グッチ アウトレット グッチ バッグ グッチ 財布 グッチ 長財布 グッチ 激安 gucci 財布 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ メンズ グッチ 財布 203550 グッチ 長財布 本物 グッチ 激安 バッグ gucci 財布 アウトレット グッチ アウトレット グッチ バッグ 新作 グッチ 財布 新作 グッチ 長財布 メンズ グッチ 激安 通販 gucci 財布 2015 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ 人気 グッチ 財布 アウトレット グッチ 長財布 激安 本物 グッチ 激安 本物 gucci 財布 レディース グッチ アウトレット グッチ バッグ 通販 グッチ 財布 2015 グッチ 長財布 レディース グッチ バッグ 激安 gucci 財布 通販 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ ピンク グッチ 財布 レディース グッチ 長財布 人気 グッチ 財布 激安 gucci 財布 激安 グッチ アウトレット グッチ バッグ 本物 グッチ 財布 通販 グッチ 長財布 アウトレット グッチ 激安 財布 gucci 財布 人気 グッチ アウトレット 店舗 グッチ バッグ メンズ
A política anticristã dos EUA para o Oriente Médio | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

A política anticristã dos EUA para o Oriente Médio

Por em 12/08/2012

Tamanho da fonte: Aumentar o tamanho da letraDiminuir o tamanho da letra

Numa “política secreta” não tão secreta, o presidente Barack Obama está financiando os “rebeldes” da Síria, tentando derrubar o governo de Bashar al-Assad. Esses rebeldes incluem terroristas da al-Qaida que têm lutado contra tropas americanas no Afeganistão e no Iraque. Leon Panetta, secretário de Defesa dos EUA, sabe disso. Portanto, Obama também sabe.

A Irmandade Muçulmana e o Hamas são também parte da oposição síria. Numa audiência no Congresso dos EUA em fevereiro de 2011, Robert Mueller, diretor do FBI, disse: “Obviamente, elementos da Irmandade Muçulmana aqui nos EUA e em outros países financiam o terrorismo”.

O Hamas é classificado pelos EUA como um grupo terrorista. O Hamas manda nos políticos do governo da Faixa de Gaza e é um filhote da Irmandade Muçulmana.

Os “rebeldes” sírios estão atacando igrejas cristãs e ordenando que os cristãos abandonem seus lares. Os cristãos estão sob pressão para se juntar à oposição e lutar contra al-Assad. Aqueles que não aceitam são usados como escudos humanos em ataques ao Exército e forças de segurança da Síria. Os cristãos, que compõem cerca de 3 por cento dos 22 milhões de pessoas na Síria, estão também sendo alvos de rebeldes sunitas em Damasco. Milícias rebeldes, inclusive uma que se chama Brigada do Islã, vêm matando funcionários públicos cristãos.

Cristãos sírios sofrendo atrocidades de rebeldes islâmicos financiados pelo governo dos EUA

Os cristãos da Síria estão agora se armando contra os rebeldes, e recebendo armas do governo de al-Assad.

“Vimos o que aconteceu com os cristãos no Iraque”, Abu George, residente cristão do distrito de Aziza em Aleppo, disse para o jornal Global Post. “O que está acontecendo em Aleppo não é uma revolução do povo em busca de democracia e liberdade. Os soldados do tão chamado Exército Sírio Livre são sunitas radicais que querem estabelecer um estado islâmico”.

O que aconteceu no Iraque? Desde a invasão dos EUA em 2003, cerca de metade dos 1,4 milhão de cristãos do Iraque fugiram do país, forçados a abandonar o Iraque por praticamente uma década de ataques de bomba a igrejas, sequestros e assassinatos religiosos.

Tanto na Líbia quanto no Egito, antes do governo dos EUA facilitar (no caso da Líbia) ou orquestrar (no caso do Egito) golpes de estado, as minorias cristãs se sentiam protegidas de perseguição islâmica e tinham liberdade de praticar sua fé sem sofrerem violências. Agora estão enfrentando extinção.

Enquanto o governo dos EUA luta para ter a supremacia no Oriente Médio, os cristãos estão se tornando vítimas inocentes das operações militares americanas. E ninguém no governo dos EUA parece dar a mínima.

Além disso, uma cláusula na Lei de Autorização de Defesa Nacional, sancionada por Obama em 1 de janeiro, dá às forças armadas a autoridade de prender qualquer um “que tenha parcial ou substancialmente apoiado a al-Qaeda, o Talibã ou forças associadas que estão engajadas em hostilidades contra os Estados Unidos ou seus parceiros de coalizão”, e qualquer um que cometer um “ato beligerante” contra os EUA ou seus aliados de coalizão, sob a lei de guerra, “sem julgamento, até o fim das hostilidades conforme determinações do [AUMF]”.

Ao financiar a al-Qaida, Obama violou sua própria lei e, ao prover o financiamento, o Congresso dos EUA se tornou cúmplice. Todos eles deveriam ir para a cadeia por tempo indefinido.

Escrito por Bob Livingston

Traduzido por Julio Severo do artigo de Personal Liberty: America’s Anti-Christian Middle East Policy

Fonte: www.juliosevero.com

*Julio Severo é cristão e atua como ativista pró-vida e pró-família, colaborando para blogs e sites com seus textos. Atualmente, Julio Severo vive com a família no exterior.






Por Julio Severo, em 12/08/2012.

1 resposta to “A política anticristã dos EUA para o Oriente Médio”

  1. Ivani Medina

    A Irmandade Muçulmana está promovendo a união islâmica entre todos os países nos quais se pratica este credo. A ideia é chegar ao poder com total apoio popular e levar a reboque a opinião pública ocidental evocando justiça social e democracia, algo cujos meios facilitadores, na prática, nunca fizeram parte daquela cultura. Claro que no correr dessa implantação uma faxina cultural está sendo feita e o cristianismo será expulso de todos esses países. Como as necessidades políticas mudam como as nuvens no céu, consumada a vitória islâmica outro rumo os fatos irão tomar parte a parte. O aspecto religioso-cultural será tocado à vara pelo aspecto político, o seu senhor, porque ambos (islamismo e cristianismo) querem a mesma coisa: dominar absolutamente o mundo.

    #3490

Comente!

Busca

Colunistas