é condição de “normalidade” de uma ação humana o fato de ela estar sendo praticada por muitos, pela maioria ou por todos. A normalidade de uma ação está condicionada à sua adequação a uma norma. Todos podem estar desrespeitando sinais de trânsito, mas isso não faz "normais" as infrações.“Comum” e “frequente” não são sinônimos de “normal”. Fazer cabeças não é normal.
José Renato Nalini

Revolução alimentar

O projeto “Cozinheiros da Educação” que a Secretaria da Educação realiza no Estado de São Paulo é apaixonante para quem se aproxima dele. Os alunos da rede estadual paulista passarão a contar com alimentação mais saudável, a partir da reformulação do cardápio servido diariamente, com o reforço do uso de produtos in natura.
Pedro do Coutto
Wagner Victer

A reforma do ensino médio demanda uma outra reforma

Os recentes resultados divulgados do IDEB trouxeram de volta ao debate da sociedade as graves dificuldades enfrentadas na aprendizagem dos jovens brasileiros. Os resultados negativos reforçam a percepção de que o atual currículo do Ensino Médio é ultrapassado e merece profunda reforma.
Dhellano de Castro Oliveira

Redes Sociais: do céu ao inferno em um clique

A internet é realmente algo fascinante, surgiu há mais de 50 anos e ainda continua a ser o bem e o mal da humanidade, a doença e a cura. E quando eu digo que "ela continua a ser", não entendam que ponho o mérito ou a culpa de alguns fatos e acontecimentos na internet por si só, e sim no poder de influência das pessoas para com outras pessoas que fazem da rede mundial de computadores o maior veículo de mídia para uma alavancagem ou derrocada moral, financeira e social.
Célio Pezza

Fraturamento hidráulico

O processo Fracking para extração de óleo e gás, conhecido como Fraturamento Hidráulico, causou, nos últimos 40 anos, aproximadamente 60% dos terremotos de magnitude acima de 3 na Escala Richter no Texas.
Alessandro Lyra Braga

Uma prisão chamada Cuba

Quanto ao mito da saúde pública de qualidade para todos, em Cuba se você quiser ter um atendimento de qualidade é bom se preparar para levar algum "presente" aos médicos e enfermeiros, pois só assim será tratado como é apregoado pelo governo cubano no exterior.
John Pilger

Quando o jornalismo vai à guerra

Um homem acusado do pior dos crimes, um suposto genocídio de repercussão global, foi julgado inocente, mas o fato não virou manchete. Nem a BBC, nem a CNN cobriram. The Guardian permitiu um breve comentário. O fato foi enterrado ou suprimido, compreensivelmente. Ele deixaria muito claro como os senhores do mundo governam.
Ricardo Ernesto Rose

As baleias ainda precisam de proteção

As baleias são o maior mamífero que já habitou o planeta. Sua evolução, da terra à água, é um dos mais belos exemplos de adaptação de uma espécie aos diferentes ambientes. Das 26 espécies conhecidas, muitas correm risco de extinção. A jubarte, por exemplo, de tanto ser caçada, quase desapareceu.
Dinovaldo Gilioli

Uma ponte para o futuro de quem?

O povo deve estar bem ciente, neste momento em que se definirá no Brasil a política do governo federal provisório de Michel Temer, até 2018, se confirmado o impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff. A vitória daqueles que defendem a adoção de políticas neoliberais, de enfraquecimento do estado, representará o retorno às dificuldades vivenciadas por milhares de trabalhadores na década de noventa.
Pedro Bondaczuk

Namoro perde a melhor característica

Os namorados romperam o que havia de melhor no namoro, que era o mistério, a imaginação, a mútua conquista, tarefa que exigia paciência que se rivalizasse com a do patriarca bíblico Jó. Mas quando se chegava aos finalmente... Era um delírio! Era o transporte do céu para a terra! Naquele tempo pretérito, tocar, mesmo que de leve, como que sem querer, os seios da garota, era uma façanha heróica! E o beijo... Nem é bom falar!
Laurinda Alves

Onde estão os pacifistas?

