A vida é como um videogame

Por em 08/09/2012

Tamanho da fonte: Aumentar o tamanho da letraDiminuir o tamanho da letra

A vida é um constante aprendizado. O videogame imita a vida. Você alguma vez jogou videogame do Mario Bros? Quando iniciamos o jogo pela primeira vez, tudo é muito difícil, vários aspectos desconhecidos e não sabemos quais os desafios que estão reservados ao jogador. Parece impossível conseguir jogar como os mais experientes, mas algo nos faz agir no sentido de tentar pelo prazer da diversão e desafio. E assim a aventura inicia com mais erros do que acertos.

Ora estrelinhas, ora sapos, tartarugas ou varinha mágica. Objetos e seres estão dispostos no caminho e cada um pode ser útil mais à frente ou representa um revés que lhe “rouba uma vida”. O fato é que tudo conta para completar um nível. Muitas tentativas e recomeços até que… bingo… completamos o primeiro nível.

Agora tudo é novidade, pois inicia o segundo nível. Naturalmente por ser a primeira vez neste novo estágio, geralmente, não concluímos de primeira e o jogo termina. Para quem perseverar, basta reiniciar o jogo, passar pelo nível um (desta vez mais rápido devido a experiência acumulada), e retomar ao nível dois. Este ciclo precisará ser refeito várias vezes até conseguirmos completar o segundo nível e passarmos para o terceiro nível.

É exatamente nesse ciclo que dá-se o aprendizado. É o erro levando ao acerto. Tudo dependerá do quanto você está disposto a obter. Se perseverar pelo tempo necessário, cometerá os erros, mas poderá aprender deles e assim tornar-se um melhor “jogador”. Se você desistir, pode até encontrar o caminho mais fácil (fuga), mas não conhecerá o sabor da vitória reservado a poucos. Se perseverar, vai suar, ora se vai, mas nada disso terá sido em vão ao sentir orgulho do seu progresso e superação.

*Ricardo Guimarães é um conceituado especialista em marketing de rede, ajudando milhares de pessoas a prosperarem e construirem negócios a partir de casa em mais de 27 países. Como palestrante profissional, treina equipes com seu “Método Brio” – uma forma de fazer negócios com integridade, aumentando a confiança e evitando a rejeição. Graduado em Tecnologia da Informação pela PUC-RJ, ocupou cargos executivos em diversas multinacionais, montou negócio próprio de fabricação de barcos voadores (ultraleves) e foi consultor das Nações Unidas.






Por Ricardo Guimarães, em 08/09/2012.

Comente!

Busca

Colunistas