Grandes líderes disseram o essencial sobre o perdão. Olho por olho e o mundo acabará cego, lembrou Gandhi. É muito fácil enfraquecer e destruir, heróis são os que pacificam e constroem, disse Mandela.
Julio Severo

Putin ama Hillary!

Alguns conservadores, tomados pelo pânico depois de manchetes recentes sobre Donald Trump fazendo apelo à Rússia para revelar os podres de Hillary Clinton, estão apelando para o lado da desonestidade, acusando que “Putin ama Hillary” por causa de informações de que o presidente russo Vladimir Putin fez negócios com Hillary.
Maria Cristina Castilho de Andrade

Barbárie e esperança

De acordo com o Instituto de Pesquisa Aplicada, acontecem mais de 500 mil estupros por ano no Brasil. 70% das vítimas são crianças e adolescentes. E pelo menos 56% dos agressores são conhecidos das vítimas. Quando não há denúncias, o estupro se repete.
Alessandro Lyra Braga

Dilma Rousseff: arrogância, prepotência e incompetência até o fim

Em todo este processo histórico só houve um golpe e este foi um "golpe" de sorte para o país. Ficamos livres de Dilma e do PT. Dilma teve o que mereceu. Tratou o país como se estivesse brincando de casinha, ou de "aparelho", como chamavam no período militar os esconderijos de guerrilheiros procurados.
Alessandro Lyra Braga

Que saiam logo, e pela porta dos fundos!

É chegada a hora de nos livrarmos dessa gente que destruiu o país da forma mais mesquinha e abominável possível. Não há como o país suportar mais esta gente. Que saiam logo, e pela porta dos fundos. Pena que não seja algemados...
Alessandro Lyra Braga

Um soneto para Sérgio Moro

Meu querido amigo, o jornalista Alzir Rabelo, sentindo-se angustiado com toda a carga de ódio que o PT e seus aliados, com comparsas, vêm desferindo contra o juiz federal Sérgio Moro, escreveu um soneto, que reproduzo abaixo, para homenageá-lo.
Alessandro Lyra Braga

Dilma, o retrato da destruição

Dilma está numa situação de ingovernabilidade absoluta, tendo ainda a "caneta" na mão, mas sem saber usá-la adequadamente. A saída de Dilma é vital para que o país se recupere. Os governos petistas desperdiçaram dinheiro público a rodo. Com Dilma no poder, o país só se afunda cada dia mais, e nós, brasileiros, somos também destruídos. É destruição para todos os lados...
Alessandro Lyra Braga

O xeque-mate de Sérgio Moro

Sérgio Moro sabia que muitas provas poderiam simplesmente "sumir" e a verdade sobre toda a corrupção envolvendo o PT e Lula se dissipar com o foro privilegiado. Assim, na hora certa, pegando todo mundo, e principalmente a cúpula petista, de surpresa, a revelação das gravações fez desmoronar todos os planos para tudo terminar em pizza. Sérgio Moro fez a coisa certa...
Alessandro Lyra Braga

Impeachment de Dilma é o fim da era PT

Quando o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, anunciou na noite desta quarta-feira que vai abrir um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff uma nova fase pairou sobre o país: o fim da nefasta "era" PT. O ideal é que Dilma renunciasse ao governo e poupasse o país de mais angústia e sofrimento, mas duvido que isto aconteça. Hoje, somos vistos pelo mundo como a pátria da corrupção.
Alessandro Lyra Braga

Para quê o PT quer expulsar Delcídio?

Para quê o PT quer expulsar Delcídio Amaral do partido? Para acreditarmos que o PT é um partido decente e que não compactua com falcatruas? O PT expulsar Delcídio do partido é como as ratazanas sadias que devoram outra ratazana machucada nos esgotos das cidades, ou seja, depois que é descoberto como bandido não serve mais para o partido. Quando roubava sem ser pego era exemplar petista e líder do governo no Senado.
Alessandro Lyra Braga

O país odeia esta mulher!

Hoje posso criar sem medo o neologismo: "dilmar", que seria sinônimo de mentir. Dilma não deveria ter afirmado ser o Brasil uma pátria educadora, já que hoje o Brasil é uma pátria destruidora. Destruidora de seu próprio povo!
Alessandro Lyra Braga

Superando o autismo com carinho e coragem

Apenas para lembrar aqueles que acham que o autista é um ser sem solução dentro de seu mundo, temos em nossa história autistas célebres, como o físico Albert Einstein e o jogador de futebol Lionel Messi.
Alessandro Lyra Braga

A volta dos quadrinhos para adultos

Embora em outros países os quadrinhos para adultos seja uma imenso, no Brasil estes tipos de livros estão tomando força há pouco tempo. Nos anos sessenta os quadrinhos eróticos de Carlos Zéfiro foram um sucesso de vendas. Mas, saindo da temática erótica e infantil, poucas vezes tivemos em território nacional editoras que realmente lançassem quadrinhos de histórias diversas sem estas conotações.
Maria Cristina Castilho de Andrade

Escuta dos idosos

Interessantíssima a monografia em livro: “A Escuta dos Idosos: um novo paradigma”, da Dra. Selma Ribeiro Araújo, Procuradora de Justiça aposentada, que reside em Belo Horizonte. A autora escreve sobre a maneira como a sociedade enxerga e trata o idoso, o idoso em suas dores, anseios e limites e a criatura que se propõe a ouvi-los.
Alessandro Lyra Braga

A Segunda Guerra Mundial ainda não acabou!

Embora as ocorrências bélicas da Segunda Guerra Mundial tenham cessado há mais de setenta anos, a guerra oficialmente ainda não terminou, já que Japão e União Soviética (hoje Rússia) nunca assinaram nenhum tratado de paz. Assim, tecnicamente, Japão e Rússia continuam em guerra desde aquele período.
Alessandro Lyra Braga

Só é bandido quem quer!

Se apenas condições familiares, sócio-econômicas e educacionais fossem os pré-requisitos para a bandidagem, os crimes financeiros e de corrupção política não existiriam, pois são praticados por pessoas com excelentes níveis educacionais, oriundos de famílias normalmente muito bem estruturadas e com boas condições sócio-econômicas. Até concordo que nossos políticos fogem a toda e qualquer regra de decência e que poucas são as teses acadêmicas que conseguem justificar tantos golpes e safadezas que, infelizmente, conhecemos tão bem. Já até admito que nossos políticos não possam ser classificados como da espécie "Homo sapiens sapiens', e sim "Homo sapiens corruptus", uma verdadeira sub-raça da espécie humana.
Alessandro Lyra Braga

Novas tendências da modernidade

Vivemos outras eras. Hoje, não somos mais donos de nós mesmos. Todos sabem o que fazemos, pensamos e onde estamos. A privacidade e até a opção pelo anonimato morreram. E o mesmo ocorre com as empresas, que estão tendo que se reinventar diante de tantas possibilidades de comunicação. Sabe-se e percebe-se que o mercado está se transformando. Que o conceito de tempo, satisfação do cliente e qualidade do que lhe é oferecido estão cada vez mais sob severa análise da sociedade. Hoje, quando um cliente está insatisfeito ele não se expressa mais apenas com um ou outro amigo, ele coloca nas redes sociais. E, uma vez na web, a coisa complica para as empresas.
Alessandro Lyra Braga

Já ganhei o meu presente de Natal!

Ainda hoje eu brinco que meus pedidos de Natal não costumam ser atendidos. E olha que nem são tão complicados assim! Eu não peço coisas do tipo "paz no Oriente Médio", "fim da corrupção no Brasil" ou uma "namorada que gaste pouco". Nada disso! Só peço coisas simples. Mas mesmo assim, eu não costumo ganhar. E justamente por isto fico revoltado quando vejo gente ganhando cada presente, que fico impressionado. Por exemplo, vi que o Maluf ganhou de Natal o direito de ser empossado como deputado federal. Vi que a Dilma, apesar de não ser uma boa menina, já que deixou seus amiguinhos brincarem à vontade com os cofrinhos da Petrobrás, ganhou uma reeleição. E eu, só ganho experiência?
Alessandro Lyra Braga

A passista e a porta-bandeira

Lembro-me de ver Vilma (da Portela) e Mocinha (da Mangueira) evoluírem na passarela como se suas roupas não pesassem e como se o chão fosse as próprias estrelas do céu. Eu, ainda moço, imaginava o que seria o vento que aquelas bandeiras faziam no rodopio. Teriam cheiro de alegria? Hoje eu sei que têm. O mesmo é com a passista. Não sei seu nome, de onde vem ou o que faz fora da escola, mas quando dança, lembro-me de outros carnavais. Antigamente, as passistas vinham no chão, com toda uma garra na cardíaca defesa de sua escola de samba. Hoje elas se preocupam com as lentes dos fotógrafos e as câmeras de televisão, numa busca desenfreada pela fama. O sambar virou um mero passaporte para algo tão efêmero. Mas nem todas são assim.
Alessandro Lyra Braga

Qual a maior intimidade que podemos ter?

Esses dias estive pensando: qual o maior momento de intimidade que pode haver entre duas pessoas que se gostam? Será o sexo? Será ir ao banheiro juntas? Ou será dormir juntas? Nelson Rodrigues dizia que se conhecêssemos a intimidade uns dos outros ninguém apertaria as mãos. Já Danuza Leão disse que só devemos cortar as unhas dos pés sozinhos e no escuro, e nunca na frente de quem gostamos. Uma pessoa me disse que intimidade é poder soltar um pum na frente de outra pessoa e não se sentir na obrigação de pedir desculpas (Um absurdo, entendo eu!).
Alessandro Lyra Braga

O jogo da sedução

Uma sedução inteligente pode ser erótica, sem ser pornográfica. Pode ser agressiva, sem ser violenta. Pode ser até em chinês, que mesmo assim entenderemos. O que ela tem que ser é eficaz e retratar a verdade do que sentimos naquele momento. Pensando em sedução, entendo que não é a lingerie que seduz, mas sim a expectativa do que ela reserva para depois. Assim, seduzir e ser seduzido é saber lidar com o tempo e as ansiedades, sabendo provocá-las (o sedutor) e sabendo com elas lidar (o seduzido). Seduzir é conquistar a permissão dada pelo seduzido de provar o que antes nos era proibido. Sedução é um jogo!
Alessandro Lyra Braga

A arte de amar uma pessoa difícil!

Pessoas difíceis existem aos montes. Parece que estamos vivendo uma epidemia de traumas e bipolaridade, ou outra forma qualquer de maluquice. Acredito piamente que ninguém é uma pessoa difícil por querer. Pessoas que têm a consciência de ser difíceis sofrem com isto. Fico impressionado quando encontro pessoas que dizem que não conseguem mais amar ninguém ou que não querem rotular seus relacionamento como "namoro", por exemplo, por mero medo de decepções.
Alessandro Lyra Braga

Não quero que meu filho seja professor!

Esta semana estava eu em uma padaria lanchando, quando ouvi de um camarada ao meu lado a seguinte frase: “Não quero que meu filho seja professor!”. Não ouvi toda a conversa, mesmo assim fiquei chocado. Nunca imaginei que alguém pudesse não desejar ter um filho professor. Passei o resto do dia mal, com a frase ecoando em minha mente. Sempre ouvira que os pais não queriam ter filhos ladrões, desonestos ou até políticos, mas professor eu nunca imaginei!
Alessandro Lyra Braga

Perdoar é difícil!

Já tive que perdoar. Ou melhor, já me pediram perdão. Se perdoei mesmo, até hoje eu não sei. A verdade é que nem sei ao certo o que é perdoar. Será esquecer? Será aprender a conviver com uma mágoa, passando por cima de fatos passados? Será aceitar o pecador do jeito que ele é? Não sei. Sei que sempre ouvimos a máxima que "quem não pecou que atire a primeira pedra", mas a questão não é que todos erram, mas sim quais erros praticados contra nós podemos superar.
Alessandro Lyra Braga

Declarando meu voto!

Declaro agora meu voto: para presidente, votarei na frustração. Para governador, votarei na decepção. Para senador, votarei no desânimo. Para deputado federal, votarei na descrença; e para deputado estadual votarei na nulidade. E tenho certeza que a maioria dos brasileiros votarão nestes mesmos candidatos! E por que? Porque mesmo que uns poucos políticos bem intencionados queiram mudar alguma coisa neste país, o sistema já está de tal forma corrompido, que estes poucos pouco poderão fazer.
Alessandro Lyra Braga

Marina Silva e o ultimato do povo brasileiro!

Vemos o crescimento da adesão dos brasileiros à candidatura de Marina Silva, mas o que isto significa? Significa que os brasileiros querem uma ruptura com o atual perfil brasileiro de poder e exercício da política, já que nos cansamos das promessas vãs e mentirosas dos oportunistas políticos de carreira que estão por aí. E não digo isto só na disputa presidencial não, mas também para todos os demais cargos que estão sendo disputados nesta próxima eleição. Na verdade, o que o Brasil precisa é de uma total ruptura com o modelo "paz e amor" que está aí.
Alessandro Lyra Braga

Por inveja, quase roubei um artigo!

Eu confesso, sinto inveja intelectual sim! E acho que esta é uma inveja saudável, porque estimula. Passamos a querer ser melhores, e isto não significa entrar em disputa com ninguém. Significa querermos superar nossas limitações de entendimento diante da vida. Percebo que muita gente sente inveja da inteligência e do modo de ser alheio, mas nada faz para mudar. Optam pelo continuísmo de suas vidinhas, mesmo que repleto de frustrações, e assim não vivem, apenas sobrevivem. À maioria falta a coragem de romper com os ditames da sociedade que impõe certas condições que amordaçam e vedam os olhos, para que assim a maioria de nós continue sendo de "robozinhos" estúpidos e pseudo-pensantes, mas altamente consumistas.
Alessandro Lyra Braga

Sobre Robin Williams

Foi um gênio... Se eu tivesse que citar meus vinte filmes preferidos, certamente quatro seriam com Robin Williams: "Sociedade do poetas mortos", "Gênio indomável", "O pescador de ilusões" e "Uma babá quase perfeita". Com estes quatro filmes eu me repensem em como ser um sujeito um pouquinho melhor e entendo que seja esta a finalidade da arte: auxiliar na evolução de caráter e na sensibilidade das pessoas. Se consegui ou não é outra questão. Sei de muitos casos de artistas que se entregam à bebida ou outro vício qualquer porque realmente não conseguem se compreender fora de seus personagens e fazem desses seus personagens verdadeiros ícones psicanalíticos de seus dramas, conflitos e sonhos.
Alessandro Lyra Braga

O mundo quase perfeito dos solteiros

Uma das maiores marcas da vida de solteiro é a total liberdade. Quando moramos sozinhos, podemos fazer de tudo sem a necessidade de pedir autorização a ninguém. Podemos comprar qualquer coisa sem reclamações de que estamos gastando dinheiro à toa e passar o dia sem lavar louça (sempre tem alguma na pia) ou arrumar a cama sem ouvir broncas. Podemos fazer dos lençóis de nossas camas verdadeiros festivais de variedade genética que enlouqueceria qualquer legista. Podemos tudo! O que não podemos é nos esquecer que existem outras pessoas no mundo. Tendemos a acreditar que somos só nós no planeta e que basta fecharmos a porta de casa que nada mais existe do lado de fora. Tem hora que até pensamos que o mundo fica estático se não estivermos circulando por aí. Eu mesmo já me surpreendi pensando assim.
Alessandro Lyra Braga

O que é ser inteligente?

Sei que uma pessoa inteligente não necessariamente é uma pessoa erudita. Nem todos que se formam em faculdades ou conhecem tudo de Shakespeare ou óperas são, de fato, inteligentes. Ouço muito aqueles comentários do tipo "fulano é muito inteligente, fala seis idiomas!". A questão não é saber falar seis idiomas, mas sim o que falar nestes seis idiomas. Ariano Suassuna nunca saiu do país ou falava outro idioma que não o português e era inteligentíssimo. Também tem muita gente que acredita que quem viaja muito fique inteligente apenas por este fato. Se isto fosse verdade, todo marinheiro seria um intelectual
Alessandro Lyra Braga

Fui paquerado, e agora?

Estava eu num evento político e o inesperado aconteceu: percebi que há alguns metros uma jovem me olhava, mas que eu confesso não a havia notado. Olhava daquele jeito que não quer que percebamos estar sendo vistos, mas que ao mesmo tempo quer. De início fiquei intrigado, afinal, era uma jovem belíssima, que deveria ter quase duas décadas de idade a menos que eu, enquanto eu aparento quase duas década mais de idade que realmente tenho. Enquanto aquele jogo de olhares continuava eu pensava, meio descrente: "o que será que ela deseja? Eu devo estar fantasiando.". E assim foi por mais de quarenta minutos. Pensava até que o açúcar do refrigerante que havia bebido estava fermentando, virando álcool e me embriagando...
Alessandro Lyra Braga

Quando as máscaras caem

Quem nunca presenciou a máscara de alguém cair? Não me refiro à máscara do Batman ou do Zorro, mas sim aquelas máscaras que alguns usam para que pensemos que são quem na verdade não são. Normalmente percebemos que as pessoas usam máscaras desde que as conhecemos, mas nós é que não queremos ver a realidade. Sempre achamos que podemos estar errados ou que elas podem mudar. Acabamos por mascarar nós mesmos os já mascarados.
Alessandro Lyra Braga

Por que se faz justiça com as próprias mãos?

Penso que no caso de um reincidente desses ser preso, o advogado que o acompanhou em sua defesa e o juiz que o soltou deveriam ser co-responsabilizados pelo crime cometido e processados como cúmplices do meliante. Talvez assim os juízes fizessem pressão pela mudança de nossas leis e ordenamentos, e assim, talvez tivéssemos menos advogados que tudo defendem por dinheiro e juízes que só se preocupam em diminuir as pilhas de processos de suas mesas e com o lindo ordenamento jurídico do país, mas que pouco se importam com a realidade das ruas. Temos que questionar aqueles advogados que fazem de tudo pela soltura de seus clientes, sem se preocupar com a segurança da sociedade. Não é cabível a máxima de que o "cliente" vem em primeiro lugar. Não se trata de uma relação de consumo, onde o cliente sempre tem razão, mas de uma questão de vida ou morte.
Alessandro Lyra Braga

Hoje, eu tenho imensa vergonha do STF!

Se nem o próprio ministro Joaquim Barbosa, que conhece tão bem os bastidores do poder em nosso país, aguenta mais tanta sem-vergonhice, como que nós brasileiros iremos aguentar? Estamos vendo o primeiros passos para a implantação de uma cleptocracia no Brasil, com bandidos que deveriam estar na cadeia, protegidos e laureados pelo mantos negros e togados da parcimônia e do corporatismo lulista-petista, do tipo, "é dando que se recebe" e "temos que ser fiéis aos nossos líderes".
Alessandro Lyra Braga

Brasil: um país homofóbico

Recentemente, novos casos de violência contra homossexuais vieram à tona na mídia, com vários artigos e comentários a respeito, mas nada de eficaz contra a questão ocorreu. Até porque vivemos numa quase ditadura evangélica no país, onde todos têm medo da reação nas urnas dos cordeirinhos pastoreados pelos "senhores da Bíblia". No recente artigo "Mais um gay é morto. E o Congresso Nacional pode ter sido cúmplice" publicado em 16 de janeiro no Blog do Sakamoto, o articulista Leonardo Sakamoto expressou que "o Ministério Público Federal deveria co-responsabilizar os membros da bancada evangélica em Brasília por conta desses atos bárbaros de homofobia que pipocam aqui e ali. Pois ao travar uma medida que contribuiria com a solução, eles ajudam na manutenção das condições que geram o problema. São parte dele.".
Alessandro Lyra Braga

O objetivo de toda mulher é matar um homem na vida

As mulheres são seres mais do que especiais. São dotadas de uma forma toda especial de inteligência que os homens não conseguem nem de longe compreender. Embora sejam dotadas também de certas esquisitices, que os homens também nem de longe conseguem compreender. Mas, o que é mais certo quanto às mulheres é que elas nascem com o objetivo de matar um homem na vida. Não digo matar num ato de violência explícita, num ato criminoso, mas sim aos poucos, quer pela alimentação extremamente calórica ou mesmo por pura raiva.
Alessandro Lyra Braga

Coisas que não entendo

Tem muita coisa nesta vida que eu não entendo. Não sei se sou burro ou limitado apenas, mas o fato é que bóio em certas situações. Por exemplo, não entendo a forma reverencial com que os brasileiros tratam algumas pessoas que se destacam, mesmo que negativamente. Pode parecer implicância minha, mas o povo atribui títulos à esmo, apenas por um mínimo destaque. Qualquer um vira doutor da noite para o dia se ganha dinheiro ou publicidade, mesmo que jamais tenha pensado cursar um doutorado. Dou como exemplo o que aconteceu comigo mesmo. Há poucos meses, após uma reunião, posei com outras pessoas para uma fotografia que acabou sendo publicada num jornal local. Por conta dessa aparição, até dinheiro emprestado já me pediram justificando que se eu saí no jornal então eu estaria rico!
Alessandro Lyra Braga

Desejando dias melhores…

Acho muito curioso o sentimento de esperança por dias melhores que os brasileiros têm, que inclusive vai além da própria racionalidade e dos limites dogmáticos das religiões e/ou crenças. Na hora de se almejar melhoras e vitórias na vida, vale de tudo. Faz-se, independente de qual credo for, as mais variadas simpatias e amuletos que, dizem, abrirão todos os caminhos. Nestas horas, católicos e até crentes deixam escapar que às vezes conversam com um preto-velho ou uma cigana de confiança ou então que, por via das dúvidas, jogam flores brancas ao mar. Nesta época de final de ano, as praias brasileiras ficam cheias de centros espíritas fazendo suas oferendas em agradecimento às vitórias e demandas superadas ao longo do ano que se finda e por pedidos para o ano que está por se iniciar.
Alessandro Lyra Braga

Cartinha abusada ao Papai Noel

Quanto ao amor Papai Noel, você pisou na bola comigo. Só apareceu encrenca o ano todo. Parece até que eu paquerava em hospício. Você pode não acreditar, mas sei que minha outra metade está por aí, só esperando a hora de nos encontrarmos. Sempre acreditei que se ainda não a encontrei, é porque ela estaria ocupada, ou posando para a capa da Playboy ou filmando em Hollywood. Pelo menos, Papai Noel, você não me trouxe nenhuma jovem feia e burra, pois estas eu sempre arranjo sozinho mesmo! Mas o fato é que neste quesito, você esqueceu de mim Papai Noel. Concordo que esta minha cartiha está meio abusada, mas como eu já disse, durante este ano fui um bom sujeito.
Alessandro Lyra Braga

E quase nada mudou no Brasil…

O ano está quase acabando e, mesmo contrariando algumas correntes de pensamento, afirmo que quase nada mudou neste país. A roubalheira e a displicência na condução da coisa pública brasileira, apesar de todas as manifestações que tivemos, continua a pleno vapor. Vejamos o caso do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que pensando ser um ser alado, utilizava diariamente helicópteros para seu transporte pessoal e ainda se irritava com a cobrança popular quanto a este uso exacerbado. O que mudou? Nada. Em um dado momento parece que diminuiu o uso de tal transporte, para depois voltar a usá-los na mesma desfaçatez de antes, alegando agora questões de segurança pessoal.
Alessandro Lyra Braga

Perigo em sala de aula!

Alunos agredindo e ameaçando seus professores! Rara é a semana que não fico sabendo de um caso de violência contra professores em sala de aula. É inacreditável que a profissão de professor tenha se tornado de alta periculosidade. Já soube de casos de alunos que eram traficantes e ameaçaram seus professores com suas armas apenas porque tinham tirado notas baixas. E o que foi feito contra estes alunos marginais? Nada, já que a maioria deles são menores de idade e acabam, de inúmeras formas, sendo protegidos pelo famigerado Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), embora não seja tal estatuto o único culpado de todas as distorções comportamentais relativas às nossas crianças e jovens.
Alessandro Lyra Braga

Resolvi assumir de vez!

É difícil assumir quem realmente somos. Não digo nem assumir para os outros características nossas, até porque não somos de forma alguma obrigados a ter atitudes desse tipo. A questão é que, mesmo que não queiramos, somos obrigados um dia a conversar com nossos próprios fantasmas, que normalmente estão escondidos nos mais profundos recantos de nossa consciência. A maior parte das pessoas acha que quando uso a expressão "assumir" me refiro a sexualidade. Pois agora eu digo que de todas as questões de circundam nossa existência, a sexualidade certamente não é a mais importante. O caráter, a honestidade, a decência e o senso ético são parâmetros muito mais importantes e saber analisar e assumir se somos possuidores, sob uma ótica positiva, de tais condições é dificílimo. Conheço um médico homeopata que uma vez ficou impressionado com uma nova paciente que foi procurá-lo exigindo ser medicada, pois se achava uma pessoa muito ruim e não sabia mais o que fazer para ser boa. Ela teve coragem suficiente para se assumir como alguém ruim e querer melhorar. Já foi um grande passo!
Alessandro Lyra Braga

Ensinar o quê aos nossos alunos?

A escola de hoje terá que se reinventar diante das necessidades do momento. Sou a favor de que sejam utilizados todos os artefatos tecnológicos disponíveis para facilitar o ensino. Aulas com vídeos e/ou projeções sempre despertam o interesse dos alunos. Há muito tempo que temos uma excelente variedade de documentários sobre os mais diversos temas, sendo que atualmente muitos deles estão disponíveis gratuitamente pelo Youtube. Sei que dada a imensa velocidade com que o mundo se transforma hoje em dia, dificilmente conseguiremos ter um currículo escolar sempre adequado e atualizado, mesmo assim as disciplinas básicas não podem ser preteridas, e devem ser cada vez mais valorizadas.
Alessandro Lyra Braga

É melhor acabar com a polícia militar?

Tenho ouvido de várias pessoas que é imprescindível a pronta desmilitarização da instituição "polícia militar", que a polícia militar tinha que acabar. Argumenta-se que hoje a PM (não importando o estado da federação) serve apenas como um agressivo e despreparado órgão de repressão às manifestações políticas legítimas e um corrupto órgão de uma pseudo repressão ao crime. Este entendimento se acentuou com as violentíssimas práticas repressivas utilizadas nas manifestações políticas dos últimos meses. Mas, será que esta é a solução mais acertada? O fato é que temos sim uma estrutura de policiamento ostensivo, logo de combate ao crime, seja ele qual for, deteriorada face às necessidades do dia-a-dia. Temos uma polícia civil, que teria funções investigativas, sucateada em praticamente todos os estados brasileiros, não conseguindo realizar nem medianamente suas atividades. Já a Polícia Federal, que exerce funções de polícia judiciária e investigativa de âmbito federal, encontra-se atuando muito além de suas atuais possibilidades e também carece de inúmeros recursos humanos e materiais, embora possua um corpo de policiais com inegável qualificação e remuneração mais adequada. Assim, a polícia mais próxima aos cidadãos é, sem a menor dúvida, a polícia militar.